Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

29 de fevereiro de 2016

Prefeito recebe presidente do MTG

O prefeito José Fortunati recebeu na tarde desta segunda-feira, 29, o presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Nairo Callegaro, e outros integrantes da diretoria da entidade que assumiram a Gestão 2016. Na reunião, no Centro Integrado de Comando de Porto Alegre (CEIC), eles apresentaram a programação do cinquentenário do MTG, que acontece em outubro deste ano.
 
Fortunati e o secretário municipal de Cultura da Capital, Roque Jacoby, garantiram o apoio institucional da Prefeitura de Porto Alegre para os eventos do aniversário de 50 anos da entidade. Entre as propostas feitas pela diretoria, está um prazo maior de cedência do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho (Harmonia), depois da realização do Acampamento Farroupilha, para a programação específica do cinquentenário. As propostas serão analisadas e as ações, definidas nas próximas semanas.
 


/executivo /tradicionalismo
Texto de: Melina Fernandes
Edição de: Carolina Seeger
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

OCUPA MARIO- CCMQ abre agendamento para ocupação de seus espaços em 2016



A Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), este ano, irá passar por um processo de restauro e modernização, com início previsto para o segundo semestre, conforme já informado pelo Secretário de Cultura do Estado, Victor Hugo, à imprensa local (Victor Hugo: o desafio da gestão cultural em meio à crise). Desta maneira, a instituição abrirá agendamento para ocupação de seus espaços – teatros, auditórios, salas de ensaio cênico, musical e para oficinas – sem a realização de editais formais, já que com o avanço das obras do restauro irá gradativamente fechar estes locais ao longo do ano.
O atual diretor Émerson Martínez Fortes, ressalta a importância do restauro e modernização da Casa: “Em 2017 poderemos receber com qualidade e modernidade uma grande quantidade de grupos de todas as áreas artísticas, abrindo a porta para mais projetos, diversificando e democratizando cada vez mais a CCMQ. Esta tem sido nossa preocupação e por isso ao longo de 2015 e neste inicio de ano já realizamos diversas melhorias, como por exemplo o conserto do ar-condicionado dos Teatros Bruno Kiefer e Carlos Carvalho, assim como aquisição de equipamentos novos de som e iluminação, dentro outros espaços que receberam melhorias. E com isso buscamos oferecer espaços com qualidade estrutural e técnica”.
O diretor enfatiza, ainda, que para a CCMQ não ficar parada e sem fornecer espaços para a classe artística, a partir desta quinta feira (18\02) irá receber projetos de ocupação, que obedecerão um rodízio dos locais disponíveis para uso, de forma a contemplar um número maior de grupos e coletivos.
Outra meta da CCMQ é poder aumentar o número de oficinas, assim como diversificá-las, visando desta forma contemplar outros conteúdos culturais e atendendo melhor a diversidade de públicos. “Queremos proporcionar através das oficinas o contato do público com as mais diversas linguagens artísticas, fazendo com que a Casa cumpra seu papel de pólo das artes” disse Émerson.
Os interessados deverão solicitar agendamento de espaços diretamente pelo e-mail: ocupaccmq2016@gmail.com , onde poderão obter mais informações e a ficha de inscrição.
Abaixo informações completas sobre a inscrição dos projetos
Para a proposta, o grupo deve considerar as seguintes orientações:
A CCMQ reserva-se o direito de escolher datas e locais que melhor atenderem as demandas internas de programação, assim como também levará em conta o Cronograma de Obras da Reforma Interna programada para 2016.
Será aceito somente a inscrição de 1 (um) projeto por proponente para cada área.
Período máximo de ocupação de 3 (três) meses por proponente para oficinas e ensaios.
Ao final do período utilizado para ensaios artísticos deverá ser oferecida 1 (uma) apresentação gratuita para a comunidade, com agenda a ser definida de comum acordo com a CCMQ.
Para oficina de música não será aceito projeto com instrumento de percussão (bateria, tambor, etc), em função da CCMQ não dispor de ambiente com isolamento acústico apropriado.
O proponente que tiver seu projeto viabilizado, no cômputo geral de presenças, não poderá ter mais que 15% de faltas. Ultrapassando esse limite, perderá o local de ocupação.
Todas as propostas/projetos que forem viabilizados conforme os espaços disponíveis oferecidos assinarão o Termo de Compromisso padrão utilizado pela CCMQ, contendo instruções sobre as relações com a instituição e cujo descumprimento penalizará com o encerramento de qualquer relação entre as partes.
Para os projetos pertinentes, os custos relativos aos Direitos Autorais (ECAD) são de responsabilidade do proponente, bem como as liberações exigidas junto aos demais órgãos, deverão ser feitas diretamente pelo proponente e entregues ao Núcleo de Eventos da CCMQ, conforme rege o Termo de Compromisso.
Esclarecimentos acerca do conteúdo destas orientações poderão ser obtidos através do email: ocupaccmq2016@gmail.com
Em vista de todo o contexto disposto nestas orientações, a CCMQ se reserva o direito de não realizar proposta apresentada, caso avalie incompatibilidade com os movimentos de reforma interna ou quaisquer outros contextos que venham surgir.
ANEXO 1 – Modelo Ficha de Inscrição de Projeto (copie e cole estas informações em um Word, preencha e salve como anexo para o e-mail ocupaccmq2016@gmail.com)
Nome do grupo, coletivo ou pessoa física:
Nome do responsável:
CPF:
RG:
Telefone de contato – fixo:
Telefone de contato – celular:
Email:
Endereço completo:
Área artística/cultural: ( ) teatro ( ) música ( ) dança ( ) circense ( ) artes visuais ( ) audiovisual ( ) fotografia ( ) culturas populares ( ) outros _____________________________________________________
10 . Proposta de Ocupação: ( ) apresentação ( ) ensaio ( ) oficina ( ) outro _______________________________________________________
Release da proposta de ocupação: (pode escrever nesse local ou anexar um arquivo PDF com o release)
Sugestão do local que pretende ocupar:
Sugestão de data(s):
Anexar 3 (três) fotos em alta resolução (até 2 MB), com crédito do fotógrafo.
Para projeto cênico e musical, anexar raider de som e luz em arquivo PDF.
ocupa-mario
Texto: Assessoria de Imprensa Casa de Cultura Mario Quintana

