Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

24 de dezembro de 2016

NO NATAL, OS PACOTES NÃO FICAM MAIS DEBAIXO DA ÁRVORE ?



- Dilmar Paixão –
(professor, escritor e poeta)

               A charge inteligente, jornalisticamente atualizada e coerente com os pacotes anunciados pelos governos federal e do estado nesta quase antevéspera natalina (ELIAS, 2016, p. 4) mostra que “o presente” jogado por cima da árvore a destruiu totalmente. Nada imaculada ou inocente, a indagação se “os pacotes não ficam mais debaixo da árvore”, serve para muitos dos demais acontecimentos extraeconômicos e das políticas e finanças públicas brasileiras. Afinal, essas surpresas foram pesadas para a tênue sustentação da árvore deste Natal.
Percebo que, no final de 2016, não há mais reserva emocional, porque as tensões levaram a zero qualquer estoque remanescente nos seres humanos. Tragédias, tristezas, sofrimentos, lágrimas que inundaram de aflições e amarguras as pessoas e muitas famílias consternaram um amplo universo, dos maiores, dos últimos tempos. Houve quem falasse no apocalipse, quem tentasse apontar culpabilidades e quem recortasse episódios como se pudesse ver toda a colcha a partir de alguns dos seus remendos. Porém, imunidade não foi permitida a ninguém dos sobreviventes.
Se o Natal tem o cunho de renascimento e cada novo ano brota com auroras esperançosas, particularmente este, tem conotações diferentes. Os apelos comerciais, tão vigorosos noutras épocas, sabem que, quando “embrulhados”, tiveram presentes com conteúdos mais modestos e bem singelos dessa vez. Até as palestras motivacionais de que “na crise, subtraia o ‘s’ e crie!” mereceram menor eloquência e intensidade. Por isso, o chargista tem toda a razão: os pacotes não foram colocados debaixo da árvore, e sim, detonaram-lhe o tronco, os galhos, as bolotas, os ramos de neve, estrelas e outros penduricalhos, muitos dos quais de subservientes colonizados por culturas estranhas aos hábitos do nosso povo gaúcho, brasileiro e sul americano.
Se o Chasque Pampeano tem me oportunizado propor pensares e acendimentos à coletividade internética mundial - um agradecimento que sempre faço ao ativista cultural Paulo Roberto Guimarães - julgo válido convidar leitores e leitoras deste espaço para escolhermos na conjuntura uma parte desses assuntos dos pacotes. Sem óbices mais complexos, vemos que o bem viver, a cultura e a cidadania verdadeiramente livre seguem sofrendo ataques grotescos e obsequiando fatias privilegiadas, em especial, pela posse da tomada das decisões. Com as mudanças dos governos municipais e medidas anunciadas por esses novos gestores, providências têm sido jogadas sobre “a árvore social” sem avaliar o “peso” resultante dos atos intencionados.
Perdoem-me, mas preciso, sem querer ser repetitivo, retomar uma dessas temáticas. Intitulei “Dois dedos de prosa”, uma fala de abertura na publicação do Estatuto da Associação dos Amigos da Tradição e Folclore-AATF ou, mais especificamente, a Associação dos Amigos do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore-IGTF. Depois, reforcei minhas opiniões em outros momentos significativos. Começava reconhecendo que essa Tradição e Folclore era “uma Fundação governamental carente, moribunda e internada na UTI”. Mais do que Unidade de Tratamento Intensivo, pelo que pode ser visto hoje, já de outros governos e direções anteriores, “abandonou-se o doente no leito”, sem qualquer tipo de investimento em lhe tratar as feridas. Quem sabe numa maca ou num corredor... Sem medicar-lhe, tem como falar em prevenção de enfermidade ou promoção da saúde institucional? Se assim foi, a resistência do “organismo” durou muito diante do sistema gestor espoliativo. Li que lhe restaram nove funcionários, agora com os cargos em extinção. Se concursados ou não, é mais um assunto.
