Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

30 de agosto de 2014

Território de Paz da Restinga tem quatro Pontos de Cultura


O bairro Restinga, de Porto Alegre, tem como uma das suas principais características a grande produção cultural da comunidade. A Restinga possui um movimento social muito forte que se reflete nas ações culturais do bairro. Destas ações saíram quatro projetos que foram selecionados no edital de Pontos de Cultura da Secretaria de Estado da Cultura, em convênio com o Ministério da Cultura. Cada projeto vai receber R$ 180 mil para executar seu plano de trabalho.
Integração entre os Pontos de Cultura da Restinga
Integração entre os Pontos de Cultura da Restinga
Nessa sexta-feira (29), o secretário da Cultura, Assis Brasil, esteve reunido com os representantes dos grupos contemplados, para conhecer os detalhes de cada trabalho. O encontro foi realizado na escola de Samba União da Tinga com a participação do coordenador dos Territórios de Paz do Rio Grande do Sul, Robério Correa, do coordenador dos Pontos de Cultura da Sedac, Ricardo Oliveira, e de uma equipe da diretoria de Cidadania e Diversidade Cultural da secretaria.
Assis Brasil  falou sobre o significado dos Pontos de Cultura na Restinga. “ O proposto pelo projeto dos Pontos está em um dos melhores lugares que poderia estar, aqui se apresenta muito bem um dos propósitos do programa de qualificar as manifestações vidas da comunidade somado a um nítido conteúdo social”.
 Robério Correa citou a transversalidade de trabalho. “A ação conjunta com a Secretaria da Cultura é a mais efetiva em priorizar os Territórios de Paz nos editais públicos, atingindo os objetivos dos Territórios de ocupação dos jovens, ações no contraturno e formação profissional”, ressaltou.
 A força feminina
 A artista plástica Luiza Gabriela representou o Coletivo Feminino Plural que apresentou o projeto: Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão. As ações vão valorizar a cultura do movimento Hip Hop entre as jovens mulheres ( break, grafite, MC, DJ) no formato de oficinas.
 Além disso, estão previstas ações de artes cênicas para trabalhar o imaginário social e a própria experiência corporal das jovens. Luiz leu trechos de textos e poesia como exemplo do trabalho proposto. “ Queremos mostrar a parte positiva da Restinga”, disse Luiza. O secretário Assis Brasil cumprimentou o grupo pela forma. “É gratificante ver que, ao invés de uma fundamentação teórica, vocês optaram pela poética”, considerou.
 Produção Audiovisual
 A Semana de Cinema da Restinga existe há 40 anos, é o terceiro festival no país em continuidade, “um exemplo de como o povo da Restinga é organizado”, afirmou o cineasta Luciano Moucks que representa o Ponto de Cultura da Associação Artística e Cultural da Periferia.
Secretário recebeu um exemplar do
Secretário recebeu um exemplar do “supertinga” mascote da Associação da Periferia
O trabalho será desenvolvido nas escolas com oficinas de combate à violência, oferecendo novos repertórios aos jovens, por meio da linguagem audiovisual. O projeto pretende dar continuidade às ações de mídia Livre da associação com a criação do Ônibus Multimeios, onde serão exibidos filmes, peças e outras formas visuais dentro de um ônibus que percorrerá as periferias.
 Profissionalização musical
A anfitriã do dia, a Sociedade Recreativa, Beneficente e Cultural Academia de Samba União da Tinga, também tornou-se Ponto de Cultura com o projeto: União, Rede de Cultura da Tinga. O objetivo é valorizar a grande produção musical da comunidade.
O projeto baseia-se num estúdio de ensaio e gravação de CDs e DVDs para a comunidade local, com qualificação de bandas e grupos musicais diversos para a operação de mesa de gravação de áudio e vídeo. Serão organizadas várias atividades musicais nas escolas e oficinas de vídeos para gravação durante o projeto.
 “No final faremos um grande show aberto para o lançamento de um primeiro CD e DVD gravado ao vivo só com composições locais, para que nossos jovens virem protagonista de um evento inédito em nossa comunidade”, explicou o presidente da União da Tinga, Marcos Vinicius Pires, o “Quinho”, como é conhecido na comunidade.
 Todas as etapas do projeto serão gravadas como making off e passadas para os participantes do evento, para que a comunidade  visualize todo o trabalho realizado.
 Escola de Teatro
 O grupo teatral Terreira da Tribo é o quarto Ponto de Cultura da Restinga. O projeto desenvolverá, durante trinta meses, as atividades da Escola de Teatro Popular da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz com oficinas de iniciação teatral, pesquisa de linguagem, formação e treinamento de atores (atividades abertas e gratuitas à população). Também realizará a ação Teatro Como Instrumento de Discussão Social com o objetivo de fomentar a criação de grupos culturais em seis bairros populares de Porto Alegre, além da Oficina de Percussão e Canto Popular, da oficina de produção de audiovisual/documentário e de Cultura Digital.
 Profissão Artesão
 No final do dia da quinta-feira (28), o secretário de Estado da Cultura, Assis Brasil, conheceu o trabalho do Ponto de Cultura da Associarte – Associação de Artesãos do Rio Grande do Sul.
O projeto prevê a interação com as escolas no programa Caixa de Brinquedos-Serão realizadas oficinas de brincadeiras, contação de histórias, confecção de brinquedos artesanais feitos com matérias-primas recicláveis, confecção de papel artesanal e a organização de uma competição de jogos tradicionais de tabuleiro.
Além disso, serão realizadas ações para a qualificação dos artesãos gaúchos tanto no setor de atendimento como de comercialização.

27 de agosto de 2014

Moção Temática da Cultura do OP contrária às alterações da SMC no CMCPOA

Para conhecimento de todas e todos em anexo:

Guimarães Presidente  Conselho Municipal de Cultura
F: 3026.6777 / 9987.5880
Twitter Guimarães:http://twitter.com/notas_guimaraes
https://www.facebook.com/Paulorobertoguimaraes
Blog Conselho POA:http://cmcpoa.blogspot.com





26 de agosto de 2014

Participe para se opor às alterações no CMC pretendidas pela SMC

 Envie para seus contatos:

 

A SMC pretende em Audiência pública a ser realizada no dia 1º de setembro de 2014 no Teatro Renascença a partir das 18h30min, propor para toda a sociedade porto-alegrense profundas alterações no Conselho Municipal de Cultura, de forma totalmente antidemocrática autoritária e ditatorial, conforme demonstraremos abaixo e CONCLAMAMOS A TODOS COMPARECEREM PARA SE POSICIONAREM CONTRA:

 

1 - Essas alterações estão sendo propostas fora do âmbito legal, pois devem passar primeiro por uma conferência de cultura, conforme Art. 29  do decreto 11.738 , que regulamenta a lei 399, que criou o conselho, bem como essas alterações não foram discutidas e aprovadas no conselho de cultura, que é o órgão executivo das deliberações das conferências,  conforme artigo 6º da Lei 399 § 1º.

2 - O GT criado pelo prefeito não conta com a participação do conselho, apesar dos dois secretários terem acertado isso em reunião do dia 21/11/2013,bem como o membro Adrian(OP) não está autorizado por nenhuma instancia do OP,  tudo isso registrado em  ata.

