Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

12 de março de 2013

Marta Suplicy anuncia que Vale-Cultura não valerá mais para TV por assinatura


 Ministra diz que reavaliou posição após "movimentação cultural"Marta Suplicy anuncia que Vale-Cultura não valerá mais para TV por assinatura Andréa Graiz/Agencia RBS

A ministra da Cultura Marta Suplicy veio a Porto Alegre recentemente, para anúncio do Vale-Cultura Foto: Andréa Graiz / Agencia RBS
Menos de um mês após anunciar que o Vale-Cultura poderia ser usado em "cinemas, teatros, casas de shows, museus, livrarias, para a compra de revistas e periódicos e para a assinatura de TV a cabo", a ministra da Cultura Marta Suplicy mudou de ideia.
No discurso de abertura do "The forum for global change", Marta disse que, após pesar prós e contras, decidiu por tirar a TV por assinatura da lista de benefícios:
– Pensei em colocar as TVs por assinatura, mas abandonei a ideia por conta da movimentação cultural. Eu escuto, penso nos prós e contras, vou pesando.
 A ministra também reafirmou sua posição sobre a utilização do Vale-Cultura para compra de jogos digitais:
– Nem pensar.
Segundo o Ministério da Cultura, a estimativa é de que 17 milhões de trabalhadores recebam o Vale-Cultura. O benefício será concedido na forma de um cartão magnético, que poderá ser usado para comprar produtos e serviços culturais. Dos R$ 50 mensais, R$ 45 serão bancados pelo governo federal via renúncia fiscal aos empregadores (cerca de R$ 7 bilhões anuais), e o restante, pelos trabalhadores ou pelas empresas que quiserem custear. A adesão ao benefício não é obrigatória, mas, segundo Marta, vai existir "pressão" para que as empresas implantem o Vale-Cultura.
Na semana passada, Marta Suplicy veio a Porto Alegre anunciar o benefício e visitar as obras do Multipalco Theatro São Pedro. Na ocasião, disse que o Vale-Cultura injetará R$ 11,3 bilhões na cadeia produrtiva do setor.