Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

24 de maio de 2015

Em novo protesto, grupo projeta fundação em defesa do Cais Mauá

Via Zero Hora:

Por mais debate

Manifestantes se reuniram na Rua Sepúlveda, em frente ao pórtico central do cais, para contestar a atual proposta de revitalização da área

23/05/2015 - 20h23min | Atualizada em 23/05/2015 - 21h03min
Em novo protesto, grupo projeta fundação em defesa do Cais Mauá Ricardo Duarte/Agencia RBS
Coletivo defende que a área não continue abandonada e degradada, mas é contra o uso comercial do espaço no Centro Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS
O coletivo Cais Mauá de Todos voltou a se manifestar, na noite deste sábado, contra o projeto de revitalização da área portuária de Porto Alegre, que prevê a construção de um shopping e torres no local. O objetivo é impedir a construção, assim como foi evitada a transformação do Parcão em um lote de 40 prédios nos anos 1950 e a derrubada do Mercado Público nos anos 1970, explica o grupo.

Grupo pede mudança no projeto de revitalização do Cais Mauá
 
Obras no Cais Mauá, em Porto Alegre, paralisam à espera de licença


Para atrelar o movimento a outras iniciativas pelo Brasil, houve um contato com os defensores do Cais Estelita, no Recife, onde há uma forte luta para impedir a construção de várias torres comerciais na orla. O passo seguinte é criar a chamada Fundação Cais Mauá para "marcar presença em qualquer movimento de revitalização do Cais, presente ou futuro", informa o grupo.

— Não conseguimos ter vez e voz apenas como coletivo. Falta essa parte institucional, da fundação, para que possamos ser ouvidos — afirma João Volino, sociólogo que é um dos organizadores do evento.


O grupo não se declara contra a revitalização, mas pede que o projeto seja desenvolvido sob três pilares: transparência, legalidade e participação popular — que, apontam os representantes, estão faltando por parte da prefeitura. Conforme a advogada Jacqueline Custódio, uma das porta-vozes do coletivo, a criação de uma fundação permitiria institucionalizar a representação do Cais Mauá de Todos.
— Sempre que tentamos chamar para o diálogo, foi por iniciativa nossa. A prefeitura pode já considerar esta questão encerrada, mas achamos que não está — diz Jacqueline.
O evento anterior ocorreu em 18 de abril. Na ocasião, o grupo pediu a reformulação do projeto, e sugeriu alternativas. A prefeitura, porém, informou na época que não haveria mudanças no atual projeto.

Obras de revitalização do Cais do Porto continuam paradas

Foi em 2010 que o governo do Estado lançou o edital para escolher a empresa que fará a reforma da área. O consórcio Porto Cais Mauá, formado por espanhóis e brasileiros, venceu o edital e ganhou o direito sobre a área por 25 anos. O contrato foi assinado pela então governadora Yeda Crusius e, no ano seguinte, o governador Tarso Genro decidiu dar continuidade ao projeto. O início das obras estava previsto para o primeiro semestre de 2012, mas o anúncio oficial só aconteceu no final de 2013.
Em janeiro de 2014, as estruturas do Cais do Porto que não são tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional entraram em processo de demolição, mas obras foram paradas até que o relatório de impacto ambiental seja aprovado, segundo relatou a prefeitura, em fevereiro, à reportagem de Zero Hora.
* Zero Hora