Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

19 de outubro de 2016

Mostra do Movimento Tradicionalista Gaúcho fica em cartaz até dia 30

via zero hora:

Por: Nathália Carapeços



O tradicionalismo deixou de ser de galpão e de fogo de chão para ser universal. É assim que o folclorista Paixão Côrtes, do alto de seus 89 anos, define o atual momento da tradição gaúcha. De fato, a cultura transcendeu o CTG para ganhar o Memorial do Rio Grande do Sul, no centro de Porto Alegre, na exposição 50 anos do MTG — Tradição e legado. A mostra estará em cartaz até o dia 30 de outubro e terá uma programação especial com palestras abertas ao público (leia no quadro abaixo).
Organizada pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho, a exposição reúne documentos, painéis, livros e fotografias que resgatam a história do MTG antes mesmo de sua fundação oficial, em 1966, no congresso realizado em Tramandaí.
— É a história de uma instituição que levou a nossa identidade regional para todo o Brasil e mundo afora. Estamos até na China — conta Nairo Callegaro, presidente do MTG. — Esse resgate é uma forma de nos aproximarmos da sociedade — completa.


A tese de Barbosa Lessa aprovada em 1954 no 1º Congresso Tradicionalista, a carta de princípios de 1961 e as atas originais dos encontros integram o projeto. Didática, a mostra foi estruturada de forma acessível ao público distante dos CTGs, como explica Lara Lindenmeyer, uma das curadoras:
— Pensamos em como apresentar para as pessoas que não conhecem o trabalho do movimento. Por isso, optamos por uma linha histórica abordando os principais pontos.
Se a ideia era falar da trajetória do movimento tradicionalista, um dos nomes que não poderia faltar era o de Paixão Côrtes. Personagem da cultura gaúcha, o folclorista é lembrado na mostra, claro, mas foi além: compareceu à abertura da exposição como convidado de honra, discursou emocionado e foi aplaudido de pé. Sentado e apoiando-se em uma bengala, o quase nonagenário evocou causos do passado por meio de páginas previamente escritas, pediu ajuda do filho, Carlos, para ler alguns trechos e, por fim, agradeceu àqueles que ainda tentam cultivar a herança local. Depois, foi cercado por prendas e peões que queriam, a todo custo, uma foto com o ídolo.
— É profundamente emocionante porque começamos muito jovens. Saímos do colégio e fundamos o 35 CTG. Estamos no coração de Porto Alegre sedimentando aspectos que já se foram e, ao mesmo tempo, abrindo horizontes para novas conquistas — disse a ZH logo após o evento, entre um autógrafo e outro.

50 anos do MTG — Tradição e legado
Memorial do Rio Grande do Sul (Sete de Setembro, 1020). De terça a sábado, das 10h às 18h. Domingo e feriado, das 13h às 17h. Até 30/10.
– Painel 50 Anos do MTG: Dia 26 de outubro, às 19h, abordando história, legado e o futuro do Movimento Tradicionalista Gaúcho.
– Painel obras literárias — a importância da cultura regional para identidade do gaúcho: dia 27 de outubro, com o escritor Alcy Cheuiche, às 19h.