Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

26 de fevereiro de 2015

Produtora Cida Pimentel assume Diretoria de Programação e Projetos Especiais da CCMQ



show_img (1)

Velha conhecida da cena cultural gaúcha, especialmente no segmento do rock, onde atua há pelo menos 30 anos, Cida Pimentel é a nova diretora do setor de Programação e Projetos Especiais da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ). Junto ao diretor, Émerson Martinez Fortes, pretende dar mais espaço e visibilidade aos talentos do interior do Rio Grande do Sul, na instituição cultural. “Estou muito feliz de poder representar o mundo fora do mainstream, do rock gaúcho e da arte em geral”, afirma sobre seu novo cargo.
Atuando em Produção desde 1979, sempre com música e em Porto Alegre, com deslocamentos pelo Estado, Cida imprimiu seu nome no DNA de bandas lendárias, tendo descoberto e pago o primeiro cachê de Taranatiriça, TNT e Garotos da Rua, orgulhando-se de ter pago o primeiro cachê destes nomes e de outros que ultrapassaram fronteiras, caso do Engenheiros do Havai, Cachorro Grande e Acústicos e Valvulados. Nos anos 1980 foi programadora da Crocodilu’s, que marcou época na Plínio Brasil Milano, inicialmente como danceteria e após como palco de shows de rock. Foi responsável pela programação musical do Cult, na Cidade Baixa e divulgadora da Stop Records. Trabalhou na Opus e na Atlântida FM participou do programa “Eu, a Carol e Ele”, com Carol Teixeira, sobre sexo, que em 2007 ia ao ar aos sábados.
Teve ligação com grupos teatrais, nos anos 1970 e tem trânsito com as demais vertentes artísticas, como as artes visuais, tendo contato com artistas da área para as capas dos discos que produzia. O Conjunto Bluegrass Portoalegrense tem sido o foco de sua atenção ultimamente, tanto profissional como pessoalmente, já que é casada com um dos integrantes, Ricardo Sabadini. Aos domingos acompanha o grupo, no Brique da Redenção, onde não passa desapercebida, com suas várias tatuagens. “Inventamos música na rua em Porto Alegre há oito anos, produzimos, vendemos e passamos o chapéu, que é o nascedouro de toda arte”, conclui.