3 - A SMC pretende modificar profundamente  o conselho, modificando entre outras:

a - alterando a composição do conselho, reduzindo o seu número de participantes de 37 para 24  tirando por exemplo 9 representações das regiões do OP.

b- pretende mudar a forma da eleição, consagrada desde a sua criação e que serve de exemplo para conselhos de todo o país.

c- pretende ressuscitar o conselho do livro e leitura, ao qual o conselho atual é totalmente contra, após ter sido feito acordo com o segmento para constituir a comissão gestora e esta ter sido criada por edital.

d- a SMC pretende alterar a proporção entre gestor e sociedade civil proposta desde a sua formação inicial e que é o proposto pelo SMC, que diz que a sociedade deve ser no mínimo paritária.

e - o conselho está buscando pelos meios legais, no MP, Tribunal de Contas e ação cível a anulação desses atos ilegais da SMC para preservar os direitos constitucionais e humanos da sociedade representada pelo conselho previstos no artigo 216-A da constituição federal, pois a SMC não abre editais para renovação fazendo com isso que ocorra o fechamento do conselho, da mesma forma que ocorreu em 2005 , quando o conselho foi fechado por 5 anos.

f - A Temática da Cultura em reunião realizada no dia 26/08/14 tirou um parecer por unanimidade da plenária contrária totalmente às alterações pretendidas pela SMC.

BASEADO NESSAS ESSAS AFIRMAÇÕES CONCLAMAMOS A TODOS A SE POSICIONAREM CONTRA AOS DESMANDOS DA SMC NA SUA MANEIRA DE PROPOR ALTERAÇÕES AO CONSELHO DE FORMA AUTORITÁRIA E ANTIDEMOCRÁTICA.

 

Paulo Guimarães

Pres. CMC gestão 2011/2014

Minuta projeto alteração do GT irregular da SMC e que CMC e Temática da Cultura são contra

Prezados conselheiros e sociedade Porto-alegrense
Segue abaixo, a minuta do anteprojeto, o qual tive que digitar, pois não foi possível copiar digitalmente no página do Observatório da Cultura, projeto este que o Conselho de Cultura é a Temática da Cultura são totalmente contra, pois não foram construídos pela sociedade civil organizada e que justamente quer mutilar uma legislação, que serve de modelo para várias cidades do Brasil, bem como não atende os seguintes artigos de nossas leis:
No decreto 11.738, que regulamentou a Lei Complementar, que criou o conselho;
Art. 29 - A Conferência poderá propor modificações no Conselho Municipal de Cultura desde que aprovadas por 2/3 dos delegados inscritos.
                   Parágrafo único - A modificação prevista no “caput” deste artigo  se dará através de Projeto de Lei a ser encaminhado pelo Executivo Municipal.

Na lei 399/97 que criou o conselho de Cultura:
Art. 6° - Fica instituída a Conferência Municipal de Cultura, evento bienal que se destinará a avaliar, debater e propor políticas e ações para a área da cultura, no que concerne aos diferentes âmbitos público e privado.
§ 1° - O Conselho Municipal de Cultura é o Órgão Executivo das deliberações da Conferência.

Pelos artigos acima vemos que as modificações no conselho devem primeiramente iniciar as discussões numa conferencia municipal de Cultura, após passar para o conselho, que o órgão executivo das deliberações da conferencia, sendo então novamente aprovado pelo conselho, sendo só então encaminhado ao Executivo para ser levado para a Câmara.

NÃO PODE UMA GESTÃO DA SMC QUERER SEM ESSE PROCESSO TODO  MODIFICAR UMA LEGISLAÇÃO, QUE FORAM MOTIVO DE MUITAS DISCUSSÕES E AVANÇOS DA SOCIEDADE CIVIL.

PARTICIPE DA AUDIÊNCIA PÚBLICA , DIA 1º DE SETEMBRO, ÀS 18H30MIN, NO TEATRO RENASCENÇA PARA FAZER VALER AS CONQUISTAS DA SOCIEDADE CIVIL E PARA DIZER QUE SOMOS CONTRA TOTALMENTE PARA ESSAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS NO ANTEPROJETO, POIS INICIARAM DE FORMA ERRADA.

Paulo Roberto Guimarães
Pres. CMC  Gestão 20111/2014


PROJETO ALTERAÇÃO CONSELHO
Minuta de Projeto de lei complementar_
Altera a Lei complementar 399, de 14 de janeiro de 1997,( alterada pela lei Complementar 660(2010), que cria o Conselho Municipal de Cultura(CMC) e o Sistema Municipal de Cultura, institui a Conferência e dá outras providências