27 de fevereiro de 2016

Sedac, Universidade de Caxias do Sul e Banrisul lançam projeto Juntos pela Diversidade



O objetivo é incentivar a preservação da diversidade linguística e cultural junto a crianças e jovens.
Com a presença do governador José Ivo Sartori, na tarde dessa sexta-feira (26), o secretário de Estado da Cultura, Victor Hugo, o reitor da Universidade de Caxias do Sul, professor Evaldo Juiava e o presidente do Bando do Estado do Rio Grande do Sul, Luiz Gonzaga Veras Mota, lançaram o projeto Juntos pela Diversidade. O evento foi realizado no estande do Banrisul, nos pavilhões da Festa da Uva em Caxias do Sul.
Com gestão da Universidade de Caxias do Sul- UCS- e coordenação da Secretaria de Estado da Cultura – Sedac- a execução tem foco nos 49 municípios da Região Funcional 3, que abrange os   Coredes Serra, Hortênsias e Campos de Cima da Serra, com caráter de projeto piloto.
As escolas de ensino fundamental e grupos da comunidade, serão incentivados a participar do programa,  sob a liderança dos Prefeituras Municipais, com iniciativas em música, canto coral, teatro, preservação de memória da comunidade, etc.  Os que aderirem serão inscritos e organizados em rede, para orientação, junção de esforços e promoção da visibilidade. Será importante o envolvimento de maestros, músicos, professores de línguas e teatro.

O governador destacou os reflexos futuros do projeto. “Este é um momento de muita riqueza e construção de futuro. Com uma caminhada bem feita no futuro podemos chamar o resultado desse projeto  de “As línguas que o Rio Grande fala”, concluiu.

Para o secretário Victor Hugo o projeto é um exemplo. “Temos aqui a convergência institucional entre a academia, pela UCS, o econômico com o Banrisul cumprindo o papel social de investir na cultura, e a Sedac reconhecendo essa ação, que faz parte do conceito da nossa gestão, de valorizar o viver plural do Rio Grande do Sul”, afirmou.
DSC_2462
Com o patrocínio do Banrisul os cinco melhores resultados de  2016   receberão R$10 mil cada um. Um regulamento especial, se será divulgado em breve, definirá os detalhes, desde a inscrição até a premiação.
O  Programa foi concebido no âmbito do Comitê Estadual dos 140 anos da imigração italiana e se estende ao conjunto das línguas, nativas e de imigração, em particular o talian, polonês, alemão e o kaingan.
Após o evento Victor Hugo visitou alguns estandes dos pavilhões da Festa da Uva, que tem financiamento por meio da Lei de Incentivo à Cultura.

24 de fevereiro de 2016

Neste final de semana tem Carnaval na Orla

Foto: Luciano Lanes / PMPA
No sábado, 27, desfilarão dois blocos. No domingo, 28, terá o Skafolia
No sábado, 27, desfilarão dois blocos. No domingo, 28, terá o Skafolia
O Carnaval de Rua de Porto Alegre estará de volta no final de semana, desta vez na orla do Guaíba. No sábado, 27, o primeiro a passar pelas ruas será o Bloco da Trinca e do Ziriguidum, que, a partir das 15h, sairá da pista de stake, no Parque Marinha, e irá até o Beira Rio (Sunset). Já o bloco Filhos do Cumpadi Washington fará o mesmo trajeto, a partir das 18h. No domingo, 28, às 15h, acontecerá o Skafolia, que faz a fusão de marchinhas tradicionais de carnaval com o SKA, ritmo jamaicano da década de 60. A concentração também ocorre na pista de skate e desfile até o Beira Rio (Sunset).

Até agora, o Carnaval de Rua já contou com quatro desfiles, todos na Cidade Baixa. Os desfiles deste fim de semana serão os penúltimos da programação, que se encerra no dia 12 de março, quando os blocos Turucundá e Bloco do Isopor comandarão a festa, que retornará para as ruas da Cidade Baixa.

