Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

30 de outubro de 2015

Tema da Feira do Livro: livros ajudam a pensar



TEMA DA 61ª FEIRA DO LIVRO
DE POA QUER PROVOCAR O LEITOR

A 61ª Feira do Livro de Porto Alegre acontece de 30 de outubro a 15 de novembro. Durante 17 dias, serão cerca de 700 sessões de autógrafos, 300 atividades para crianças, jovens e professores e outras 145 paralelas ao evento. Estão previstos também 227 encontros com autores, 48 programações artísticas e 24 oficinas.

Neste ano, o tema da 61ª Feira do Livro quer provocar e estimular o leitor. Fala dos livros além da Feira e da literatura na formação de seres pensantes e transformadores. Por isso, a Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL) convida: venha pensar, debater e ler na Praça. Livros ajudam a pensar. A campanha foi apresentada em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, 27/10, no Memorial do RS.
O tema é, também, um convite e um desafio para você que não se conforma e busca respostas, que pergunta e investiga para fundamentar um pensamento. O que você procura está nos livros, nos contos, nas histórias, nos livros de história, nas biografias, na ciência, na poesia, nas obras que espelham a realidade, como apresenta a campanha criada pela Agência Matriz a pedido da CRL.
A campanha, que será divulgada em vários suportes - das redes sociais às bancas de revistas -, vai instigar o leitor usando a imagem icônica da escultura O Pensador, de Auguste Rodin - aquela que mostra um homem em atitude meditativa, sentado, com a cabeça baixa, apoiada em sua mão direita.
O papel pode morrer, a leitura não. E os livros continuam ali, ao alcance das mãos, nos mais variados gêneros, temas e plataformas. Esta é a chave da campanha. Livros como gatilhos da imaginação, fontes de conhecimento e inspiração.
Para o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, Marco Cena, é preciso fortalecer esse objeto lúdico como ferramenta da vida social. “Há uma distância muito grande entre saber e executar, que pode ser encurtada pelo conhecimento, pela leitura, pelos livros,” ressalta Marco Cena.