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE
Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:
Art. 1º - ficam acrescidos os seguintes incisos ao Art. 1º da Lei complementar 399/97:
XI - elaborar e aprovar os planos de cultura a partir das orientações aprovadas nas conferências, no âmbito das respectivas esferas de atuação;
XII - acompanhar a execução dos respectivos planos de cultura;
XII - apreciar e aprovar diretrizes dos Fundos de Cultura no âmbito das respectivas esferas de competência;
XIV - fiscalizar a aplicação dos recursos recebidos em decorrência das transferências entre os entes da federação;e
XV - Acompanhar o cumprimento das diretrizes e instrumentos de financiamento... da cultura."
Art. 2º- Fica alterado o parágrafo único do Art. 1º da  Lei Complementar 399/97, passando a ter a seguinte redação:
"Parágrafo Único - as questões especificas relativas aos setores de patrimônio cultural e do livro e leitura são de exclusiva competência, respectivamente do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural(Compahc) e do Conselho Municipal do Livro e Leitura(CMLL)."
Art. 3 º - Fica alterado o Art. 2º da Lei Complementar 399/97, passando a ter a seguinte redação:
Art. 2º - O Conselho Municipal de Cultura será constituído por 24 (vinte e quatro) membros titulares e 24 ( vinte e quatro) suplentes, observada a representatividade da Administração Pública, dos produtores culturais e da comunidade, da seguinte forma:
I - 8 (oito) membros titulares e seus respectivos suplentes, representantes do Executivo Municipal, sendo:
a) 1 (um) representante da Secretaria Municipal da Educação;
b) 1 (um) representante da Secretaria Municipal da Juventude;
c) 1 (um) representante da Secretaria Municipal de Governança Local (SMGL);
d) 1 (um) representante da Secretaria Municipal de Turismo; e
e) 4 (quatro) representantes da Secretaria }Municipal da Cultura, dos quais 3 (três) indicados pelo titular da pasta e 1 (um) eleito pelos servidores
II - 8 (oito) membros titulares e seus respectivos suplentes indicados pela população organizada a partir das 8 9oito) regiões de Gestão do Planejamento, mediante indicações encaminhadas e votadas pelos respectivos Fóruns Regionais de Cultura;e
III - 8 (oito) membros titulares e seus respectivos .suplentes representantes da comunidade cultural, sendo 1( um) para cada um dos seguintes segmentos:
a) artes visuais;
b) audiovisual;
c) artes cênicas
d) literatura, livro e leitura
e) música
f) patrimônio cultural;
g) folclore e culturas tradicionais;e
h) carnaval e culturas populares."
Art. 4º - Fica alterado o caput do artigo 3º da Lei Complementar 399/97 passando a ter a  seguinte redação:
Art. 3º - Os representantes da comunidade cultural nos setores mencionados nas alíneas "a", "b", "c", "e',"g" e "h" do inc. III do Art 2º serão eleitos por um colégio de entidades, as quais deverão cadastrar-se previamente na Secretaria Municipal da Cultura, atendendo aos seguintes requisitos:QUAIS NÃO FALA.
Art. 5º -  Fica inserido o parágrafo único ao Artigo 3º da Lei Complementar 399/97, com a  seguinte redação:
"§ único. Os representantes da comunidade cultural, nos setores mencionados nas alíneas "d" e "f" do Inciso III do Artigo 2º, serão eleitos respectivamente, pelo  Conselho Municipal do Livro e Leitura(CMLL) e pelo Conselho municipal do. Patrimônio Histórico e Cultural (Compahc)".
Art. 6º - Fica alterado o Artigo 4º da Lei complementar 399/97, que passa a ter a seguinte redação:
Art. 4º - Para a formação do Conselho Municipal de Cultura, a Secretaria Municipal de Cultura promoverá reuniões públicas das entidades citadas no Inciso III do artigo 2º, propiciando os meios necessários para a eleição dos membros representantes;
Art. 7º  - fica renumerado o Parágrafo Único para Parágrafo 1º e instituído o parágrafo 2º no Artigo 5º da Lei complementarv399/97 , com a seguinte redação:
§ 2º Os membros do Conselho municipal de Cultura perceberão a titulo de representação, uma gratificação pela presença nas reuniões, na forma de Jetom, observando-se os valores e os limites estabelecidos na lei que dispõe sobre as normas gerais para os Conselhos municipais."
Art. 8º Fica acrescido o parágrafo único ao Artigo 7º da Lei complementar 399/97 com a seguinte redação:
§  único - Fica criada, na estrutura administrativa da Secretaria Municipal de Cultura a Função Gratificada de nível 4 (2.1.1.4) com a denominação de Secretário do Conselho Municipal de Cultura."
Art. 9º - Fica acrescido parágrafo único ao Artigo 9º da Lei Complementar 399/97 com a seguinte redação:
"§ único - A Secretaria Municipal de Cultura disporá a partir do plano plurianual subsequente à aprovação desta lei, de rubrica orçamentária específica com os recursos necessários para o funcionamento do Conselho Municipal de Cultura e a organização das conferências de cultura, bienais."
Art. 10º Fica alterado o Artigo 10 da Lei complementar 399/97, que passa ter a seguinte redação:
"Art. 10 - Fica criado o Sistema Municipal da Cultura, constituído minimamente pela  Secretaria Municipal da  Cultura; Conselho Municipal de Cultura; Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural e Conselho Municipal do Livro e Leitura; Conferência Municipal de Cultura; Plano Municipal de Cultura, Funcultura, Fumpahc, Fumproarte e Fumpoa e Sistema de Informação Cultural."
Art. 11º - O poder Executivo estabelecerá nova regulamentação em substituição ao Decreto 11.738/1997, no prazo máximo de 90 (noventa) dias  a contar da data da sua publicação.
Art. 12º Esta lei complementar entra em vigor na data de sua  publicação.
Art. 13º - revogam-se as disposições em contrário.

25 de agosto de 2014

Temática da cultura é contraria às alterações no conselho

A plenária da Temática de Cultura e Juventude em reunião realizado hoje, dia 25/08/14, no 14º andar da Prefeitura Nova com uma grande presença de delegados e lideranças de várias Regiões do OP(Centro Sul, Leste, Humaitá, Cristal  e Centro entre outras), lideranças de segmentos como artesanato e escultores(Adriana Xaplin), Conselheiros Estadual de Cultura como Lisete Bertotto, vários representantes da sociedade civil  DECIDIU,em encaminhamento à primeira pauta, que é totalmente contrária às alterações pretendidas pela SMC, que pretende realizar profundas alterações no Conselho de Cultura para diminuir a participação da sociedade civil, tirando entre outras modificações das 17 regiões do OP, querendo deixar somente 8, querem mudar também o formato da eleição, tirar a prerrogativa fiscalizatória do conselho e aumentar a paridade entre o gestor e sociedade civil, num conselho, que desde o inicio da sua criação serve de modelo para todos o Brasil.
Como encaminhamento sobre o assunto foi criado uma comissão, que se reunirá de imediato para preparar um documento manifestando a contrariedade total da Temática da Cultura e Juventude para qualquer alteração no conselho para ser apresentado na Audiência Pública a ser realizada por iniciativa da SMC na segunda feira, 18h30min no teatro Renascença.
Cleber Lescano, Conselheiro da Temática da Cultura e Juventude em um pronunciamento respondendo declaração do Presidente do conselho, sobre a irregularidade do GT criado pela SMC, falou para todos ouvirem que o membro Adrian Dario, que no GT representa o OP (Orçamento Participativo) não está autorizado por nenhuma instancia do OP.

Paulo Roberto Rossal Guimarães
Pres. CMC POA- gestão 2011/2014

24 de agosto de 2014

Guerra do Paraguai:como lutavam as mulheres




A historiadora Hilda Hübner Flores oferece aos leitores um olhar feminino sobre as guerras, especificamente sobre a Guerra do Paraguai. A história que ela nos conta supera a questão da mulher que espera o homem voltar (ou não) vivo da guerra. As mulheres descritas são as que superam os limites domésticos,que têm um papel ativo de sustentação coletiva, mesmo por entre os destroços de uma guerra,alimentando,costurando,amando e cuidando dos feridos.

Torna-se necessário identificar a diversidade de funções femininas durante os combates. Segundo a autora, as mulheres, durante a Guerra do Paraguai foram exemplos de resistência, destacando-se por características distintas:






NO BRASIL:

1-As desbravadoras e fugitivas- foram as moradoras nas regiões da fronteira Brasil-Paraguai, vítimas de
invasões e sequestros, de parte dos governos paraguaios,por interesses expansonistas;

2-As voluntárias da pátria:

a)as patriotas-que preparavam os filhos para a guerra;

b)as vivandeiras-(que negociavam víveres) eram companheiras dos soldados brasileiros,lavadeiras, cozinheiras e prostitutas ou comerciantes de alimentos,com ou sem filhos, que formavam um exército
desarmado constituído de mulheres e crianças;

c) as enfermeiras- trabalhavam mais por espírito humanitário que preparo profissional. Destaque para Ana Néri,que conhecia chás medicinais(para ingerir,fazer compressa ou para banho).Precursora da Cruz Vermelha Brasileira e patrona da Enfermagem;

d) as costureiras do Exército- costuravam os uniformes dos soldados para sustentar os filhos.

No Paraguai:

a) as agregadas- versão paraguaia das vivandeiras

b) as residentes- eram as seguidoras espontâneas dos soldados de Solano López,formando um exército paralelo de mulheres e crianças;

c) as destinadas-eram as condenadas ao degredo perpétuo e morte por inanição,por supostas infidelidades a Solano López, de parte delas próprias, seus maridos ou parentes.