Veja os trajetos e horários dos blocos


Sábado
Horário: das 15h às 18h


- Bloco da Trinca e do Ziriguidum
- Concentração: Pista de Skate (Parque Marinha)
- Desfile: Pista de Skate e Beira Rio (Sunset)
- Dispersão: Beira Rio (Sunset)

Horário: das 18h às 21h

- Filhos do Cumpadi Washington
- Concentração: Pista de Skate (Parque Marinha)
- Desfile: Pista de Skate e Beira Rio (Sunset)
- Dispersão: Beira Rio (Sunset)

Domingo
Horário: das 15h às 18h


- Skafolia
- Concentração: Pista de Skate (Parque Marinha)
- Desfile: Pista de Skate e Beira Rio (Sunset)
- Dispersão: Beira Rio (Sunset)




/carnaval
Texto de: Rafael Acosta Martins (estagiário) / Supervisão: João Carlos Machado Filho
Edição de: Jandira Davila Feijó
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

22 de fevereiro de 2016

Resultado do Edital de Ocupação dos Teatros Municipais - 1º Semestre de 2016


Já esta disponível através do link http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smc/default.php?p_secao=184 o resultado do Edital de Ocupação dos Teatros Municipais do 1° Semestre de 2016.


Resultado Dança

Profissional

· 880; LEONARDO JORGELEWICZ; HIATO: Sala Álvaro Moreyra, dias 17, 24 e 31 de março, 20h; quintas-feiras (3 apresentações).

· 822; Marco Aurelio Julio Rodrigues; Normótico: Sala Álvaro Moreyra, dias 18, 19 e 20 de março, 20h; sexta, sábado e domingo (3 apresentações).

· 817; Luciana Ibarra dos Santos Sperb; Ver - de (In) tenso: Teatro Renascença, dias 29, 30 de abril e 1 de maio, 20h; sexta, sábado e domingo (3 apresentações).

· 848; Paola de Vasconcelos Silveira; Corpobolados: Sala Álvaro Moreyra, de 6 a 15 de maio, 20h; sexta, sábado e domingo (6 apresentações).

· 833; Lauren Hartz Rosa; Rubro Almodóvar: Teatro Renascença, de 13 a 22 de maio, 20h; sexta, sábado e domingo (6 apresentações).

· 815; Luciana Ibarra dos Santos Sperb; Acuados: Sala Álvaro Moreyra, dias 14, 21 e 28 de junho, 20h; terças-feiras (3 apresentações).

Acesso

· 851; Jackson Willian Silva Brum; Espetaculo / Performance Suspiro: Sala Álvaro Moreyra, dias 29, 30 de abril e 1 de maio, 20h; sexta, sábado e domingo (3 apresentações).

· 800; Fernanda Rispoli Quartieri; Layali Zaman - Uma experiência árabe: Teatro Renascença, dias 28 e 29 de maio, 20h; sábado e domingo (2 apresentações).

· 793; Claudia Corrêa da Silva; Floresta Amazônica & Les Sylphides: Teatro Renascença, dias 10, 11 e 12 de junho, 20h; sexta, sábado e domingo (3 apresentações).

· 798; Luíza Fischer da Cunha; Ìgbà: exercício de contemplação: Teatro Renascença, dia 23 de junho, 20h; quinta-feira (1 apresentação).

18 de fevereiro de 2016

Secretaria da Cultura anuncia edital para Museus e Culturas Populares



A Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) promoveu, na tarde de terça-feira (16), uma reunião com os colegiados setoriais de Museus e Culturas Populares. Durante o encontro, intermediado pelo diretor do Departamento de Cidadania e Diversidade Cultura, Leoveral Golzer Soares, foi anunciado o primeiro edital direcionado para cada um dos segmentos.
12718284_1092280860823506_8230912341550270705_n
Também participaram o secretário interino da Cultura, André Kryszczun, a diretora de Economia da Cultura, Erica Lewis, e o coordenador do Pró-Cultura RS, Rafael Balle.
12742413_1092282497490009_8013210049475261330_n
Por determinação do secretário de Estado da Cultura, Victor Hugo, serão disponibilizados R$ 250 mil do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), e caberá às setoriais indicar o objeto do documento. De acordo com Kryszczun, “trata-se de um avanço para o FAC. O Rio Grande do Sul é um dos primeiros estados a criar um edital específico e com valor igual para todos os segmentos da cultura”.
12744422_1092281270823465_1788763666160175272_n
Os colegiados têm 15 dias para apresentar o objeto dos editais à Secretaria da Cultura para que eles sejam lançados ainda no primeiro semestre deste ano. Para tanto, foram indicados os nomes de Janice Dias Ramos como coordenadora da Setorial de Museus e Ana Ramos Rodrigues e Deise Formolo para Secretaria Executiva. No segmento de Culturas Populares, foram eleitos Clóvis Alberto Oliveira de Souza como coordenador e Rosecler Winter e Vanessa Ribeiro para Secretaria Executiva.

