Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

8 de setembro de 2016

Visitantes participam de caminhada guiada no Acampamento



08/09/2016 16:07:40

Foto: Divulgação/ PMPA
Turistas do Japão, Uruguai, São Paulo e Foz do Iguaçu estiveram no passeio



Turistas do Japão, Uruguai, São Paulo e Foz do Iguaçu estiveram no passeio
Turistas brasileiros e estrangeiros, além de porto-alegrenses, aproveitaram o bom tempo para passear no Acampamento Farroupilha e conhecer melhor a cultura gaúcha, nesta quinta-feira, 8. Na primeira Caminhada Guiada no evento neste ano, a turma formada por 11 visitantes de Foz do Iguaçu, Japão, São Paulo, Uruguai e moradores da capital gaúcha conheceu três galpões parceiros do projeto Turismo de Galpão. A atividade foi conduzida e orientada pelo guia da Secretaria Municipal de Turismo (SMTUR) Roque Lemanski.

O passeio iniciou-se em frente ao Espaço de Hospitalidade, centro de atendimento do Turismo de Galpão, e seguiu até a administração do parque, onde está localizada a Chama Crioula. O grupo seguiu rumo ao Departamento de Tradições Gaúchas (DTG) Morro da Tapera, da Associação dos Servidores da Justiça do RS (ASJ). No local, os visitantes participaram da oficina “Roda de Carreta: uma história de força da guerra à cozinha”.

História e culinária - O capataz da entidade, Luís Fernando Alves da Silva, explicou a ligação histórica do povo gaúcho com o meio de transporte e sua influência na culinária campeira. “Nós tínhamos que deslocar a capital da república para diferentes lugares do território gaúcho durante a Revolução Farroupilha e a carreta era o meio de transporte utilizado, por isso a República das Carretas”, disse Silva. O capataz destacou que a carreta foi importante durante todo o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. “Hoje ainda é um meio de transporte utilizado, principalmente no interior. Na cidade são mais comuns as carroças e charretes, que são variações da carreta”, contou.
 
A relação com a gastronomia surgiu da necessidade dos gaúchos se alimentarem com os poucos alimentos que conseguiam transportar nas carretas. O capataz explicou que o quitute é um pãozinho frito. “É feita uma massa de pão, que é sovada e aberta com a mão mesmo, depois são feitos bolachões e é só fritar”, disse. A integrante do DTG Morro da Tapera. Marisa Comin, contou o segredo da iguaria que se assemelha a uma roda de carreta, por isso o nome: antigamente os gaúchos faziam estes cortes que lembram um aro de roda para que o interior do pão ficasse bem cozido.

Dada a explicação, foi a vez de os participantes entrarem em ação para fazer os pãezinhos. A estudante japonesa Eri Okubo, que está em Porto Alegre há 11 meses para estudar português, colocou a mão na massa e ajudou a moldar o quitute . “É uma receita bem simples, gostaria de fazê-la em Tóquio,” comentou. Os participantes receberam um material impresso com a parte teórica da oficina e a receita da iguaria.

Resgate ao passado – As paradas seguintes foram em galpões que são verdadeiros museus com construções e objetos do passado gaúcho. No Piquete Vento Sul, o grupo foi recepcionado pela patroa da entidade, Naira Jobim. O local faz um resgate de como eram as casas no interior do Estado. O próximo ponto de parada foi o Piquete Laços de Sangue, uma legítima casa de barro que resgata memórias do passado dos gaúchos.
 
Na sequência, o guia mostrou o Monumento das Supercuias, que é possível de ser visto de dentro do parque. O grupo passou pela rua Dias Costa, que leva o nome do autor do Parabéns Crioulo, pelo Monumento à Jaime Caetano Braun, pela feira de artesanato e retornou ao Espaço da Hospitalidade.
 
Aproveitando as férias para conhecer Porto Alegre e sua cultura, o casal paulista Felipe Zanetini e Marina Soares aprovou a experiência. “Estamos conseguindo viver realmente a cultura gaúcha, que vai muito além do que aprendemos na escola. É uma cultura muito rica, é bonito de ver como os gaúchos têm orgulho disso tudo. Todo turista deveria experimentar esta vivência oferecida pelo Turismo de Galpão”, comentou Zanetini. 

Cultura viva - O projeto Turismo de Galpão oferece atividades de aprendizagem sobre a cultura gaúcha. Para participar, basta fazer as inscrições no Espaço de Hospitalidade do Turismo de Galpão, localizado próximo à entrada principal do Parque Harmonia, ao lado do Centro de Eventos Casa do Gaúcho. Toda a programação de oficinas está disponível no local, diariamente das 9h às 22h, em guias impressos em português, espanhol e inglês. Outra opção é consultar antecipadamente o portal www.portoalegrecriativa.info. O projeto Turismo de Galpão é uma iniciativa das secretarias municipais de Turismo e da Cultura, da 1ª Região Tradicionalista e da Fundação Cultural Gaúcha. 
 
Festival - Este ano, o projeto traz como uma das atrações o 1º Festival Comida de Galpão, idealizado por Clarisse Chawrtzmann, nacionalmente conhecida como 'A Churrasqueira', que reunirá no Espaço de Hospitalidade alguns dos mais importantes chefs e cozinheiros do Rio Grande do Sul na criação de cardápios de valorização da culinária regional. No dia 20 de setembro, diferentes pratos da culinária gaúcha, preparados a partir da leitura contemporânea de criativos cozinheiros da cidade, estarão disponíveis ao público. O ingresso, por pessoa, será de R$ 20.
 
Linha Turismo - O city tour oficial de Porto Alegre está integrado aos festejos farroupilha fazendo uma parada especial no roteiro Centro Histórico, entre 3 e 20 de setembro, junto ao Parque Harmonia. Os passageiros que estiverem no passeio poderão desembarcar para visitar o acampamento, o Espaço de Hospitalidade, interagir com a cultura gaúcha em oficinas do Turismo de Galpão e reembarcar, usando a mesma passagem, em um dos ônibus Linha Turismo que passarão pelo local de hora em hora, entre 10h05 e 16h05, aproximadamente.


/acampamento_farroupilha /turismo
Texto de: Cristiane Serra
Edição de: Gilmar Martins
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.