Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

4 de maio de 2013

Rio Grande do Sul e Açores resgatam laços históricos com parceria política, cultural e turística


Os governos do Rio Grande do Sul e da Região Autônoma dos Açores (Portugal)firmaram parceria para aprofundar as relações políticas, culturais e turísticas entre as duas regiões. O protocolo de intenções foi assinado nesta sexta-feira (03), em Lisboa, pelo governador Tarso Genro, o secretário de Estado da Cultura, Assis Brasil, e o subsecretário de Relações Internacionais do Governo de Açores, Rodrigo Oliveira.
Governador Tarso Genro assina documento de parceria com os Açores- Foto: Caco Argemi
O documento visa estabelecer uma série de projetos e iniciativas conjuntas, como a realização de eventos culturais, intercâmbio turístico e relações comerciais. Para o governador Tarso Genro, a aproximação com os açorianos resgata uma relação que até então não existia com uma parte dos colonizadores do Estado. “Esta é uma aproximação cultural e política que esperamos transformar-se em um intercâmbio econômico e turístico, tanto para o RS, quanto para os Açores”.
Aproximação entre RS e os Açores faz resgate histórico das duas culturas- Foto: Caco Argemi
O açoriano Rodrigo Oliveira destacou as possibilidades que se abrem com a assinatura do memorando, sobretudo nas áreas cultural e econômica. “Por um lado, o aspecto cultural, ao apresentar os Açores ao Rio Grande do Sul. Por outro, a questão econômica, turística e empresarial, ao mostrar as potencialidades de cada região”, afirmou.
O secretário Assis Brasil acredita que o convênio referenda laços históricos e culturais com os açorianos, ao permitir a adoção de projetos conjuntos em diversas áreas do conhecimento. Entre as primeiras ações previstas  estão a organização de espetáculos musicais no Rio Grande do Sul e no arquipélago português.
Texto: Juliano Meira Pilau