17 de fevereiro de 2016

Carnaval retorna às ruas da Capital neste fim de semana

Foto: Betina Carcuchinski/PMPA
Neste ano, serão no total seis dias de desfiles na Cidade Baixa e dois na orla
Neste ano, serão no total seis dias de desfiles na Cidade Baixa e dois na orla
O Carnaval volta às ruas da Cidade Baixa neste fim de semana, 20 e 21. Os blocos Areal do Futuro e Satélite Prontidão farão a festa pelas ruas do bairro. “Após o temporal do último dia 29, o trabalho da força-tarefa da prefeitura que limpou as ruas da cidade oportuniza aos moradores conviver mais um pouco com uma de nossas festas tradicionais”, lembrou o secretário municipal da Juventude, Diego Buralde.
 
Em 2016, serão no total seis dias de desfiles na Cidade Baixa e dois na orla do Guaíba. Até agora, dois blocos desfilaram na Cidade Baixa: Panela do Samba e Do Jeito Que Tá Vai. Neste domingo, 21, passarão por ruas do bairro os blocos Areal do Futuro e o Satélite Prontidão.
 
O primeiro a desfilar será o Satélite Prontidão, que animará o público presente à rua João Alfredo. A concentração será na esquina da rua João Alfredo com a Travessa do Carmo, a partir das 16h, e a dispersão será na esquina das ruas João Alfredo e Luiz Afonso. O bloco Areal do Futuro tem concentração marcada para as 19h, na esquina da João Alfredo com Luiz Afonso, passando pelas vias João Alfredo, Aureliano de Figueiredo Pinto e Baronesa do Gravataí. A dispersão ocorre às 22h, na Baronesa do Gravataí.
 
Em 12 de março, será realizado o desfile dos blocos Turucutá e Bloco do Isopor na Cidade Baixa. O Carnaval estará na orla do Guaíba nos dias 27 e 28 de fevereiro. Haverá apresentação dos Filhos do Cumpadi Washington, Bloco da Trinca e Ziriguidum, no sábado, 27, e Império da Lã, Bloco do Kiridão e Skafolia, no domingo, 29.
Veja os trajetos e horários dos blocos:
 
Satélite Prontidão
Concentração: esquina da rua João Alfredo com Travessa do Carmo
Desfile: rua João Alfredo, entre a Travessa do Carmo e a rua da República
Dispersão: esquina das ruas João Alfredo e Luiz Afonso
Horário: das 16h às 19h
 
Areal do Futuro
Concentração: esquina das ruas João Alfredo e Luiz Afonso
Desfile: João Alfredo/Aureliano de Figueiredo Pinto/ Baronesa do Gravataí
Dispersão: rua Baronesa do Gravataí
Horário: das 19h às 22h
 
 


/carnaval
Texto de: João Carlos Machado Filho
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

15 de fevereiro de 2016

Publicadas as alterações do Edital 05/2014 – Pontos de Cultura



A Secretaria de Estado da Cultura torna públicas as devidas alterações ao Edital 05/2014 para o desenvolvimento do Projeto “Rede RS de Pontos de Cultura”, do Programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura, que estava suspenso aguardando a regulamentação da Política Nacional Cultura Viva.
Essa ação atende as orientações do Ministério da Cultura para adequação à Instrução Normativa 01, de 7 de abril de 2015, que regulamentou a Lei nº 13.018, de 22 de julho de 2014, que institui a Política Nacional Cultura Viva – PNCV, e prevê o Termo de Compromisso Cultural – TCC. Este é um novo instrumento de parceria entre o governo e os Pontos que receberão recursos tornando a prestação de contas e o repasse de recursos mais simplificados.
Nessa sexta-feira (12) a Sedac publicou, no Diário Oficial do Estado, a nominata dos componentes da Comissão julgadora desse edital (confira abaixo).
Após a retomada dos trabalhos, em 2015, quando foram analisados os recursos da fase de habilitação, das 78 propostas para apoiar, por meio de repasse de recursos financeiros, instituições da sociedade civil sem fins lucrativos, 46 estão aptas as serem avaliadas pela comissão de seleção.
Confira o edital com as alterações: http://bit.ly/1f4GTsj
Comissão julgadora para o Edital 05/2014-Pontos de Cultura
Portaria SEDAC n.º 06/2016 –
I-Representantes da Secretaria de Estado da Cultura (SEDAC):
Clovis André Silva da Silva – Titular
Marjory da Motta Martins – Suplente
João Wianey Tonus – Titular
Virgilio Moraes Migliavacca – Suplente
Clovis Luis Jorge da Rocha – Titular
Gabriela Klein Petry – Suplente
II – Representantes do Ministério da Cultura (MINC):
Mayra Oliveira Pereira Brito – Titular
Leandro da Silva Vieira – Suplente
Clara Cristina Zitkoski – Titular
Ricardo Atti – Suplente
Leila Rosso Betim – Titular
Margarete Costa Moraes – Suplente
III – Representantes do Colegiado do Circo:
Gabriel Dias Martins – titular;
Rita de Cássia André Masini – Suplente
IV – Representantes do Colegiado do Teatro:
Jessé Moacir Faria Oliveira – Titular
Rodrigo Marques Fernandes – Suplente
V – Representantes do Colegiado da Dança:
Paola Vasconcelos – Titular
Lara Lindenmeyer – Suplente
VI – Representantes do Conselho Estadual de Cultura (CEC):
Adriana Donato – Titular
Marco Aurélio Alves – Suplente