.


A autora se propõe a dar visibilidade à condição da mulher nas guerras, como diz a Introdução(pg. 08):

O aspecto social, a inserção da mulher,a dedicação cívica que dela se esperava,
a muitas vezes gigantesca tarefa anônima na retaguarda, a reconstrução em que ela
é inserida permanecem inaudíveis no discurso oficial.


Fonte: FLORES,Hilda Agnes Hübner.Mulheres na Guerra do Paraguai.Porto Alegre:
EDIPUCRS,2010



Esta publicação está disponível para pesquisa no Acervo Biliográfico do AHPAMV




22 de agosto de 2014

Nota de repúdio contra os atos da SMC de Porto Alegre

 

 

O Presidente do Conselho Municipal de Porto Alegre, pelas prerrogativas a ele conferidas, vem de público manifestar a presente Nota de Repúdio contra atos da SMC - Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, que vem numa sucessão de procedimentos contrários à lei e à democracia, agindo à revelia do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre, ferindo, mais uma vez, a legislação e os direitos constitucionais básicos, em mais uma ação autoritária:

 

1º) Encaminhando à Câmara Municipal de Vereadores um projeto de lei com o Plano Municipal de Cultura de Porto Alegre, incompleto, sem diálogo e sem a validação do CMC POA, que participou do processo até a conclusão do plano em 2013;

 

2º) Não abrindo Edital de Eleições do Conselho Municipal de Cultura até agora, sendo que o mesmo se viu obrigado a prorrogar seu mandato e vem mantendo suas funções normalmente;

 

3º)  Agora abre uma consulta popular sobre alterações no Conselho Municipal de Cultura e pretende realizar uma audiência pública no dia 1º de setembro de 2014, para apresentar as alterações que quer impor, sem oitiva do mesmo, o que invalida o processo.

 

O Conselho está tomando as medidas cabíveis em todas as instâncias e não concorda de forma alguma com os acontecimentos.

 

 

Porto Alegre, 22 de agosto de 2014.

 

 

Paulo Guimarães-

Presidente do CMC POA

Acampamento Farroupilha: caráter familiar e atração campeira em Porto Alegre

O mais longo dos acampamentos

VIA ZERO HORA:

Montado desde maio, edição terá tempo recorde de dedicação à tradição gaúcha

22/08/2014 | 06h53
Acampamento Farroupilha: caráter familiar e atração campeira em Porto Alegre Marcelo Oliveira/Agencia RBS
Acampamento abriu oficialmente no dia 12 de junho Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS
Quem olhar só para o calendário pode pensar que o Acampamento Farroupilha em Porto Alegre sequer começou, mas se caminhar pelas vielas do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho vai perceber que, na verdade, o evento ainda não terminou.

Montados desde junho, quando abriram as portas para visitantes de diversos países durante a Copa do Mundo, 78 piquetes continuam em atividade, tornando esta a mais longa das 27 edições do evento. Para alguns gaudérios, um terço do ano será passado lá. A presença de turistas ficou abaixo da expectativa durante o Mundial, mas a tradição gaúcha está em evidência por um tempo recorde neste ano. Há cerca de três meses, quando começaram os preparativos para receber turistas, dezenas de pessoas perambulam pelas instalações e aproveitam o aconchego de casa.

Sim, alguns estão morando lá — fazendo dos piquetes suas residências por um período muito maior do que o dos festejos.

— Se deixassem, eu ficava aqui o ano inteiro — afirma Ernane Silveira, patrão do Galpão da Querência.

Leia as últimas notícias de Zero Hora

Ele mostra um quartinho no segundo andar improvisado do galpão ao ser perguntado onde mora e revela que conta o tempo que vai passar por lá até o fim do evento deste ano: quatro meses e 20 dias ao todo, de maio ao fim de setembro.

Fechado para o público nos dias úteis, é nos fins de semana que o longevo acampamento deixa de reunir aspectos de um vasto ambiente familiar para destacar sua vocação como atração campeira em plena metrópole. Nas noites de sexta e durante todo o sábado e domingo, o local fica aberto para visitantes, os piquetes podem realizar atividades culturais e, claro, convidar todos para um churrasco. A estrutura ainda não é a esperada para o evento principal, mas agrada.

— Sábado passado, assei 90 quilos de galeto — comemora João Carlos Marques do Couto, caseiro do Galpão dos Amigos.

Todo pilchado, ele garante que não perde uma edição, e que o longo acampamento atraiu visitantes fora de época.

— Sempre largo tudo de mão e venho para cá. Isso aqui é uma terapia — diz.

Mais tempo aberto, mais custos para a prefeitura Enquanto a festa não começa, praça de alimentação, feira e estruturas administrativas já funcionam. Como a estrutura erguida até agora é menor que a planejada para o evento oficial, há trabalhadores em plena atividade para terminar tudo até 1º de setembro, quando a área será aberta ao público.

Misturados a eles, um gaúcho toma chimarrão, outro limpa os espetos, vários conversam em uma roda, contentes com o evento que, sem nem ter iniciado, ainda não acabou. Como a rotina campeira do parque aberto em junho não acabou após a Copa, os gastos com a realização aumentaram.

A expectativa da prefeitura era de erguer dois acampamentos neste ano, mas a pressão de quem gostaria de permanecer acabou tornando esta uma grande edição. Não foram poucas as famílias que optaram por permanecer até o fim da Semana Farroupilha. Cada um dos 78 piquetes manteve pelo menos uma pessoa para fazer a segurança do espaço, mas os que ficaram cobram mais policiamento.

Além disso, o uso de água, luz e banheiros químicos exige gastos por parte da administração municipal e da Fundação Cultural Gaúcha/MTG. A prefeitura gastou R$ 660 mil, o dobro de uma edição regular. Ainda assim, a secretaria municipal da Cultura avalia como positiva a permanência.

— Esse local, que sempre era alvo de moradores de rua e pessoas que fazem de lá até ponto de tráfico, foi visitado por até 15 mil pessoas em um fim de semana fora de época — revela Giovani Tubino, coordenador do Acampamento Farroupilha.

— Os gastos aumentaram, mas consideramos que é um custo que vem com o evento. A demanda por manter o parque aberto veio dos próprios acampados e, mesmo imprevista, teve aval da prefeitura.

Calendário
A 27ª edição do Acampamento Farroupilha tem como tema “Eu sou do Sul”. O evento, que prossegue desde a Copa do Mundo, vai completar três meses de duração em setembro. Apesar de não poderem promover atividades nos dias de semana, os piquetes montados durante o Mundial podem, desde julho, receber visitantes nos finais de semana.