Para quem quiser detalhes ampliados das justificativas criadoras e dos esforços que até cidadãos comuns lhe dedicamos, as pesquisas “googlísticas”, “wikipedianas” e de diversas fontes alcançam dados razoáveis e que podem, com uma reflexão atenta e responsável, identificar causas e fatores determinantes para esse intento que ora lhe finda a trajetória. Com alguns companheiros comprometemo-nos em apontar, denunciar e enfrentar as intenções para esse desmonte, criando aquela Associação AATF. Outros e outras pessoas amantes da cultura rio-grandense seguiram as lutas, posto que, mesmo com muitos cargos dirigentes remunerados, nós outros precisávamos empenhar árduo trabalho pessoal, muito suor e até dinheiro para gerar recursos a essa sobrevida – ressalto – de uma Fundação cujos diretores sempre foram nomeados pelo governo estadual e deveriam ter tal competência e responsabilidade.
O acervo das pesquisas realizadas e de doações recebidas era invejável, pois nomes como Paixão Cortes, Barbosa Lessa, Lilian Argentina Braga Marques e tanta gente boa produziram cursos, palestras, conferências e eventos qualificados pelos quadrantes de todo o Rio Grande do Sul e fora dele. Se a diáspora gaúcha ganhou fronteiras do Brasil e do mundo, também o IGTF contribuiu. E não foram somente simpósios de estudos, cursos e seminários ou pesquisas de campo. Os festivais nativistas da sua melhor fase em saudável memória tinham no IGTF o apoio desde as inscrições das concorrentes às contribuições no palco e na organização. Um estúdio foi montado, lembro-me bem, quando o Luiz Carlos Borges foi seu Diretor. Destinar-se-ia à gravação de CDs e peças artísticas do cancioneiro popular e dos autores não laureados pela grande mídia. Conscientes, chegamos a ser saudosistas dessa fase.
Se nomes ilustres ocuparam as suas três principais cadeiras de Direção do IGTF nesses anos vencidos, muitas vezes, viam-se pesquisadores, estudiosos em geral, professores, tradicionalistas, interessados no folclore gaúcho e pessoas da comunidade acorrendo à biblioteca, à videoteca e às outras “tecas” acumuladas pelo tempo existencial no acervo da entidade. Lamentavelmente, currículos políticos e fardas partidárias ou interesses pessoalizados e de agrupamentos que acampam nas instituições mais com motivos individuais do que coletivos não fornecem justificativas e proposituras qualificadoras às ações culturais, educacionais e formadoras do ideal de sociedade.
Para quem vê o pacote como um triturador ou compactador de fardos de ferro velho, que põe na mesma carga – indistintamente – segmentos como a rádio e tv Piratini, a educativa, os setores de pesquisa científica e produção de soro antiofídico, por exemplo, com organismos menos operantes, ao par dos confrontos políticos, partidários e ideológicos, resta apontar que esses atos do governo não se esgotam no gesto único da assinatura da decisão e nem na desculpa argumentada de serem pelos reduzidos gastos públicos.
Este é um novo decreto: de que os pacotes não ficam mais debaixo da árvore?
Se o “presente” teve a força gestora de se encontrar com a caricatura desenhada pela caneta inteligente do chargista, o que se espera, ao menos, é que o destino dos produtos desses órgãos decorra de uma astuta, clarividente e atilada discussão com pessoas competentes e ligadas a cada segmento, de estudos comprometidos e legitimamente interessados com o bem de todos e todas do tecido social. Que esses acervos sirvam como façanhas disponibilizadas ao todo comum e não fiquem a adornar estantes e mostruários de exibicionismos individuais.
Ah, e pacotes debaixo da árvore não podem ter o sentido de sujeira embaixo do tapete !



Proseamos mais de outra feita, almejando que o Natal seja de reencontro com o sentimentalismo cristão e que 2017 nos possibilite melhores dias para comemorações e celebração da vida !


Santa Maria, Natal de 2016.








REFERÊNCIA BÁSICA:

ELIAS, Charge. In: Diário de Santa Maria. Ano 15. Edição n.4495. Santa Maria, Grupo RBS, 2016.