11 de fevereiro de 2016

SEDAC anuncia projetos aprovados na segunda Avaliação Coletiva do CEC em janeiro



A Secretaria de Estado da Cultura (SEDAC) recebeu do Conselho Estadual de Cultura o resultado da segunda Avaliação Coletiva do mês de janeiro.
Foram aprovados cinco projetos totalizando R$ R$ 1.529.804,01 que poderão ser financiados pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC). São eles:
1. Projeto: Caravana Cultural
Produtor: Efexis Marketing e Eventos LTDA
Local de realização: Capão da Canoa, Xangri-lá, Pelotas, Rio Grande e Porto Alegre
Valor Aprovado: R$ 365.958,00
2. Projeto: 4º EXPOCASCA
Produtor: Luaue Entretenimentos LTDA – ME
Locais de realização: Casca
Valor aprovado: R$ 172.943,39
3. Projeto: 5º Bom Natal
Produtor: Prefeitura Municipal de Bom Princípio
Locais de realização: Bom Princípio
Valor aprovado: R$ 86.560,00
4. Projeto: 8º Festival Internacional de Teatro de Rua de Porto Alegre
Produtor: Associação Rede do Circo
Local de realização: Porto Alegre
Valor aprovado: R$ 700.000,00
5. Projeto: 32º Reponte da Canção
Produtor: Tabla Produtora
Cidade: São Lourenço do Sul
Valor aprovado: R$ 204.342,62

10 de fevereiro de 2016

Desfile das campeãs encerra o Carnaval de Porto Alegre

Foto: Ricardo Giusti/PMPA
Imperatriz Dona Leopoldina foi a grande vencedora deste ano
Imperatriz Dona Leopoldina foi a grande vencedora deste ano
Foto: Ricardo Giusti/PMPA
Passaram pela avenida as seis primeiras colocadas do Grupo Especial
Passaram pela avenida as seis primeiras colocadas do Grupo Especial
O desfile das campeãs encerrou o Carnaval de Porto Alegre no Complexo Cultural Porto Seco. O Bloco do OP abriu as apresentações na noite dessa terça-feira, 9. Os componentes, formados por conselheiros e delegados das 17 regiões e seis temáticas do Orçamento Participativo, contaram e cantaram na passarela do samba as conquistas das comunidades por meio da participação popular. Logo em seguida, evoluíram na avenida a tribo campeã em 2016, Os Comanches, e as escolas de samba Império do Sol e Unidos da Vila Mapa, campeã e vice-campeã do Grupão, respectivamente.
 
Por volta da meia-noite, os desfiles foram brevemente interrompidos para a premiação. O vice-prefeito Sebastião Melo, o secretário municipal da Cultura (SMC), Roque Jacob, o coordenador de Manifestações Populares da SMC, Joaquim Lucena, e o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba de Porto Alegre (Liespa), Juarez Gutierres de Souza, entregaram o troféu de campeã do Grupo Especial aos representantes da agremiação Imperatriz Dona Leopoldina.
 
“Foi o Carnaval da superação”, disse o vice-prefeito. “Além da crise econômica que assola o país, o Estado e os municípios, a cidade foi parcialmente destruída em 29 de janeiro, às vésperas do Carnaval, por ação de uma tempestade severa, cujos estragos causados podem ser comparados aos danos de um furacão”, disse, acrescentando que, mesmo com todas as dificuldades, não era possível cancelar a festa. “O Carnaval gera emprego e renda a diversas comunidades. Por conta disso e da tradição, a festa popular foi mantida.”
 
“Tudo transcorreu na maior normalidade, com a participação total das comunidades carnavalescas”, destacou Jacob. “Tecnicamente, os desfiles foram brilhantes. A qualidade do som superou a de anos anteriores. Com as apresentações deste ano, ficamos com a convicção de que o Carnaval de Porto Alegre está no encalço dos de São Paulo e do Rio de Janeiro”, observou. O secretário também adiantou as metas para o futuro. “Agora, nosso objetivo é atrair turistas do Mercosul e tornar esse espetáculo autossustentável.”
 
Para o próximo ano, serão investidos R$ 3,3 milhões na capacitação e profissionalização da cadeia produtiva do Carnaval de Porto Alegre. Os recursos decorrem de convênio com o Ministério da Cultura. Em 14 de fevereiro, ocorrerá pregão eletrônico para compra de materiais. As oficinas e seminários começam logo em seguida. "Figurinistas e artesãos, por exemplo, receberão treinamento para aperfeiçoar técnicas de trabalho", informou Margarete Costa Moraes, representante do Ministério da Cultura na Região Sul.  
 