O que vem por aí
24 de agosto: chegada da Chama Crioula à sede da 1ª Região Tradicionalista
31 de agosto: fim da montagem dos 371 piquetes cadastrados na Capital
1º de setembro: o Parque Maurício Sirotsky Sobrinho é aberto ao público
7 de setembro: abertura oficial do Acampamento Farroupilha em Porto Alegre
20 de setembro: encerramento da Semana Farroupilha 30 de setembro — prazo final para desmontagem dos piquetes

O que já passou
23 de maio: os piquetes autorizados a funcionar na Copa do Mundo começaram a ser erguidos
12 de junho: abertura do Acampamento Farroupilha Extraordinário da Copa do Mundo
13 de julho: fim das atividades do Acampamento Farroupilha Extraordinário da Copa do Mundo
16 de agosto: início da montagem do restante dos piquetes no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho

21 de agosto de 2014

Sítio do Laçador terá iluminação cênica

Foto: Fredy Vieira / PMPA
Local terá dez luminárias fechadas para lâmpadas de vapor metálico Local terá dez luminárias fechadas para lâmpadas de vapor metálico
Na próxima segunda-feira, 25, a Secretaria Municipal de Obras e Viação, por meio da Divisão de Iluminação Pública (DIP), assina a Ordem de Início para a obra de instalação da nova iluminação pública no Sítio do Laçador (avenida dos Estados).
 
No local, serão instaladas dez luminárias fechadas para lâmpadas de vapor metálico (150 watts/ 220 volts). Também haverá sete luminárias cênicas, em alumínio fundido, para lâmpadas multivapor metálico com potência de 150 watts. A instalação também prevê três postes com 14 metros de altura.
 
O investimento na obra será de R$ 99,3 mil. A partir da assinatura da Ordem de Início, a empresa contratada (Instaladora Elétrica Mercúrio) terá um prazo de 90 dias para a conclusão dos serviços.
 


/monumentos /obras
Texto de: Caco Belmonte
Edição de: Manuel Petrik
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Turismo de Galpão oferecerá mais de 140 oficinas no Acampamento

Foto: Anselmo Cunha/PMPA
Montagem dos 372 piquetes já está 70% concluída Montagem dos 372 piquetes já está 70% concluída
Foto: Anselmo Cunha/PMPA

"Eu sou do Sul" será o tema desta edição do tradicional evento
A montagem dos galpões do Acampamento Farroupilha já está 70% concluída. Ao todo, serão 372 piquetes. Segundo o coordenador de Tradição e Folclore da Secretaria da Cultura, Giovane Tubino, a previsão é de que até o dia 31 de agosto todos estejam montados.
A 27ª edição do tradicional evento da cultura gaúcha será aberta em 7 de setembro, com o tema "Eu sou do Sul". Os requisitos de inscrição levaram em consideração o projeto cultural, o alvará de funcionamento do ano de 2013 e as atas de fundação e de patronagem atualizadas, além do certificado do Curso de Brigadista do Corpo de Bombeiros.
Com o projeto Turismo de Galpão, o Acampamento Farroupilha oferecerá aos visitantes a possibilidade de um contato direto com as manifestações, hábitos e costumes dos gaúchos. Realizado pela primeira vez no evento de 2013 e reeditado no Acampamento Extraordinário da Copa do Mundo, o projeto terá a participação de 53 piquetes, que abrirão suas portas para oferecer oficinas e atividades com conteúdos que incluem aspectos da cultura gaúcha.

O visitante poderá aprender a preparar um chimarrão, a assar um churrasco e conhecer receitas de doces tradicionais da culinária regional, como também ficar por dentro da história do charque, sua importância na economia do Estado e como fazer o carreteiro original. Danças, demonstrações de montaria, jogos e a indumentária do gaúcho são também alguns dos variados temas das mais de 140 oficinas  que serão oferecidas diariamente, de 6 a 21 de setembro, entre 10h e 20h.
As atividades são realizadas no ambiente dos piquetes participantes do projeto. A maioria das atividades será gratuita. Cada oficina irá oferecer, em média, 20 vagas por edição. Também fazem parte do Turismo de Galpão as caminhadas guiadas. Serão seis edições com visitação a diferentes piquetes.
O Galpão da Hospitalidade será o centro de referência para toda a programação do Turismo de Galpão. Será também o local onde os visitantes deverão fazer sua inscrição para todas as atividades do Turismo de Galpão. A estrutura de quase 200 metros quadrados, localizada ao lado do Centro de Eventos Casa do Gaúcho, funcionará diariamente das 9h às 22h, e será também local de acolhimento, convivência de visitantes e de informação turística da cidade.
O projeto Turismo de Galpão é realizado pelas secretarias municipais de Turismo (SMTUR) e da Cultura (SMC), em parceria com a 1ª Região Tradicionalista e a Fundação Cultural Gaúcha.






/acampamento_farroupilha
Texto de: Clever Saydelles e Eliana Zarpelon
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Cineastas independentes comentam os desafios de fazer filmes no país

VIA ZERO HORA:
 
Na cara e na coragem

Artistas reconhecem melhorias nas políticas públicas voltadas ao audiovisual, mas seguem lutando por mais oportunidades

