Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

24 de março de 2015

Editorial do presidente do MTG-Março 2015


 

Há momentos das nossas vidas em que parece nada valer a pena. São aquelas horas em que temos vontade de “sair fora”, de “largar tudo”, de “parar”. São estas as horas mais importantes porque nos oferecem a oportunidade de reflexão sobre o que fizemos, o que estamos fazendo e o que temos a fazer.
No Movimento Tradicionalista Gaúcho esses momentos de dúvida são frequentes, especialmente para quem dirige entidades. Tenho comigo que isso ocorre porque nossa atividade é complementar. Não é uma atividade essencial. Não nos garante emprego, não melhora o orçamento familiar, não oferece qualquer vantagem material. O tradicionalismo gaúcho, para quem realmente é tradicionalista, somente oferece a oportunidade de amealhar amigos, de auxiliar aos outros, de contribuir para a formação cidadã dos jovens, para fortalecimento das famílias, entre outras coisas gratificantes.
O exercício da liderança nos impõe dificuldades normais como: a falta de tempo, a escassez de dinheiro, a administração de vaidades e interesses pessoais, a necessidade de atender inúmeras demandas ao mesmo tempo, a crescente dificuldade em manter o interesse das pessoas que tem inúmeras opções de espaços e atividades sociais. Tudo isso é sabido e não assusta quando se tem a certeza da importância do que fazemos. O que realmente incomoda é quando somos acusados e expostos publicamente. É nestas horas que precisamos nos fortalecer e fortalecer as instituições.

Termos ciência de que as coisas são dessa forma e que ataques, ingratidões ou sacanagens são inerentes à maldade humana. Quando isso ocorre, só a união e a perseverança nos garantem. É nesses momentos que a parceria se mostra fundamental. A travessia sempre é mais tranquila quando realizada com o apoio dos amigos. É na dificuldade que se mede o tamanho da amizade.

A grande questão é sabermos separar o essencial do resto. O segredo é perceber se aquilo que estamos fazendo é o correto. Assim como precisamos entender as razões, os objetivos e as causas daquelas coisas que nos fazem ter vontade de “largar tudo”. Quem nos aponta o dedo? Porque faz isso? Qual o valor de quem nos acusa? O que temos a temer? Fizemos alguma coisa errada? Responder bem a essas questões é crucial para que escolhamos os caminhos adequados.

De qualquer forma, não podemos perder de vista que o Movimento Tradicionalista Gaúcho, como já disse Barbosa Lessa, existe, também, para demonstrar que “Uma grande nação não se faz somente com o progresso industrial e tecnologia urbana. Se faz também com as mãos calosas do trabalhador do campo, com o senso de grandeza em face da herança recebida, com a humildade do reconhecimento aos que vieram antes, enfim com a emoção das gerações interligadas pelo elo vital da tradição”.
Portanto, esse é o momento de nos darmos as mãos para nos fortalecer. É o momento de isolar tudo e todos que nos fazer ter aquela “vontade”. É a hora de medirmos o tamanho das amizades e, depois de medidas, escolher ficar com aqueles que nos dão suporte para seguir a realizar eventos com a presença fabulosa de jovens, de continuarmos a realizar atividades onde as famílias tem o melhor lugar, de mantermos a nossa certeza de que tradição e cultura não são modismos e não se inventam hoje.
A crença de que tradição é o elo vital entre gerações e que isso é o que garante os aspectos essenciais da vida em sociedade é que nos faz permanecer nas nossas posições, entrincheirados para defender valores, princípios e crenças das quais não somos proprietários, mas guardiões voluntários e orgulhosos.

Se alguém ainda tem dúvidas de que vale a pena tudo o que fazemos, olhe as fotografias da “vaca parada” da FECARS 2015.
Abril de 2015.
Manoelito Carlos Savaris