Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

24 de maio de 2016

Posse do ministro Calero no MINC

VIA GLOBO:



Calero diz que Cultura não agirá a serviço de 'projeto de poder'

Ao tomar posse, ministro agradeceu ao presidente por dar espaço à área.
Marcelo Calero disse em discurso que único 'partido da cultura é a cultura'.

Ao tomar posse como ministro da Cultura nesta terça-feira (24), o ex-secretário de Cultura da cidade do Rio de Janeiro Marcelo Calero agradeceu ao presidente da República em exercício, Michel Temer, por dar "espaço" à área. Ele afirmou que agirá de forma “republicana” e “nunca a serviço de um projeto de poder”.
“Os programas da Prefeitura do Rio são vivo exemplo de gestão republicana. Modelo que será observado com máximo rigor. O partido da cultura é a cultura, não qualquer outro. Estaremos sujeitos àquilo que a sociedade demanda, nunca a serviço de um projeto de poder”, afirmou, indicando que financiamentos a projetos não observarão preferências partidárias dos artistas.

Ao assumir interinamente a Presidência, Temer anunciou uma reestruturação dos ministérios, que incluiu a extinção do Ministério da Cultura, transformado em uma secretaria do Ministério da Educação.
A decisão de Temer gerou fortes críticas por parte da classe artística. Sedes do MinC em várias cidades foram ocupadas, e músicos, como Erasmo Carlos e Caetano Veloso, por exemplo, participaram de um ato cultural contra a extinção do ministério no Palácio Capanema, no Rio de Janeiro, na semana passada.
No último fim de semana, porém, diante da polêmica em torno do assunto, o ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou que Temer havia recuado e decidido recriar o Ministério da Cultura, por meio de uma medida provisória – publicada nesta segunda (23) no “Diário Oficial da União”. Segundo Mendonça, a decisão de recriar o MinC foi um gesto para "serenar os ânimos" e de "reconciliação".
Sem citar especificamente a decisão do presidente em exercício de voltar atrás e dar um ministério para gerir a área da cultura, Marcelo Calero defendeu o “fortalecimento" da pasta.
"Zelaremos pelo fortalecimento institucional do ministério. Vivemos um dos momentos de maior fragilidade desse sistema em toda a história recente do país, gerado pela situação de grande dificuldade financeira a que estava sujeito o MinC nos últimos anos. Agradeço o compromisso do presidente Temer de reverter esse quadro e garantir a cultura espaço", disse o novo ministro. 
“Reconhecer a importância da cultura é reconhece o papel de todos aqueles [...] criam representações. Os artistas são trabalhadores que tecem os fios que desenvolvem a economia de nosso país e nos sistema como nacionalidade”, completou Calero.
Temer
Após o discurso de Calero, o presidente em exercício fez uma rápida declaração, de cerca de cinco minutos. Temer iniciou sua fala afirmando que a cultura é um setor “fundamental”.
À plateia, ele elogiou o ministro da Educação, Mendonça Filho, que foi, segundo ele, o responsável pela indicação de Calero.
O presidente em exercício também aproveitou o ato no Planalto para elogiar Marcelo Calero por ter feito um trabalho “extraordinário” na secretaria municipal de Cultura do Rio e ter sido capaz de “reunificar” o setor.
“Portanto, meus amigos, eu tenho este momento como importantíssimo do nosso governo. É importante para o Brasil também e estou felicíssimo com as palavras do Marcelo. Disse a ele, inclusive, que divulgasse seu discurso aos setores culturais para que se revele a todos os setores o caminho que será destinado à cultura por este ministério”, declarou.
Temer aproveitou ainda para “enfatizar” que o governo pretende quitar até o fim do ano uma dívida de R$ 236 milhões com artística, em razão de contratos assinados que ainda não foram pagos – a medida já havia sido anunciada na semana passada. “Queremos redimir a cultura”, observou Temer.
Presente na posse de Calero, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso disse que prestigiou a cerimônia por ter sido professor no ministro na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Na avaliação de Barroso, o novo integrante do primeiro escalão do governo é um “menino nota dez”, que fez “excelente trabalho” na secretaria municipal de Cultura do Rio.
Questionado sobre a escolha do ministro pode ser interpretada como um gesto de "reconciliação" de Temer com a classe artística, o magistrado respondeu: “Eu não gostaria de fazer avaliação política, mas acho que haver o Ministério da Cultura num país como o Brasil, e nas atuais circunstâncias, é a melhor opção e acho que a escolha de alguém que combina capacidade de gestão com conhecimento do tema é extremamente feliz, como é o caso do novo ministro".