Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

20 de agosto de 2013

Procultura depende de mobilização

CULTURA E MERCADO:

No último sábado (17/8), o Novotel Jaraguá, no centro de São Paulo, foi sede do II Seminário #Procultura, iniciativa do Cemec e do Cultura e Mercado, que teve como tema neste ano “Os desafios do financiamento à cultura no Brasil”. O objetivo foi promover um debate com a participação de diversos representantes do setor cultural, do governo, empresas e associações da sociedade civil.
logo procultura
A partir de hoje e durante toda a semana vamos publicar matérias com a cobertura do evento, que reuniu cerca de 130 pessoas.
Quem abriu o debate foi o deputado federal Pedro Eugênio (PT/PE), relator do substitutivo protocolado na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara no último mês de maio. Ele apresentou as novidades do texto que se propõe a substituir a Lei Rouanet e reiterou seus objetivos, além de apresentar os caminhos possíveis até a aprovação do projeto.
O deputado confirmou que o mecenato no Brasil acabou assumindo um caráter mais importante que o FNC (Fundo Nacional de Cultura), sendo que do ponto de vista do desenvolvimento da cultura, o FNC deveria ser a forma de financiamento mais importante, já que permite a realização de manifestações culturais de raiz e locais que não conseguem ter a estrutura adequada para captar recursos e financiar as atividades que querem desenvolver.
Por isso, o fortalecimento do FNC é um dos objetivos do Procultura. O projeto torna-o protegido de contingenciamento, explicou o deputado, transformando o fundo em contábil e financeiro. “Hoje o orçamento do FNC está em R$ 300 milhões, mas o contingenciamento bloqueia os recursos e só temos acesso a R$ 200 milhões”, exemplificou.
O deputado afirmou que em outubro haverá espaço para inserção de emendas financeiras no recurso e que ele pretende implantar uma que aumente ainda mais os recursos do FNC. “A proposta do Procultura dá R$ 600 milhões ao FNC e R$ 3 bilhões ao mecenato. Houve um aumento maior para o mecenato para que, a grosso modo, metade desse dinheiro seja transferido para o FNC”, explicou.
Descentralização - Pedro Eugênio também falou sobre outro objetivo importante do projeto, que é a desconcentração dos recursos da cultura. “Existe hoje uma concentração muito forte dos recursos no eixo Rio-SP.  Todos entendemos que a força e o movimento cultural é realmente mais forte nesse eixo mas, ao mesmo tempo, não podemos deixar a região Norte, por exemplo, sem receber nada”, declarou.
Como o mecenato é, em sua essência, um instrumento que tem que passar pelo Estado, ele é também um instrumento do Estado, mas a escolha do incentivo é privada. Por isso, não pode sofrer determinadas obrigatoriedades que fazem com que o incentivo privado deixe de existir. O Procultura instala a transferência obrigatória de incentivos a outros estados e municípios. “Hoje o MinC já está com a convenção de fazer essa transferência apenas para os estados que tenham Fundo, Plano e Conselho municipais de cultura. Nós estamos propondo que vá no mínimo 15% para os estados e 15% para municípios”, disse o deputado.
Haverá um aumento da renúncia de 4% para 6% ao mecenato para empresas com receita bruta acima de R$ 300 milhões. Desse acréscimo, 80% deverá ser repassado a estados e municípios. Os 20% restantes do acréscimo serão destinados a produtores independentes de pequeno e médio porte.
O projeto ainda conta com um mecanismo especifico voltado à descentralização: um mínimo de 10% do FNC será distribuído para cada região (cerca de R$ 60 mil). E estabelece um piso (limitado a 2%) para cada estado na proporção de sua população.
Sobre a democratização do acesso ao mecenato, o Procultura estabelece que o percentual de financiamento deve ser o mesmo para todas as categorias, com exceção de patrimônio cultural material. E todas as manifestações terão acesso a 100% de financiamento, desde que somem pontos associados ao atendimento de atributos de relevância cultural. Entretanto, estes critérios ainda não foram definidos.
O deputado também falou sobre a ampliação da participação social na gestão do Procultura. O projeto pretende criar as CNICs (Comissões Nacionais de Incentivo à Cultura) Setoriais e manter a paridade dos órgãos gestores CNPC (Conselho Nacional de Política Cultural) e CNICs. Além disso, prevê a integração do Procultura ao Sistema Nacional de Cultura – o que induzirá a formação de milhares de conselhos municipais e estaduais de cultura pelo país.
Para finalizar, Pedro Eugênio declarou que o projeto agora será avaliado quanto à inconstitucionalidade, mas que há possibilidade de aprovação ainda em 2013. “Nós vamos lutar para que ele seja votado e aprovado. Quando o projeto chegar ao Senado, a gente espera que ele esteja redondo no ponto de vista da Fazenda. Se houver mobilização do meio cultural, nós poderemos aprovar o Procultura ainda este ano.”
Confira o PowerPoint apresentado pelo deputado durante o evento: