Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

27 de outubro de 2016

MTG CHEGA AOS CINQUENTA



NAVEGANDO EM ÁGUAS TRANQUILAS

O Presidente Nairo Callegaro (E), com a humildade que lhe é característica,
foi buscar nomes importantes como Paixão Côrtes, que andavam no ostracismo no MTG
As vésperas de completar meio século (amanhã) o Movimento Tradicionalista Gaúcho navega de velas soltas ao vento. Isto se deve, em muito, pelo seu atual timoneiro, Nairo callegaro, uma pessoa adepta ao diálogo. De personalidade calma o presidente da instituição busca aparar arestas através do equilíbrio e da moderação. Ante a tranquilidade de Nairo, qualquer um se desarma.
Aquele ranço comum ao se falar em MTG, principalmente nas redes sociais, parece meio esquecido e a coisa anda como deve andar, ou seja, quem é adepto e se sujeita ao regimento do Movimento faz seu cartão tradicionalista e participa dos eventos promovidos pela entidade. Quem acha que as centenas de normas, diretrizes, regramentos, engessam a cultura gaúcha, segue sua vida a lo largo, do seu jeito, sem enfrentamentos e provocações.
Eu pertenço ao segundo grupo. Me pilcho a meu gosto, gosto das danças ao estilo Paixão Côrtes e penso que o MTG, com a força que tem, poderia ir além do tradicionalismo e fazer mais na parte social (filantropia), entretanto - e parece um contrassenso - admiro, e muito, o trabalho cultural desenvolvido e coordenado pelo MTG. Não fosse o Movimento, talvez o tradicionalismo fosse uma salada de mondongo, um poema sem início, meio e fim.
Vários são os marcos iniciais para a formação do MTG a começar pela fundação do Grêmio Gaúcho, por Cezimbra Jacques, em 1889, ou a ronda gaúcha, por iniciativa do "Grupo dos Oito" no Colégio Júlio de Castilhos, de 1947. A fundação do 35 CTG, em abril de 1948 ou a realização do 1º Congresso Tradicionalista Gaúcho, em 1954, ou, ainda, a constituição do Conselho Coordenador, em 1959 também são fortes argumentos de defesa para comemorações de aniversário desta grande entidade que congrega em torno de si o tradicionalismo gaúcho. Contudo, a data mais aceita e considerada oficial por seus integrantes remota ao ano de 1966, durante o 12º Congresso Tradicionalista Gaúcho realizado em Tramandaí, quando foi decidido organizar a associação de entidades tradicionalistas constituídas, dando-lhe o nome de Movimento Tradicionalista Gaúcho, o MTG. Portanto, neste dia 28 de outubro a instituição comemora seu cinquentenário.
Seria irresponsabilidade, pelo pecado do esquecimento, nominar pessoas que labutaram para que o MTG alcançasse os píncaros do reconhecimento que hoje atinge com quase 1700 entidades juridicamente constituídas, quase um milhão de associados e mais de 20 núcleos no exterior, mas não poderíamos jamais deixar de citar nomes como Cyro Dutra Ferreira e Luis Carlos Barbosa Lessa.
Que seus princípios, suas crenças, seus alicerces familiares continuem norteando suas convenções, seus congressos, seus encontros de artes e tradição, seus rodeios, seus concursos, seus cursos, e que a sua história seja recontada todos os dias em outras tantas metades de séculos.
O folclore gaúcho não é constituído somente do MTG. Vem antes e vai além dele. Mas não podemos negar sua importância. Nada, de forma desorganizada, funciona em lugar algum.
Parabéns, Movimento Tradicionalista Gaúcho e longa vida!