O presidente da Liespa destacou que, a partir desta quarta-feira, 10, começam os preparativos para o próximo ano. “O Carnaval não é obra para dois ou três dias. É trabalho para um ano inteiro. O de 2017 começa hoje.”
 
Com o encerramento da solenidade de premiação, apresentaram-se as escolas União da Vila do IAPI, Império da Zona Norte, Estado Maior da Restinga, Imperadores do Samba, Acadêmicos de Gravataí e a grande vencedora Imperatriz Dona Leopoldina.
Foram premiadas as seguintes escolas:

Grupo Especial
1º Lugar - Imperatriz Dona Leopoldina
2º Lugar - Acadêmicos de Gravataí
3º Lugar - Imperadores do Samba
4º Lugar - Restinga
5º Lugar - Império da Zona Norte
6º Lugar - União da vila do IAPI
 
Grupão
1º Lugar: Império do Sol
2º Lugar: Unidos Vila Mapa
3º Lugar: Realeza
4º Lugar; Samba Puro
5º Lugar: Praiana
6º Lugar: Sbcr Copacabana

Tribos
Os Guaianases
Os Comanches

 
 
 
 


/carnaval
Texto de: Adriano Santana
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

9 de fevereiro de 2016

Imperatriz Dona Leopoldina conquista Carnaval 2016

Foto: Joel Vargas/PMPA

Fortunati, Sebastião Melo e o presidente da Liespa entregam o troféu
Fortunati, Sebastião Melo e o presidente da Liespa entregam o troféu
Foto: Joel Vargas/PMPA
Disputa entre as escolas foi acirrada, causando apreensão aos seus integrantes
Disputa entre as escolas foi acirrada, causando apreensão aos seus integrantes
A disputa foi acirrada, mas a Imperatriz Dona Leopoldina conquistou o maior título do Carnaval 2016 de Porto Alegre. A escola do bairro Rubem Berta chegou a ficar com a mesma pontuação da Acadêmicos de Gravataí, mas ganhou nos critérios de desempate. A tensão durou até os últimos minutos entre os que estiveram no Complexo Cultural do Porto Seco nessa segunda-feira, 8, fazendo com que a ansiedade de alguns dirigentes, entre eles o presidente da Imperatriz, Victor Hugo Amaro, preocupasse colegas de escola. A apuração foi acompanhada pelo prefeito José Fortunati, o vice, Sebastião Melo, e o secretário de Cultura, RoqueJacoby. (fotos)

A Imperatriz Dona Leopoldina levou para a avenida uma homenagem à família Nogueira, com a presença do cantor Diogo Nogueira. Ao todo, 1,3 mil componentes cantaram o enredo Espelho, de Filho Para Pai. Imperatriz Canta Diogo Para João. Também foram vencedoras a Império do Sol, pelo Grupo de Acesso,  e Os Comanches, entre as Tribos Carnavalescas. Nesta terça-feira, 9, às 20horas acontece no Porto Seco o desfile das Grandes Campeãs.

Para o prefeito, o Carnaval de Porto Alegre fechou o ano com uma nova edição de sucesso. “A Imperatriz Dona Leopoldina está de parabéns pelo belo desfile, assim como das demais vencedoras. Também merecem os parabéns todos os envolvidos nesta que é a maior festa popular de Porto Alegre. O Carnaval da Capital, na sua cadeia produtiva, gera emprego e renda para milhares de pessoas. Certamente a edição deste ano orgulha a todos nós porto-alegrenses”, avaliou o prefeito. 
 
Resultado do Grupo Especial
1º Lugar - Imperatriz Dona Leopoldina - 239,5
2º Lugar - Acadêmicos de Gravataí - 239,5
(Desempate por critérios - Samba enredo deu a vitoria à Imperatriz)

3º Lugar - Imperadores do Samba - 239,4
4º Lugar - Restinga - 239,1
5º Lugar - Império da Zona Norte -238,4
6º Lugar - União da vila do IAPI- 238,1
7º Lugar - Embaixadores do Ritmo -237,5
8º Lugar - Bambas da Orgia - 236,8
9º Lugar - Unidos do Capão - 236,5
10º Lugar - Vila Isabel- 236,1

Resultado do Grupão
1º Lugar: Império do Sol: 238,4
2º Lugar: Unidos Vila Mapa: 237,4
3º Lugar: Realeza: 237,2
4º Lugar; Samba Puro: 233,5
5º Lugar: Praiana: 233,3
6º Lugar: Sbcr Copacabana: 232,6
7º Lugar: Protegidos: 232,2
8º Lugar: União da Tinga: 231,6
9º Lugar: Fidalgos e Aristocratas: 230,4
10º Lugar: Unidos Do Guajuviras: 230,1
11º Lugar: Acadêmicos da Orgia: 229,9
12º Lugar : E.S. Gloria: 228,1

Vencedor Tribos:

Tribo Os Guaianases: 235,8
Tribo Os Comanches: 239,6



/carnaval
Texto de: Caren Mello
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

4 de fevereiro de 2016

Editorial do Presidente do MTG - As Referências

          A nossa sociedade é construída e alicerçada em cima de referencias, sejam elas pessoais, na maioria das vezes, ou de instituições e empresas. Estas referências podem ser positivas as quais podemos nos espelhar e buscar o aprimoramento de nosso convívio pessoal para estabelecer um crescimento sustentável e harmonioso. Por outro lado existem exemplos que não podemos seguir, negativos, que desconstrói um modelo social adequado de boa e respeitosa convivência. 

