Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

29 de outubro de 2016

Semana da Cultura Riograndense em Açores é anunciada na abertura da Feira do Livro





Os Jacarandás já floriram, as tradicionais bancas estão montadas há dias. Mas é só quando toca a sineta que a Feira do Livro realmente começa. O som tomou conta da Praça da Alfândega na noite desta sexta-feira (28), depois da abertura oficial no Teatro Carlos Urbim.
A cerimônia foi cheia de emoção. O Coral de estudantes da Escola Estadual Carlos Bina, de Gravataí/RS, cantou o Hino dos Açores, o Brasileiro e o do Rio Grande do Sul. Aliás, música e poesia não faltaram. Não houve discurso que não tivesse um tom poético.
Coral da Escola Estadual Carlos Bina, de Gravataí/RS (Foto: Otávio Fortes - Divulgação Feira do Livro)
Coral da Escola Estadual Carlos Bina, de Gravataí/RS (Foto: Otávio Fortes – Divulgação Feira do Livro)
O Presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro disse que esse não é um tempo de ficarmos sentados, apenas esperando soluções. Ao contrário: segundo Marco Cena, mais do que nunca, é hora de arregaçar as mangas: “Nao adianta apontar dedo e fazer acusações. Muito melhor é estender o polegar e pedir carona. Essa é uma Feira da superação. Deixemos de lado a crise, o radicalismo, a solidão. Essa é a Feira da esperança”, completou.
O patrono de 2015, Dilan Camargo passou o posto para a escritora Cintia Moscovich. Ela tomou posse da simbólica chave e falou em tom emocionado: “Nao sou mais do que uma guriazinha do Bom Fim, com coração espremido, que ainda não sabe se eh digna de tamanha honraria. Vocês me fizerem voltar a crer no meu ofício”.
Marco Cena, Dilan Camargo e Cíntia Moscovich
Marco Cena, Dilan Camargo e Cíntia Moscovich
Mas além de belas palavras sobre a Feira e a Literatura, um outro tema esteve presente nas falas: a homenagem aos Açores, que dá o tom à Feira do Livro deste ano. O arquipélago é um território autônomo da República Portuguesa e tem forte relação com Porto Alegre,  já que o povoamento da capital gaúcha começou em 1752 com a chegada de 60 casais açorianos, trazidos por meio do Tratado de Madri.
O Diretor Regional das Comunidades da Presidência dos Açores agradeceu a honraria e ressaltou a forte ligação do Rio Grande do Sul com o arquipélago: “Porto Alegre deveria ser “Porto Alegre e Simpática”. Mas o nome ficaria muito grande! Somos muito bem recebidos aqui, somos irmãos”, garantiu  Paulo Teves.
E foi justo depois dessa fala, que o Secretário de Estado da Cultura, Victor Hugo, deu uma boa notícia: “Estou determinando um novo edital do FAC, o Fundo de Apoio à Cultura, no valor de R$250 mil. A partir dele será feita uma seleção para, em setembro do ano que vem, estarmos lá realizando a Semana da Cultura Riograndense em Açores.
Semana da Cultura Riograndense em Açores deve acontecer em Setembro do ano que vem
Festival da Cultura Riograndense em Açores deve acontecer em Setembro do ano que vem
A 62ª Feira do Livro de Porto Alegre conta com extensa programação em homenagem a Açores e aos açorianos, entre seminários, debates, apresentações e oficinas. O público poderá conhecer mais a fundo o trabalho de escritores como Vasco Pereira da Costa, Madalena San-Bento, Eduíno de Jesus, entre outros.
Neste ano, o evento conta com área total de 10 mil m², sendo 6 mil m² de área coberta. São 93 bancas de venda de livros na Área Geral, 12 na Área Infantil e 6 na Área Internacional – movida para o interior do primeiro andar do Memorial do Rio Grande do Sul, a fim de aproveitar as estruturas permanentes existentes na Praça da Alfândega. O prédio histórico acolhe também alguns espaços da Área Infantil, como a Biblioteca Moacyr Scliar e a Bebeteca, além da Estação da Acessibilidade – que oferece, entre outros serviços, passeios guiados para cegos e surdocegos, tradução em libras, programação da Feira em braille e empréstimo de cadeiras de rodas.
A 62ª Feira do Livro de Porto Alegre ocorre de 28 de outubro a 15 de novembro na Praça da Alfândega, Centro Histórico da capital gaúcha.