20/08/2014 | 22h19
Cineastas independentes comentam os desafios de fazer filmes no país Sofá Verde/Divulgação
Cena de "Trique-Trique", da produtora Sofá Verde, que arrebanhou os prêmios de direção, ator coadjuvante e fotografia do Histórias Curtas RBSTV de 2013 Foto: Sofá Verde / Divulgação
Na terça-feira, a cineasta Jasmila Žbanić listou dicas para vencer a falta de investimento em cultura na Bósnia, cujo governo dedica módicos 500 mil euros aos filmes. Não é exatamente o caso brasileiro. Para ficar por aqui e por agora, o governo gaúcho e a Agência Nacional do Cinema (Ancine) acabam de oferecer, em edital, R$ 5 milhões para a produção de longas-metragens de ficção e documentário. Mas não é como se a lida do cineasta se resolvesse com uma câmera na mão e uma ideia na cabeça.
– Desde 2002, a política para o audiovisual cresceu muito e, este ano, o Estado abriu um edital depois de 10 anos (sem editais). Concordo que falta incentivo, mas também falta um acordo maior entre a verba gerada pelo governo e as lideranças da classe cinematográfica – diz Alice Castiel, da Sofá Verde Filmes, criticando a segmentação por gênero dos recursos no edital gaúcho, ao contrário da maior “liberdade criativa” dos editais mais recentes de Minas Gerais e Pernambuco, além da obrigação de vincular o filme a uma distribuidora, o que poderia acabar prejudicando os estreantes.
A Sofá Verde divide casa com a Avante Filmes, oriundos todos – “há quatro, cinco, seis anos” – de cursos da PUCRS e da Unisinos. A casa conjunta foi o jeito encontrado não apenas para garantir um ambiente de troca de ideias, mas também para reduzir os custos. Embora reconheça melhorias nas políticas públicas, Alice entende que é necessário superar o “raciocínio provinciano” que daria vazão a regras restritivas nos editais.
– É muito difícil fazer cinema em Porto Alegre, e o cinema gaúcho é cada vez menos visto fora daqui. O Castanha passou em Berlim, mas é uma exceção, e algo que já acontecia há muito tempo. As coisas estão voltando a funcionar pelo esforço, mas ainda falta um melhor aproveitamento do dinheiro investido – observa Alice.
As soluções, entretanto, nem sempre passam pelo cheque. Após vitória em edital do Fumproarte, da prefeitura de Porto Alegre, o pessoal da Sofá Verde percebeu que a grana era insuficiente para filmar O Corpo na Capital, e a vitória só valeu comemoração por força da hospitalidade do interior.
– Precisávamos de uma locação distante, bucólica, e não tínhamos orçado hotel nem deslocamento. Conseguimos o apoio da prefeitura de Bento Gonçalves, que nos recebeu extremamente bem, fornecendo hospedagem, banheiro químico e um gerador (de energia) – lembra Alice, apontando ainda as alternativas do crowdfunding e de “fazer no amor”, exemplo da vizinha Avante.
Do próprio bolso
A Machina Filmes, de Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques, é outro caso desse “fazer no amor”. Os três curtas da produtora saíram de economias reunidas via “empregos diurnos”, que Rafael e Taísa abandonariam para se dedicar exclusivamente ao cinema.
– Fizemos nosso primeiro filme com R$ 3 mil, e quem trabalhou não recebeu praticamente nada, alguns só a comida. O Caçador (curta-metragem mais recente da Machina) teve uma equipe bem pequena e também foi feito com grana nossa. Agora estamos tentando os editais – conta Rafael, que já viu duas tentativas anteriores morrerem na praia.
Para pagar as contas, o contagotas de trabalhos publicitários ou institucionais. De resto, segurar as pontas para a próxima produção:
– Não tem como fazer cinema sem incentivo, a não ser que tu tenhas um benfeitor, como um edital ou uma emissora. Algumas pessoas recorrem ao Catarse, como o Ulisses da Motta Costa em seu curta Kassandra, um filme muito bem feito. Talvez seja uma solução para complementar o orçamento quando falta grana. Ficando só no Catarse, dá para fazer um filme, mas sob condições difíceis e dependendo da boa vontade da equipe, porque todos estarão sendo mal pagos – repara Rafael.
O roteirista e diretor – e ator, se apertarem o preço e o prazo –  fala ainda que fazer cinema é “um exercício de paciência”. Pronto o roteiro, após meses de análise e discussão, são mais outros meses de aprontar um projeto, inscrever em edital, viabilizar o filme e, só então, começar a rodar. Com tanto atraso, a faísca do artista pode acender desbotada na hora da filmagem.
A maré é alta
A Casa de Cinema de Porto Alegre data de 1987, e de lá para cá projetou no panteão cultural do país obras como Ilha das Flores, O Homem que Copiava e Saneamento Básico, o filme. Sócia da Casa ao lado de Giba Assis Brasil, Jorge Furtado e Nora Goulart, Ana Luiza Azevedo reforça que “não é correto afirmar que os nossos governos incentivam pouco o cinema nacional”.
Quanto ao governo federal, Ana destaca o Fundo Setorial do Audiovisual (Ancine), os editais de empresas públicas (BNDES, Petrobras, Eletrobras), a Lei do Audiovisual e a Lei Rouanet.
– Além disso, o Ministério da Cultura tem feito editais para produção de curtas, documentários, longas de baixo orçamento, desenvolvimento de roteiro e editais dirigidos a temáticas específicas – aponta a cineasta, reiterando que “nunca se produziu tanto e nunca houve tanto incentivo ao audiovisual no Brasil”.
No Estado, Ana observa que, “depois de dois governos sem qualquer ação de apoio ao audiovisual, voltamos a ter um governo que se preocupa em criar ações e políticas de incentivo à produção audiovisual”:
– A verba e as ações ainda foram tímidas, mas aconteceram. Nós queríamos mais, mas não podemos dizer que não existe incentivo estadual ao cinema – conclui.
Para Alice Castiel, produtora da Sofá Verde, o importante é não desistir:
– Não dá para desistir. Fazer cinema sozinho é muito difícil. É muito importante encontrar a tua turma, sair da faculdade, encontrar pessoas que acreditem nas mesmas coisas que tu, inscrever filmes em editais, se voltar para as políticas culturais e públicas, frequentar reuniões em associações, bater o pé, batalhar. E não desistir.

20 de agosto de 2014

Cultura divulga selecionados em concursos literários


A Coordenação do Livro e Literatura da Secretaria Municipal da Cultura publicou no Diário Oficial os selecionados para os concursos Poemas no Ônibus e no Trem e para o Concurso Literário Histórias  de Trabalho. Ambas as edições são de 2014. Veja o link para a publicação clicando aqui.

Os selecionados no Concurso Poemas no Ônibus e no Trem, terão suas obras publicadas nos veículos do transporte coletivos de Porto Alegre e Região Metropolitana a partir de 2015. Os textos e imagens selecionados no Concurso Histórias de trabalho com os seus respectivos autores serão incluídos na edição 2014. Ambos os concursos terão uma coletânea publicada na Feira do Livro, que acontece de 31 de outubro até 16 de novembro na Praça da Alfândega.

Outras informações 
 
Coordenação do Livro e Literatura 
(51) 3289 8074
coordenacaodolivro.blogspot.com 
facebook.com/cllpoa

Selecionados para “Poemas no Ônibus e no Trem” 
Adão Silveira de Lima Junior - Violão sem Corda
Alcir Alexandre Cavion - Passatempo
André Neto - Poema De Amor Infantil / Infinito Ao Sarandi
Anelise Carraro Susini - Poema do Instante
Carolina Meyer Silvestre - Lá
Cristiano Correa Vieira - Há Pessoas
Daniel Andrioli Rasch - Poema Faminto
Daniel Rangel Guedes - O Filósofo Odeia o Poeta
Danusa Salete Piovesan - Como Vencer o medo
Diego Araújo da Rosa Pereira - Tempos Hipermodernos
Eduardo Aleixo Monteiro - Em Que Pese a Ironia, Achei Por Bem
Eliana Ruiz Jimenez - Ampulheta
Elias Antunes - O Jogo
Fernando Muniz Ribeiro - Piscou o Tempo
Frederico Flosculo Pinheiro Barreto - O Segredo do Cobrador
Gabriel Lelis da Fonseca Ferreira - Confissão de Solidão
Geni Vieira de Oliveira - Surreal
Germana Zanettini - Corte
Giovanna Carla Silva de Oliveira - Sexto Pecado
Irlam Rangel da Costa Teixeira - Imponente
Jéssica Franciele Conceição dos Santos - Frio no Porto
João Paulo de Souza Aires - Gandaia das Ondas
Jose Francisco de Oliveira Flores - A vida e o Buraco
Jussara Maria Nodari Lucena - Meu Guaíba
Leda Alvares Becker - Fruto Maduro
Leonardo Gomes Nogueira - Aqui Não é a Saída de Emergência
Leonardo Siviotti de Alcantara - O Homem no Sofá
Lucas Barros de Assis - Companhia Noturna
Lucas Reis Gonçalves - Um Verdadeiro Poema no Ônibus
Lucas Seiki Mestre Okabayashi - E o Cheiro do Café Barato se Misturando
Lucca Ferreira Pires - Zero
Lucimeri Valente Plaza Goulart - Geometria
Mauro Roberto Domingues Junior - Por Cinco Minutos
Maira Knop Fagundes - Na Rua
Marcelo Soriano - Saltitância
Milton Braga da Motta Júnior - Ressaca
Odemir Paim Peres Júnior - Os Estampidos Um Dia Deixarão John Wayne Surdo
Osmando Jesus Brasileiro - A Vida em Três Atos
Pablo Morenno - Propedêutica
Pablo Silveira - 24 de Fevereiro
Paulo Gleich - Todos de Olhos Fixos Numa Tela
Paulo Roberto Farias - Poema Menino
Paulo Rodrigo Nunes Ohar - Estranho Passageiro
Regis Primon - Amor Seletivo
Rosangela Macedo - Afinação
Ricardo Mainieri - Último Horário
Rodrigo Domit - Ao seu Tempo
Sandra Meyer Silvestre - Grito de Guerra
Sérgio Correa - Sem Sentidos
Thais Lemes Pereira - Fragmentos ao Vento
 