           Um exemplo pessoal de contribuição para a sociedade, que busco na memória, é o Gen. Flores da Cunha, governou o estado durante sete anos, sem aumentar ou criar novos impostos, abriu o estado ao desenvolvimento, implantou as Secretarias de Educação, da Saúde e da Agricultura, o instituto de Previdência do estado, a Universidade do Rio Grande do Sul e a Frota Rio-Grandense, com navios frigoríficos para exportar a carne gaucha, aumentou das linhas ferroviárias, asfaltou estradas, e a construiu de escolas. Este é, e sempre será uma referência pessoal de nossa sociedade, como pessoa, como cidadão.

           Em nossa sociedade encontraremos varias empresas e instituições que são referências e marcaram tempo e importância em nossa história. Mas chamo aqui a atenção uma instituição que tem muito haver com nossas vidas,  chamada de MTG – Movimento Tradicionalista Gaúcho,  este chega ao ano do seu cinqüentenário como uma referencia social por toda sua trajetória, sua responsabilidade de preservação e transmissão de valores culturais e de nossa identidade como gaúchos.  O MTG representa para as instituições governamentais, a sociedade civil e tradicionalista a preservação e manutenção de valores sociais, éticos e morais. Construiu uma identidade própria e sólida capaz de atravessar este meio século, alicerçada em objetivos claros, documentos, como nossa carta de princípios, e outros. 

            Vejam a grandiosidade do MTG, não estamos falando de normas, regulamentos, formas de funcionamento, estamos falando em fundamentos filosóficos, estudos, pesquisas, valores maiores que constituem esta entidade, documentos a serem estudados em todos os momentos e que achamos as respostas a nossas perguntas. Regulamentos, normas, mudamos a qualquer momento, agora objetivos e aspectos fundamentais, estes são raras as instituições que tem a capacidade de construção e sustentação perante a sociedade.  Esta capacidade de enfrentamento social é reservada a poucos, aqueles que têm plena consciência de suas atitudes, de suas origens, que escolhem com clareza e lucidez um modelo social de vida, que acreditam num bem estar coletivo, que afastam interesses pessoais do âmbito promocional e financeiro. Longe desses interesses o   MTG  nasceu e estruturou-se, acredito nesta instituição, acredito em seus valores, em sua pessoas,   tenho certeza  da grandiosidade e importância social de nossa instituição.

           Assim como nossa referência pessoal citada acima, quero estabelecer uma relação de trabalho e dedicação por esta causa, sem vantagens, sem promoções e sim o bem estar coletivo e a prosperidade de todos numa convivência de muita harmonia. Chamo a todos para estudar e debater profundamente nossos objetivos e aspectos fundamentais neste ano do cinqüentenário de nossa instituição referência o MTG – desta forma sairemos mais  fortalecidos e unidos

Por Nairo Antunes Callegaro

Presidente do MTG

“BONDADE NUNCA É DEMAIS” !



- Dilmar Paixão –
(professor, escritor e poeta)

