Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

2 de janeiro de 2015

Victor Hugo assume a Cultura e pede ousadia e criatividade


Em solenidade realizada na manhã dessa sexta-feira (02), no gabinete da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), Luiz Antonio de Assis Brasil transmitiu o cargo de titular da pasta para Victor Hugo Silva.
Sedac deve ser solidária na crise disse Victor Hugo

Sedac deve ser solidária na crise disse Victor Hugo
Em seu discurso de posse, Victor Hugo, agradeceu a Assis Brasil pela acolhida que recebeu no curto período de transição.  Ao assumir pela segunda vez a Sedac,  Victor agradeceu a distinção do governador José Ivo Sartori.  “Essa minha volta amplia o tamanho do nosso compromisso. Temos a tarefa de continuar as coisas boas que aconteceram e trabalhar pela institucionalização das políticas públicas para a cultura. Apresentamos um modelo de gestão ao governador, de uma secretaria mais enxuta e que deve ser solidária na crise, inovadora, criativa e ousada para atender às questões do novo tempo”, afirmou.  O secretário agradeceu ainda a presença do deputado Federal José Fogaça. “ Fogaça vai ter uma participação fundamental para a cultura na Câmara Federal”, disse. O secretário de Turismo, Javis Costella, também participou da cerimônia.
Cultura é processo em formação disse Assis Brasil
Cultura é processo em formação disse Assis Brasil
Em sua despedida, Assis Brasil, agradeceu à equipe de trabalho e resumiu algumas ações desenvolvidas com ênfase ao aumento do orçamento para a cultura, ao bom relacionamento com o Conselho Estadual de Cultura e às relações com os países do Mercosul. “ O que foi feito terá real alcance para ser avaliado no futuro por não sermos inicio nem fim e sim fazermos parte de um processo de construção coletiva. Tratar bem a cultura do Rio Grande do Sul pelo respeito à diversidade, à cidadania e à inclusão é tarefa do gestor público”, afirmou. Assis Brasil concluiu dizendo que retorna à vida acadêmica e literária e elogiou a capacidade profissional de Victor Hugo para gerir a cultura do Estado.