Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

4 de julho de 2015

ONDE NASCEU O BUGIO?




Meu amigo Giovani Grizotti me falou que desejava divulgar na RBS o 24º Ronco do Bugio, que acontece agora, dias 10, 11 e 12 de julho, em São Francisco de Paula, mas que precisa de um “mote”, ou seja, algo diferente, que saísse do lugar comum. Argumentou que em São Francisco de Assis havia filmado os bugios (primatas) saltitando livremente na praça da cidade.

Dei a sugestão a este grande repórter investigativo para que filmassem o Adelar Bertussi, 83 anos, que, ao lado de seu irmão Honeyde, foi o primeiro gaiteiro a gravar um bugio em disco (Casamento da Doralice). Tal filmagem poderia ser diante do memorial erguido aos Irmãos Bertussi lá em São Jorge da Mulada, Criúva, local onde nasceram (na época pertencente a São Francisco de Paula mas hoje fazendo parte de Caxias do Sul).
Tiro dado, bugio deitado (só no ditado, pois hoje se luta pela preservação deste primata já quase em extinção devido a ganância do homem). E a gravação, através da RBS Caxias, vai ao ar no sábado do festival (dia 10).
Mas muitos ficam indagando: - Onde, realmente, nasceu o ritmo bugio?
A discussão existe porque São Francisco de Assis se diz berçário deste compasso crioulo. Segundo os assisenses, o gaiteiro Neneca Gomes teria, com sua gaita de botão, imitado o ronco do bugio macho, no alto dos pinheirais. O escritor Salvador Lamberty acaba de escrever um livro a respeito. Não tive a oportunidade de apreciá-lo, mas deve ter muitas pesquisas de fundamento.
Já São Francisco de Paula, que também requer a paternidade do bichinho, alega que Virgílio Leitão, ali pelas bandas do Juá, fez o mesmo, isto é, imitou no foles de sua botoneira o roncar do macaco quando o tempo está para chuva ou quando se vê acuado. Os advogados de São Francisco de Paula são os próprios Irmãos Bertussi. Adelar, por sinal, me presenteou com uma pesquisa segundo a qual os tropeiros birivas já dançavam o bugio com as índias Caingangues da região serrana de Caxias.
O Folclorista Paixão Côrtes nunca chegou a uma definição sobre o tema mas acha que nenhum dos dois “Chicos” tem razão porque tanto Neneca Gomes como Virgilio Leitão tocavam gaita de oito baixos, que abre num tom e fecha em outro, sendo, por isso, impossível o jogo-de-foles que caracteriza a imitação do ronco. Para ele (Paixão), sem muita convicção ou argumento, a origem do ritmo seria ali pelos arredores de Júlio de Castilhos, já com gaita pianada. Vá entender...
Costumo brincar seguidamente com meu amigo, poeta e compositor Paulo Ricardo Costa, ilustre filho de São “Chico” de Assis sobre o tema. Para nós é mais uma maneira de se divertir e de valorizar o único rítmo genuinamente gauchesco pois é da alma e da criatividade do gaúcho que brotou este trotão sincopado do Rio Grande.
Mas na verdade não é todo o gaúcho que aprecia tal musicalidade porque o pessoal das bandas da pampa prefere mil vezes a milonga. Eu ouvi de Luiz Marenco que jamais gravaria um bugio. E até hoje não gravou... Respeitamos.