Autores e trabalhos selecionados Histórias de Trabalho
 
Histórias Verdadeiras
Ana Paula Chicarelli - Fast Food 
Elizete Rodrigues - Orações Ordenadas 
Gerson Luiz Bisol - Dia de Pis
Guilherme Hernandez Filho - Em Portugal a Trabalho 
Lucas Winck Esteves - O Formatador de Disquestes
Marcelo Esperança Xavier - Porto Alegre Contra o Agente do IBGE 
Maria Apparecida S. Coquemala - A Derrota 
Noédson Conceição Santos - Match Point: O Estudante de Direito e uma Poetisa Norte-Americana
Schleiden Nunes Pimenta - Chaves 
 
Histórias Inventadas
Célia Chamiça  - A Aguadeira 
Doralino Souza da Rosa  - Êxodo 
Edileuza Bezerra de Lima Longo - Sujeitos Ocultos, Frases sem Ações, Frases sem Sentidos
Gecy Belmonte - O Pedreiro e o Piano
Jorge Augusto Paulo Pereira  - O Escritor 
Luciano de Faria Brasil - Despedida de um Tropeiro
Maria Angélica Ferrasoli - O Moço de BH 
Sirlene Vieira  - E Assim Era 
Tammy Almeida  - Coletivo 
 
Poesia
Adão Silveira de Lima Junior - Tesouros Talhados 
Carlos Brunno Silva Barbosa - A Mão que Balança o Berço e as Crianças Perdidas na Terra do Nunca 
Carlos Eduardo da Silva Guimarães - História Longa ou Quase Longa 
Clarisse Ferreira de Souza - Mais um Dia para Trabalhar 
Edileuza Bezerra de Lima Longo - Os Escultores
Jacqueline Salgado - Gotas de Vida 
Nédia Sales de Jesus - Invisíveis 
Rodrigo Domit - Conversor 
Rui Werneck de Capistrano - Greve 
 
Ensaio Acadêmico
Bruna Rossi Koerich - De Mãe para Filha: Rupturas e Continuidades de Trajetórias Familiares em Trabalho Doméstico 
 
Histórias em Quadrinhos / Cartum
Elmar  Jose Silveira da Rosa Junior – O Trabalho do Transporte Público
Jefferson Souza Santos - A Recompensa 
Jorge Luis Cardoso Pereira - Memórias
 
Fotografia
Gutemberg Rodrigues Ostemberg – Laborando
Mario Corrêa Evangelista Junior – Pescador 
Roberto Machado Alves – Moda Praiana
Sergio Chiscolar Junior – Fotografando a História
Vera Lucia Barrionovo Méo – O Barqueiro no Mar de Estrelas
Vinicius Dreher Neto – Sagrado Trabalho
 


/cultura /literatura
Texto de: Cleber Saydelles
Edição de: Manuel Petrik
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Fumproarte promove reunião com entidades culturais

Foto: Sue Gotardo/Divulgação PMPA
Encontro ocorreu na Casa Torelly, sede da Secretaria Municipal da Cultura
Encontro ocorreu na Casa Torelly, sede da Secretaria Municipal da Cultura
Estiveram reunidos nesta terça-feira, 19, em encontro ordinário, membros representantes das entidades culturais que integram o colégio eleitoral, para a seleção dos membros com direito a parecer da Comissão de Avaliação e Seleção (CAS) do Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural (Fumproarte). O encontro ocorreu na Casa Torelly, sede da Secretaria Municipal da Cultura (SMC), e serviu para referendar o novo edital de eleição da CAS 2014.
 
Estiveram presentes representantes da Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul (APTC), Sindicato da Indústria Audiovisual-RS (SIAV), Sindicato dos Artistas e Técnicos de Espetáculos de Diversões do Rio Grande do Sul (Sated), Associação Riograndense de Imprensa (ARI), Cia. de Arte e Associação dos Produtores Culturais do Estado do Rio Grande do Sul (APCERGS).

As inscrições para novos pareceristas da Comissão de Avaliação e Seleção do Fumproarte estarão abertas de 1º a 19 de setembro, na sede da SMC (avenida Independência, 453).
 


/cultura /fumproarte
Texto de: Cleber Saydelles
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Clubes sociais negros farão encontro nacional em Porto Alegre

Foto: Evandro Oliveira/PMPA
Prefeito recebeu representantes do Ministério da Cultura e da Fundação Cultural Palmares
Prefeito recebeu representantes do Ministério da Cultura e da Fundação Cultural Palmares
O prefeito José Fortunati recebeu, na manhã desta quarta-feira, 20, de representantes do Ministério da Cultura e da Fundação Cultural Palmares, o projeto do III Encontro dos Clubes Negros, que será realizado em dezembro na Capital. O encontro deve reunir representantes dos 57 Clubes Sociais Negros do Estado, além de representantes de entidades de todo o país, para debater questões relacionadas à cultura e à manutenção dos espaços nas cidades. A reunião foi acompanhada por integrantes de clubes do Espírito Santo, São Paulo e de Minas Gerais, além dos secretários municipais da Cultura, Roque Jacoby, da Comunicação, Carlos Bastos, de Direitos Humanos, Luciano Marcantônio, e adjunta do Povo Negro, Elisete Moretto. 
 
O prefeito agradeceu a presença dos representantes e reafirmou a importância do encontro e da valorização da questão negra e da existência dos Clubes Sociais Negros. Para o representante da executiva nacional dos Clubes, Luiz Carlos de Oliveira, Porto Alegre é um exemplo de cidade na defesa da causa. “Os secretários Luciano e Elisete têm sido incansáveis no encaminhamento das nossas demandas”, disse Oliveira. 
 
O objetivo do evento, segundo o dirigente, é reafirmar a identidade negra e constituir oficialmente uma executiva nacional. “A partir dessa eleição em Porto Alegre e da oficialização da nossa entidade, será possível existir juridicamente, ou seja, será possível encaminhar inúmeras questões, como um Plano Nacional e uma rubrica orçamentária para o trabalho de manutenção desses clubes, para que eles não se percam.” 
 