                O verso é por demais conhecido e se faz adequado para abrirmos as porteiras de mais um ano. Agora 2016. Tudo tão rápido e passageiro, quase a noção explícita de que somos peregrinos e vamos depressa como os segundos do tempo e a velocidade do vento. Aliás, a natureza tem mostrado motivos para reflexões bem importantes.
                Voltando ao verso do título “... bondade nunca é demais!”, pode-se afirmar que, nem mesmo o Teixeirinha, tinha em seus pensamentos a imagem de tanto sucesso que essa canção faria entre a juventude frequentadora de um ambiente musical diferente do nosso regionalismo gaúcho. Cantá-la, antes, nos estádios de futebol já foi uma vitória. Estar na boca do povo em diversas solenidades oficiais e da sociedade rio-grandense também.
É importante que se diga, pois, que não é por “bondade” que as pessoas entoam este tipo de hino “Querência Amada”. E a letra não é das mais fáceis, como a população massificada está acostumada a cantar, com conteúdos resumidíssimos e de apelo fácil. Pelo contrário. É melhor que se diga que é um fenômeno.
De um momento inicial, impulsionado por novos cantores em um grande canal de radiodifusão, essa composição tem se mantido contemporânea sem mais favores e escolhas midiáticas. Então, cante-se: “... bondade nunca é demais”! 
Há anos, o Planeta Atlântida tem um início oficial com o Hino Rio-Grandense, numa participação tradicionalizada pelo Neto, da família dos Fagundes do Alegrete. Uma merecida ocupação de espaços com qualidade, que projetou, desde muito tempo, integrantes da família que responderam, com sucesso significativo, às oportunidades surgidas. Darcy Fagundes, no Grande Rodeio Coringa e na arte da declamação, os irmãos Bagre e Antônio Augusto, o Dorotéo, o Neto, o Ernesto, o Paulinho e os demais, muitos que tenho o privilégio de listar entre os amigos.
Nos idos da 2ª Tertúlia Musical Nativista, em 1981, ainda na sede social e campestre da Associação Tradicionalista Estância do Minuano, no tempo em que Santa Maria era mais famosa por notícias boas, o Bagre e os seus filhos subiram ao palco e tomaram conta. Duvido que os Fagundes tivessem ideia da repercussão que os aguardava com o Canto Alegretense. Tanto que a mais popular daquele festival foi “O Bugio”, do Borges com letra do Prado Veppo. Conta-se que um renomado conjunto regionalista de fandangos preferiu não gravar a novel canção, porque não era costume saudar-se somente uma cidade, já que os grupos de baile animavam festas em inúmeros municípios pelos recantos do Estado e do país. O Guri de “Uruguaiana” que diga do seu sucesso interpretando versões do Canto do “Alegrete”. Méritos, portanto, e aplausos sempre.
Como pai de adolescente, agora universitário, com idade mínima para o Planeta, acompanhei, mais de perto, as festividades deste ano. Da minha experiência profissional na radiodifusão, transmitindo inúmeros eventos musicais pelo país, por raras vezes, observei em um mesmo espetáculo uma canção ser repetida - e na mesma noite. Mais: os intérpretes vieram de outros Estados da Federação Brasileira. E o povo presente demonstrou profundo conhecimento de toda a letra do Teixeirinha. Outra surpresa ainda: no outro dia, vi pela reportagem televisada, que um dos mais reconhecidos sambista daquela noite, intérprete dessa cantiga, confirmou a sua admiração pelas tradições gaúchas e dançou nosso folclore em invernada artística.
Registrar, isso, para a contemporaneidade ou recolher como mais uma prova da popularidade de Teixeirinha, como nosso principal cancioneiro a transportar a arte regional para o mundo, seriam objetivos corriqueiros. Por isso, prefiro recorrer ao verso que sublinhei no título desta manifestação para saudar o ano que se inicia e agradecer a Deus e aos nossos conviventes pela felicidade de estar, coexistir e interagir com bondade. Neste mundo, que há muito é de tanta pressa e desumanidade, sem tempo para o coração, como diria o poeta, conviver é muito mais do que uma necessidade e saber viver e conviver é um desafio sobremodo inegável.
A propósito, humanização é uma terminologia e um conceito que tem sido expresso, inclusive, em políticas públicas e sociais, no entanto, é uma prática mais discursista do que efetiva e eficaz. Sensibilidade é outra palavra integrante desse sentimentalismo racionalizado, onde o ter não deixa mais espaços para o ser e as pessoas, em plena era da comunicação e tecnologia que poderiam aproximá-las, preferem afastar-se das outras pessoas e de Deus. Hospitalidade é uma prática quase inexistente em nossos dias. Aliás, dias e noites.
Uma canção conhecida dos Irmãos Bertussi, chamada Oh de Casa!, historiou o período mais frequente de se demonstrar a hospitalidade: “... um lugar para pousar”. Se recorrermos à literatura poética do payador Jayme Caetano Braun, no seu livro De Fogão em Fogão, há toda uma poesia para definir a hospitalidade. A certa altura dos versos, ele profetiza que, até o índio mais xucro, à margem da vida em sociedade, “... cumpre a hospitalidade”. Se ainda vivêssemos esse tempo que foi descrito em sua real existência, por exemplo, não teríamos tantas banalidades em assaltos que vitimam pessoas inocentes, muitas vezes, por futilidades.
O verso do Teixeirinha é atual, atualizado, apropriado para esses tempos, neste novo ano que se inicia. Se pensarmos que “... bondade nunca é demais!”, poderemos conferir mais qualidade às nossas vidas e convivências, mais humanidades para os relacionamentos, mais amorosidade para o existir humano e social. É um pouco daquelas conversas que se tem nas rodas de mate sobre tradição, progresso e evolução. A tecnologia, mais do que teoria e estudos sobre técnicas, processos e métodos, como sempre se disse, é um mero conjunto de meios e instrumentos disponibilizados para facilitar e não afastar os seres humanos entre si. Entre os males desse último período sem luz, houve um tempo precioso para a convivência nas famílias com criatividade. Para algumas, coisa rara.
Pensando no tema da bondade e no ano estreado, vale uma prece final: “Oh Deus, tem misericórdia de nós e abençoa-nos! Trata-nos com bondade”. “O amor do Senhor Deus não se acaba, e a sua bondade não tem fim”(Lm:3,22). “A bondade é a colheita produzida pelas sementes que foram plantadas pelos que trabalham em favor da paz”(Tg:3,18). Que esta nova temporada seja de bondade entre todos nós, afinal, como a canção recomenda: “... bondade nunca é demais”!
Proseamos mais, de outra feita.
Partenon, 1º de fevereiro de 2016.