Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

21 de agosto de 2014

Cineastas independentes comentam os desafios de fazer filmes no país

VIA ZERO HORA:
 
Na cara e na coragem

Artistas reconhecem melhorias nas políticas públicas voltadas ao audiovisual, mas seguem lutando por mais oportunidades

20/08/2014 | 22h19
Cineastas independentes comentam os desafios de fazer filmes no país Sofá Verde/Divulgação
Cena de "Trique-Trique", da produtora Sofá Verde, que arrebanhou os prêmios de direção, ator coadjuvante e fotografia do Histórias Curtas RBSTV de 2013 Foto: Sofá Verde / Divulgação
Na terça-feira, a cineasta Jasmila Žbanić listou dicas para vencer a falta de investimento em cultura na Bósnia, cujo governo dedica módicos 500 mil euros aos filmes. Não é exatamente o caso brasileiro. Para ficar por aqui e por agora, o governo gaúcho e a Agência Nacional do Cinema (Ancine) acabam de oferecer, em edital, R$ 5 milhões para a produção de longas-metragens de ficção e documentário. Mas não é como se a lida do cineasta se resolvesse com uma câmera na mão e uma ideia na cabeça.
– Desde 2002, a política para o audiovisual cresceu muito e, este ano, o Estado abriu um edital depois de 10 anos (sem editais). Concordo que falta incentivo, mas também falta um acordo maior entre a verba gerada pelo governo e as lideranças da classe cinematográfica – diz Alice Castiel, da Sofá Verde Filmes, criticando a segmentação por gênero dos recursos no edital gaúcho, ao contrário da maior “liberdade criativa” dos editais mais recentes de Minas Gerais e Pernambuco, além da obrigação de vincular o filme a uma distribuidora, o que poderia acabar prejudicando os estreantes.
A Sofá Verde divide casa com a Avante Filmes, oriundos todos – “há quatro, cinco, seis anos” – de cursos da PUCRS e da Unisinos. A casa conjunta foi o jeito encontrado não apenas para garantir um ambiente de troca de ideias, mas também para reduzir os custos. Embora reconheça melhorias nas políticas públicas, Alice entende que é necessário superar o “raciocínio provinciano” que daria vazão a regras restritivas nos editais.
– É muito difícil fazer cinema em Porto Alegre, e o cinema gaúcho é cada vez menos visto fora daqui. O Castanha passou em Berlim, mas é uma exceção, e algo que já acontecia há muito tempo. As coisas estão voltando a funcionar pelo esforço, mas ainda falta um melhor aproveitamento do dinheiro investido – observa Alice.
As soluções, entretanto, nem sempre passam pelo cheque. Após vitória em edital do Fumproarte, da prefeitura de Porto Alegre, o pessoal da Sofá Verde percebeu que a grana era insuficiente para filmar O Corpo na Capital, e a vitória só valeu comemoração por força da hospitalidade do interior.
– Precisávamos de uma locação distante, bucólica, e não tínhamos orçado hotel nem deslocamento. Conseguimos o apoio da prefeitura de Bento Gonçalves, que nos recebeu extremamente bem, fornecendo hospedagem, banheiro químico e um gerador (de energia) – lembra Alice, apontando ainda as alternativas do crowdfunding e de “fazer no amor”, exemplo da vizinha Avante.
Do próprio bolso
A Machina Filmes, de Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques, é outro caso desse “fazer no amor”. Os três curtas da produtora saíram de economias reunidas via “empregos diurnos”, que Rafael e Taísa abandonariam para se dedicar exclusivamente ao cinema.
– Fizemos nosso primeiro filme com R$ 3 mil, e quem trabalhou não recebeu praticamente nada, alguns só a comida. O Caçador (curta-metragem mais recente da Machina) teve uma equipe bem pequena e também foi feito com grana nossa. Agora estamos tentando os editais – conta Rafael, que já viu duas tentativas anteriores morrerem na praia.
Para pagar as contas, o contagotas de trabalhos publicitários ou institucionais. De resto, segurar as pontas para a próxima produção:
– Não tem como fazer cinema sem incentivo, a não ser que tu tenhas um benfeitor, como um edital ou uma emissora. Algumas pessoas recorrem ao Catarse, como o Ulisses da Motta Costa em seu curta Kassandra, um filme muito bem feito. Talvez seja uma solução para complementar o orçamento quando falta grana. Ficando só no Catarse, dá para fazer um filme, mas sob condições difíceis e dependendo da boa vontade da equipe, porque todos estarão sendo mal pagos – repara Rafael.
O roteirista e diretor – e ator, se apertarem o preço e o prazo –  fala ainda que fazer cinema é “um exercício de paciência”. Pronto o roteiro, após meses de análise e discussão, são mais outros meses de aprontar um projeto, inscrever em edital, viabilizar o filme e, só então, começar a rodar. Com tanto atraso, a faísca do artista pode acender desbotada na hora da filmagem.
A maré é alta
A Casa de Cinema de Porto Alegre data de 1987, e de lá para cá projetou no panteão cultural do país obras como Ilha das Flores, O Homem que Copiava e Saneamento Básico, o filme. Sócia da Casa ao lado de Giba Assis Brasil, Jorge Furtado e Nora Goulart, Ana Luiza Azevedo reforça que “não é correto afirmar que os nossos governos incentivam pouco o cinema nacional”.
Quanto ao governo federal, Ana destaca o Fundo Setorial do Audiovisual (Ancine), os editais de empresas públicas (BNDES, Petrobras, Eletrobras), a Lei do Audiovisual e a Lei Rouanet.
– Além disso, o Ministério da Cultura tem feito editais para produção de curtas, documentários, longas de baixo orçamento, desenvolvimento de roteiro e editais dirigidos a temáticas específicas – aponta a cineasta, reiterando que “nunca se produziu tanto e nunca houve tanto incentivo ao audiovisual no Brasil”.
No Estado, Ana observa que, “depois de dois governos sem qualquer ação de apoio ao audiovisual, voltamos a ter um governo que se preocupa em criar ações e políticas de incentivo à produção audiovisual”:
– A verba e as ações ainda foram tímidas, mas aconteceram. Nós queríamos mais, mas não podemos dizer que não existe incentivo estadual ao cinema – conclui.
Para Alice Castiel, produtora da Sofá Verde, o importante é não desistir:
– Não dá para desistir. Fazer cinema sozinho é muito difícil. É muito importante encontrar a tua turma, sair da faculdade, encontrar pessoas que acreditem nas mesmas coisas que tu, inscrever filmes em editais, se voltar para as políticas culturais e públicas, frequentar reuniões em associações, bater o pé, batalhar. E não desistir.