Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

29 de abril de 2014

Sala Sinfônica da OSPA: O início da superestrutura



A Secretaria de Estado da Cultura convida para a solenidade de início da terceira fase de construção da Sala Sinfônica da OSPA, que acontece na próxima quarta-feira, 30, às 16 horas.
O contrato assinado com a empresa Cisal Construções Ltda para esta etapa corresponde a um investimento de R$ 22.336 milhões, resultado de convênio entre o Ministério da Cultura e o Governo do Estado.
Serviço:
O que? Sala Sinfônica da OSPA: O início da superestrutura
Quando? Dia 30 de abril, às 16 horas
Onde? Avenida Loureiro da Silva, nº 165, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho.
Saiba mais:
Desde sua fundação, em 1950, a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) não tem uma sede própria. A necessidade de possuir ambientes compatíveis com os projetos que desenvolve levou a Fundação Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Fospa) a buscar, ao lado da Associação de seus funcionários (Affospa), a edificação de uma Sala Sinfônica, com áreas complementares para abrigar os arquivos musicais e demais atividades de apoio aos seus projetos socioculturais. Para tanto, em 2004, foi criada a Fundação Cultural Pablo Komlós.
O projeto da Sala Sinfônica da Ospa inclui uma sala de concertos, um museu da música, salas de ensaio, escola de música e sede administrativa.
Em 2008, a prefeitura de Porto Alegre cedeu o terreno para a construção, na Avenida Loureiro da Silva, nº 165, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho.
As obras começaram em 2012. As fundações do prédio, que consistiram nas duas primeiras etapas da construção (estaqueamento e construção de blocos de concreto para apoio dos pilares), foram financiadas por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio de Banrisul, Souza Cruz, Vonpar, Lojas Renner, SulGás, Randon, Celulose Irani e Habitasul, e apoio de STIHL, BarraShopping, Marcopolo, Pactum e CIEE, através da Fundação Cultural Pablo Komlós.
Em julho de 2012, foi dado um passo importante para a viabilização deste projeto. Em decorrência de uma proposta de emenda ao orçamento da União feita pela bancada federal gaúcha, o Ministério da Cultura e o Governo do Estado firmaram convênio que definiu a liberação de cerca de R$ 19 milhões pelo ministério e a contrapartida do estado no valor aproximado de R$ 5 milhões. Este convênio custeará a execução da supraestrutura do prédio.