Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

10 de fevereiro de 2017

MTG se reuniu com Ministério da Cultura


O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairo Callegaro, recebeu na tarde desta quinta-feira, 9 de fevereiro, o Secretário de Articulação e Desenvolvimento Institucional do Ministério da Cultura, Adão Cândido. 
O encontro aconteceu na sede da instituição, em Porto Alegre, e teve como pauta a Declaração de interesse na candidatura dos Centros de Tradições Gaúchas ao Registro de Melhores Práticas, pra apresentação na Convenção da Unesco para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial.
“Estou convencido de que os CTG atuam como importantes núcleos de transmissão dos valores tradicionalistas gaúchos no Brasil e figuram como instrumentos essenciais para a salvaguarda das expressões que integram o conjunto de símbolos, práticas, rituais e manifestações artísticas associadas à identidade gaúcha”, afirmou Adão Cândido.
Para o presidente do MTG, Nairo Callegaro, a iniciativa é de suma importância para chancelar o trabalho de resgate e preservação da cultura gaúcha desenvolvido de maneira organizada, enquanto movimento, há 50 anos e de maneira espontânea desde a década de 1940, quando oito jovens retiraram uma centelha da pira da Pátria, gerando a Chama Crioula, que até hoje é gerada anualmente, mantendo vivo o espírito de amor e orgulho por sermos gaúchos. 
Atualmente, encontram-se em funcionamento 2.835 CTGs, que se distribuem em todo o território nacional. Há, ainda, 12 CTG instalados fora do país (Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Israel, Paraguai e Portugal). Integrados a MTG, eles têm como principais objetivos norteadores da atuação preservar, promover e divulgar o tradicionalismo gaúcho, por meio de atividades esportivas, campeiras, sociais, assistenciais, culturais, artísticas e recreativas; promover a cultura, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico; a promoção gratuita da educação, observando-se a forma complementar da participação; a promoção do voluntariado; a promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais.