Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

31 de dezembro de 2015

Grupos de teatro gaúchos defendem ocupação cultural no Hospital São Pedro

VIA ZH:

Governo do Estado decide rescindir acordo que permitiu o uso de dois pavilhões da instituição

Por: Fábio Prikladnicki
Grupos de teatro gaúchos defendem ocupação cultural no Hospital São Pedro Félix Zucco/Agencia RBS
Ensaio do grupo Povo da Rua em um dos dois pavilhões cedidos às companhias teatrais Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
Integrantes dos grupos de teatro que ocupam os pavilhões 5 e 6 do Hospital Psiquiátrico São Pedro, em Porto Alegre, estão mobilizados para defender a continuidade do trabalho no local. Eles receberam um ofício, datado de 16 de dezembro, em que o secretário adjunto de Cultura do Estado (Sedac), André Kryszczun, informa a decisão de rescindir o acordo de cooperação técnica entre sua pasta e a da Saúde, que garantia a cedência dos espaços. O documento não estipula uma data para a desocupação.

Leia todas as notícias de Espetáculos
Junto com o ofício, os artistas receberam cópia de uma carta do secretário da Saúde, João Gabbardo dos Reis, endereçada ao secretário da Cultura, Victor Hugo, na qual justifica a decisão “por questões de segurança e a fim de evitar futuras responsabilizações civis e criminais”, citando laudo de vistoria do Departamento de Obras de 27 de maio de 2008 e um laudo de um engenheiro do Departamento de Coordenação dos Hospitais da secretaria de Estado da Saúde datado de 19 de março de 2015.

Por meio de sua assessoria, a Secretaria da Saúde informou à reportagem que está agendada para o dia 7 de janeiro uma reunião com os grupos de teatro e com a Sedac, na qual serão tratadas “questões relativas à desocupação e ao restauro dos prédios históricos”. Diz a nota: “O local foi interditado após vistoria da Secretaria de Obras, apresentando riscos estruturais. Tombado pelo patrimônio histórico (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado – Iphae), o local necessita passar por obras de recuperação e restauração”. Procurada, a assessoria da Sedac informou que o assunto deve ser tratado com a pasta da Saúde.

Laudo é contestado, dizem grupos teatrais
A ocupação cultural nos pavilhões teve início há cerca de 15 anos. Hoje, ensaiam no chamado Condomínio Cênico cinco coletivos representativos do Estado: Caixa Preta, Falos & Stercus, Neelic, Oigalê e Povo da Rua. Para Marcelo Restori, diretor do Falos & Stercus e ex-diretor do Instituto Estadual de Artes Cênicas (Ieacen) durante a gestão de Tarso Genro, a alocação do espaço à Sedac passou por “todas as etapas técnica, administrativa e jurídica”. A oficialização foi em 27 de março de 2014. Afirma Restori:

– A rescisão é uma decisão política (do governo). Há um laudo feito por um engenheiro (sobre problemas estruturais nos pavilhões) que é contestado por vários arquitetos e engenheiros que têm nos orientado.

Os artistas realizaram, nessa terça-feira (29/12), uma reunião com um advogado para avaliar medidas legais de continuidade da ocupação. Estuda-se a possibilidade de acionar o Ministério Público.

Assalto e insegurança dentro da Usina do Gasômetro preocupam artistas
Em 2012, o Escritório Modelo Albano Volkmer, vinculado à Faculdade de Arquitetura da UFRGS, realizou um estudo de readequação que os grupos pretendem tomar como base para um projeto, ainda não orçado, de restauro dos pavilhões 5 e 6. Em março de 2013, o Iphae se manifestou favorável à proposta. Segundo Hamilton Leite, do Oigalê, o número de grupos participantes passaria para algo entre oito e 10:

– A ideia é fazer um grande centro cultural de autogestão dos grupos, um projeto de restauro e ressignificação dos pavilhões. Queremos trabalhar também com os moradores do entorno do São Pedro, onde há diversas vilas.

HISTÓRIA DO ESPAÇO

> Fundado em 1874 e inaugurado 10 anos depois, o Hospital Psiquiátrico São Pedro é um centro de referência em saúde mental para 88 municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre, o que totaliza um público de aproximadamente 5 milhões de pessoas.

> Hoje, vivem no local 150 pacientes, muitos deles idosos e com problemas que limitam a vida social, segundo Gilberto Brofman, diretor técnico da instituição. O número chegou a 5 mil nos anos 1970, quando houve um movimento de desinstitucionalização dos internos. Já o serviço ambulatorial realiza cerca de 1,4 mil atendimentos por mês.

> A instituição oferece oficinas de criatividade que envolvem técnicas de pintura, bordado e artes cênicas, sem relação com os grupos do Condomínio Cênico. Há um acervo de cerca de 6 mil obras criadas pelos pacientes.

> Em 2000, o grupo Falos & Stercus começou a trabalhar nos pavilhões 5 e 6. No ano seguinte, os espaços foram aproveitados para ações da 3ª Bienal do Mercosul. Atualmente, cinco grupos utilizam os espaços para ensaios, criação e armazenamento de materiais cênicos. Desde 2008, eles não podem realizar apresentações nos pavilhões devido à deterioração do pré