A representante regional do Ministério da Cultura, Margareth Moraes, destacou o relacionamento com Porto Alegre. “Fortunati está sempre de portas abertas”, destacou. A parceria também foi destacada pela secretária Elisete Moretto. “Será um momento especial para o município receber representantes de todo o país. Do que depender de nós, esse encontro será um sucesso”, garantiu,
 
Fundação Cultural Palmares – É uma instituição vinculada ao Ministério da Cultura comprometida com a preservação do patrimônio cultural afro-brasileiro, o enfrentamento ao racismo, a promoção da igualdade, a valorização, difusão e preservação da cultura negra.

III Encontro dos Clubes Sociais Negros –
Os Clubes Sociais Negros são espaços associativos que em diversos estados brasileiros tem tido presença fundamental como espaços históricos de referência da cultura e da identidade de comunidades negras. O encontro será realizado de 4 a 7 de dezembro. 


/direitos_humanos /povonegro
Texto de: Caren Mello
Edição de: Jandira Davila Feijó
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

Gaúchos do Acampamento da Copa são homenageados na Câmara


Aconteceu, nesta terça-feira (19/8), no Plenário Otávio Rocha da Câmara Municipal de Porto Alegre, uma sessão solene em homenagem aos tradicionalistas, organizadores e colaboradores que participaram do Acampamento Farroupilha especialmente montado no Parque da Harmonia durante a Copa do Mundo 2014. "É um reconhecimento aos homens e mulheres que uniram esforços para deixar o acampamento em condições para receber os estrangeiros que visitaram a Capital gaúcha”, definiu o vereador Delegado Cleiton (PDT), proponente da homenagem.
Cleiton disse que, enquanto muitos não acreditavam na realização da Copa no Brasil, lá estavam "os gaúchos de fibra acreditando no sucesso e montando o acampamento". Na sua opinião, foi uma forma de presentear a todos por terem "dado o sangue" para que o acampamento fosse realizado. “Vocês foram os verdadeiros artistas deste show”, frisou o vereador, agradecendo ainda aos voluntários que colaboraram para o sucesso do evento.
O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Manoelito Savaris, homenageou o vereador Bernardino Vendruscolo (PROS), presidente da sessão, pelo projeto apresentado na Câmara que determinou a realização do Acampamento Extraordinário da Copa. Disse que não sabiam como seria o evento, mas todos estavam empenhados em mostrar a cultura gaúcha para que os visitantes pudessem ver. “Não faltou esforço por parte de cada um que lá esteve, e, se alguma coisa ficou a desejar, não foi por falta de esforço”, justificou. Manoelito ainda reivindicou que seja instalado o Museu do Gaúcho em um casarão existente na Avenida Carlos Barbosa, esquina com a Avenida Niterói, no Bairro Teresópolis.
Museu do Gaúcho
O presidente do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (MTG), Rodi Borghetti, pediu que a Câmara aprove o projeto que prevê a criação do Museu do Gaúcho naquele local, iniciando pelo tombamento do prédio. Também lembrou que milhares de pessoas de várias nacionalidades passaram pelo acampamento, havendo a disponibilização de tradutores para explicar a tradição gaúcha mostrada no Parque da Harmonia.
Conforme os organizadores do evento, ao todo foram montadas 80 casas de madeira, com programação especial voltada ao turismo. O Acampamento Farroupilha é um evento tradicional no Rio Grande do Sul, realizado em setembro, mas que, neste ano, por ocasião da Copa, foi montado com antecedência. As estruturas não foram desmanchadas e juntam-se agora com os demais piquetes e CTGs.
Todos os participantes do Acampamento da Copa receberam troféu e certificado em forma de agradecimento pela contribuição dada, levando a cultura gaúcha para terras distantes. Os que prestaram serviço voluntário receberam certificado.
--
Assessoria de Imprensa CMPA
Texto: Flávio Damiani (reg. prof. 6180)
Edição: Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)

19 de agosto de 2014

DESFILE TEMÁTICO EM PORTO ALEGRE DEVE SER CANCELADO


Uma pena! Realmente uma pena! Mas, segundo informações que circulam Porto Alegre ficar sem seu Desfile Temático das comemorações farroupilhas, que este ano de 2014 carregaria o tema Eu Sou do Sul que levaria para a avenida o chimarrão, a fauna e a flora do Estado, além de nossos costumes. Tudo em carros com muito movimento e iluminação.   
O motivo de tal cancelamento por parte da Prefeitura, Fundação Cultural Gaúcha e do MTG é a falta de verbas. Realizado há 13 anos, desde 2012 o desfile temático ocorre na noite de 19 de setembro, sob responsabilidade da prefeitura e do MTG. No dia 20 acontece o desfile tradicional de responsabilidade do governo do Estado. Os dois desfiles custam R$ 1,1 milhão - verba de patrocinadores. Em 2014 os organizadores só conseguiram R$ 500,00 mil até agora. Assim será possível fazer um único desfile  em 20 de setembro, mesclando os participantes, mas sem carros alegóricos.
Ontem, o coordenador de Tradição e Folclore da Secretaria Municipal de Cultura, Giovani Tubino, confirmou que a copa do mundo fez cinco patrocinadores desistirem do evento fazendo o caixa de patrocínio minguar em R$ 600 mil. 
Josemar Basso, coordenador do desfile ainda mantém a esperança de dar continuidade ao trabalho iniciado há um mês nos carros alegóricos em dois barracões do Porto Seco mas reconhece: - Infelizmente dependemos de um milagre para conseguir patrocinadores.

Particularmente volto a repetir: - Realmente, uma pena! O Desfile Temático era um dos grandes momentos das comemorações farroupilhas pois evoluímos dos saudosos desfiles em cima da carroceria de um caminhão (bons tempos) para um cortejo mais vistoso para o público. Nossas lendas, nossas tradições, nossos usos e costumes passaram a ser mostrados com uma visão mais ampla, mais bonita, mais atrativa, sem entrar na temida seara carnavalesca. Mas... fazer o que?


15 de agosto de 2014

Conselho de Cultura pede agilização em processo contra SMC no Tribunal de Contas

Hoje, às 11:20 horas no gabinete do Procurador Geral do Tribunal de Contas , Dr. Geraldo Da Camino o Conselho Municipal de Cultura em reunião agendada pela Vereadora Sofia Cavedon após encaminhamento da reunião da CECE realizada em 12/08/2014 solicitou agilização da representação entregue ao TC contra a SMC  onde o conselho está pedindo entre outras coisas a abertura do edital de eleição do CMC, bem como a nulidade do GT formado irregularmente sem a participação do conselho e o respeito com a sociedade porto-alegrense, pois a SMC encaminhou o projeto do plano municipal, com um projeto de lei feito sem a participação do conselho, instância essa primordial para o bom funcionamento do SNC, pois é a instância que fará a fiscalização ou controle social.
A audiência contou com a presença de 10 pessoas entre os quais 5 conselheiros(as):Evanir, Marly Cuesta, Lauro Rossler, Guimarães, Renato Assis, bem como de Lisete Bertoto e Adriana Xaplin pela sociedade civil, a Vereadora Sofia e mais dois assessores.
Em resposta o Procurador Geral afirmou , que o processo está em seu gabinete para decisão nos próximos dias.

Conselho Municipal de Cultura
Paulo Roberto Rossal Guimarães
F: 3026.6777 / 9987.5880
Blog Conselho POA:http://cmcpoa.blogspot.com