Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

15 de setembro de 2014

Oficina dá dicas do arroz de leite campeiro, simples e original

Foto: Eliana Zarpelon/Divulgação PMPA
Segredos do doce caseiro foram revelados a oito visitantes Segredos do doce caseiro foram revelados a oito visitantes
Foto: Eliana Zarpelon/Divulgação PMPA
A receita e as dicas são da cozinheira Elise Camargo, que aprendeu com a avó A receita e as dicas são da cozinheira Elise Camargo, que aprendeu com a avó
Um dos mais tradicionais dos doces caseiros da culinária gaúcha, o arroz de leite tem sua versão campeira que é possível conhecer na oficina oferecida pelo piquete Severo Rotchê, dentro da programação de atividades do projeto Turismo de Galpão, que acontece no Acampamento Farroupilha. A receita e as dicas são da cozinheira Elise Camargo, que aprendeu com a avó quando tinha oito anos de idade. “É claro que ela cozinhava em fogão à lenha, que dá um gosto especial a tudo, mas o segredo é deixar o arroz ferver, com a paciência que todo doce caseiro exige”, disse Elise às oito visitantes porto-alegrenses que participaram da oficina realizada neste domingo, 14, à tarde.
 
Dose certa - O preparo da receita campeira começa com a fervura de dois litros de leite, aos quais se adiciona alguns cravos, canela em rama e uma xícara de arroz. “Se colocar mais, o doce fica seco”, vai ensinando Elise.  Quando o grão estiver quase cozido, são acrescidas duas xícaras de açúcar e segue a panela no fogo para mais fervura. “O leite vai engrossando aos poucos, ficando ‘amareladinho’, parecendo que dali vai sair um doce de leite”, oriente a oficineira. Quando o doce chega nesse ponto, o fogo é desligado e adiciona-se uma gemada bem cremosa feita com duas gemas e oito colheres de açúcar. “No arroz de leite campeiro, não se usa leite condensado mas gemada, que dá a cremosidade ao doce”, ressalta Elise, que segue com as dicas: remover a pele da gema do ovo com um garfo para reduzir seu gosto forte e sempre bater a gemada à mão para deixa-la com a consistência certa.
 
Descobertas -  Após uma hora, com a sobremesa pronta, é hora de as “alunas” provarem e dizerem se a oficina desvendou algum segredo do singelo doce caseiro. Sobre o resultado da receita, houve unanimidade: “muito gostoso, delícia, aprovado”. Sobre o aprendizado, pouca discordância do grupo.  Embora o doce não fosse desconhecido de ninguém, as dicas foram preciosas. “Sempre cozinhei o arroz primeiro na água e só depois acrescentava o leite; vi agora que não precisa de água”, descobriu Marina Nitsch. “Agora sei que vai mais leite do que arroz, para o doce não ficar seco”, acresceu Ana Helena Porto. Uma última dica de Elisa, que também requer paciência: fazer o arroz de leite para comer no dia seguinte.
 
Opções - O projeto Turismo de Galpão prossegue a partir de segunda-feira, 15, até o encerramento do Acampamento Farroupilha, dia 21. As oficinas são abertas aos visitantes do evento que queiram ter experiências e vivências únicas com as tradições do Rio Grande do Sul. Oficinas de forjamento e afiação de facas, de músicas e danças tradicionais, de erva mate, churrasco e chimarrão, sobre a pelagem dos cavalos são algumas das opções, na maioria gratuitas, que podem ser conferidas. Informações e inscrições para as atividades estão disponíveis no Galpão da Hospitalidade, localizado próximo à entrada principal do Parque Harmonia.
 


/acampamento_farroupilha
Texto de: Eliana Zarpelon
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.