Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

20 de agosto de 2013

Carros temáticos do desfile farroupilha tomam forma no Complexo do Porto Seco

Lendas e mitos serão retratados na apresentação de 20 de Setembro, na Capital


Carros temáticos do desfile farroupilha tomam forma no Complexo do Porto Seco reprodução/Reprodução
Dom Pedro II está no último carro que desfilará pela avenida Foto: reprodução / Reprodução
Para que personagens de lendas e mitos gaúchos façam da noite do próximo 20 de setembro um espetáculo a céu aberto na Avenida Beira-Rio, os trabalhos não param do outro lado de Porto Alegre.

A um mês do Desfile Temático dos Festejos Farroupilhas de 2013, o Complexo do Porto Seco, na Capital, virou cenário de obras: cerca de 15 artesãos trabalham diariamente para dar cor e forma aos nove carros temáticos. O tema deste ano é "O Rio Grande do Sul no imaginário social".

— A ideia é proporcionar um momento de reflexão para o quão importante foi a tradição oral no Estado. Por meio das rodas de chimarrão e do fogo de chão, as histórias da mitologia regional foram contadas até que chegaram a João Simões Lopes Neto, que as reescreveu para a eternidade — explica Rogério Bastos, professor de história e idealizador do tema.

Confira os projetos dos carros temáticos:


Para dar vida as páginas escritas por Lopes Neto, o carnavalesco e artista plástico Sílvio de Oliveira foi convocado.

— O artista sempre está disposto a novos desafios. Já teve gente que reclamou de o criador ser um carnavalesco. Só que eles esquecem que, carnavalesco ou não, também somos gaúchos — argumenta Oliveira.

Após muito ler sobre as lendas do Estado, o artista teve a concepção dos nove carros em uma única tarde. O curto tempo necessário tem motivo. Oliveira trabalha há quase uma década como confeccionador de carros dos desfiles de festejos farroupilhas.Neste, passou de pintor para criador. Mas garante: não deixa de por a mão na massa.

— A diferença em relação ao Carnaval é que o material é mais rústico e a coloração não pode ser tão luminosa. Mas o trabalho é o mesmo — afirma o criador.

A montagem se iniciou em 1º de julho e deve se estender até 10 de setembro. Após isso, cerca de 900 dançarinos, de 20 Centros de Tradições Gaúchas (CTGs), terão tempo para ensaiar sobre as estruturas. O toque final fica por conta dos efeitos especiais que poderão ser visualizados durante o desfile. Cortinas de fumaça, fogo e água deixarão o cenário ainda mais mágico.

—  Todo final de ano a gente diz: vai ser difícil fazer melhor, mas sempre vem uma nova ideia. O 20 de setembro vai ser um espetáculo teatral — resume Josemar Basso, coordenador geral do desfile.
ZERO HORA