Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

19 de dezembro de 2014

Câmara aprova criação do Conselho Municipal de Saneamento Básico


A Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou na sessão extraordinária desta quinta-feira (18/12) o projeto de lei complementar do Executivo que cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico. Pela proposta aprovada, o órgão colegiado terá a função de controle social e caráter consultivo na formulação da política de saneamento básico, no planejamento e na avaliação de sua execução. A proposta assegura a representação de forma paritária de representantes da sociedade civil em relação aos representantes governamentais, conforme a legislação vigente.

Pelo projeto, cada um dos seguintes órgãos e entidades terá um representante no Conselho Municipal de Saneamento Básico:

Pelo governo municipal – Executivo Municipal; Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae); Departamento de Esgotos Pluviais (DEP); Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU); Secretaria Municipal de Saúde (SMS); Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam); Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb) e Procon Municipal.

Pela sociedade civil - Conselho Deliberativo do Dmae; Conselho Deliberativo do DMLU; Conselho do Orçamento Participativo (COP); Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (CMDUA); Comitê da Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba; Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Condecon); Conselho Municipal do Meio Ambiente (Comam), e Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí.

O mandato dos membros efetivos e respectivos suplentes terá a duração de dois anos, sendo permitida uma recondução por igual período. O Conselho irá se reunir ordinariamente uma vez a cada dois meses e, extraordinariamente, quando convocado por seu presidente, ou com solicitação de pelo menos um terço de seus membros efetivos. A emenda nº 1 de autoria do vereador Marcelo Sgarbossa (PT), que previa a inclusão de entidades comunitárias e de classe na formação do Conselho, foi rejeitada pela maioria dos parlamentares. 

A presidência do Conselho será exercida pelo representante do Executivo Municipal, que terá direito a voto quando da deliberação de matéria submetida a sua apreciação. O controle social será exercido pelo Conselho por meio do recebimento sistemático de relatórios, balanços e informações que permitam o acompanhamento das ações de saneamento na Capital, a análise do Plano Plurianual e das propostas orçamentárias anuais e do acompanhamento da execução destes.

Controle social

Na justificativa do projeto, o prefeito em exercício, Sebastião Melo, lembra que a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007 (diretrizes nacionais para o saneamento básico), estabelece o controle social como um de seus princípios fundamentais. “Ocorre que a validade dos contratos de concessão de serviços de saneamento, quando existentes, ficou condicionada à realização de audiências e consultas públicas sobre o edital de licitação e a minuta do contrato”, afirma. “E é exatamente esse controle social que é necessário o Executivo regular, para o fim também de poder pleitear e obter recursos federais em prol do saneamento básico de Porto Alegre.”

Texto: Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)