Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

23 de agosto de 2013

Novo projeto do Porto Seco é prometido para outubro

Foto: Ederson Nunes
Audiência pública reuniu comunidade e autoridades à noite
Foto: Ederson Nunes
Vereadoras Sofia Cavedon (c) e Séfora Mota (em pé) cobraram agilidade


A prefeitura deverá ter em mãos o projeto remodelado do Complexo Cultural do Porto Seco por volta do dia 1º de outubro deste ano. A informação foi repassada na noite desta quarta-feira (21/8) pelo secretário-adjunto de Assuntos Especiais do município, Glênio Vianna Bohrer, durante audiência pública realizada pela Comissão de Educação, Cultura, Esportes e da Juventude (Cece), da Câmara Municipal de Porto Alegre, na Associação dos Motoristas e Usuários do Porto Seco, no Bairro Sarandi. Participaram do encontro representantes da comunidade, de escolas de samba, de entidades de cultura e do Executivo e as vereadoras Sofia Cavedon (PT) e Séfora Mota (PRB).
Bohrer explicou que o novo projeto é, na verdade, a proposta antiga “enxugada” para cortar custos e agilizar sua execução, mas deverá contemplar a infraestrutura reivindicada pelos moradores e carnavalescos. Segundo ele, a proposta básica anteriormente divulgada pelo governo municipal custaria cerca de R$ 140 milhões, “um investimento pesadíssimo”, a seu ver. “Tivemos de dar um passo atrás, e o custo de cada conjunto foi reduzido”, afirmou.
De acordo com Bohrer, haverá dois tipos de módulos: o primeiro, mais simples, terá  arquibancadas em rampa, devendo custar aproximadamente R$ 20 milhões cada; no segundo, haverá arquibancadas e espaços para salas com ocupação a ser definida pela comunidade. Cada tipo estará disposto de um lado da pista. “A ideia é executar primeiro os módulos mais simples”, informou. “Nosso desejo é de que, em 2015, toda a primeira etapa esteja concluída.” Alertou que, após iniciada, a obra demorará, no mínimo, oito meses, não sendo possível contar com a estrutura para 2014.
O Executivo está buscando verbas para a obra, segundo Boher. “Há recursos no Ministério da Cultura e possibilidade de financiamento”, disse. Como lembrou, com a construção dos módulos de arquibancadas fixos, a prefeitura deixará de gastar R$ 3 milhões por ano com a montagem e desmontagem das estruturas exigidas para o Carnaval. Essa verba, na sua opinião, poderá ser utilizada para pagar uma operação de crédito. “Uma coisa é certa: tendo o projeto executivo nas mãos, buscaremos recursos”, declarou.
Segurança
Em resposta à reivindicação de segurança repetida pela comunidade, o secretário-adjunto municipal de Segurança, João Helbio Carpes Antunes, garantiu que a Guarda Municipal faz patrulhas noturnas no Porto Seco. “A partir da meia-noite, há rondas periódicas”, disse. Ele também anunciou que, atendendo solicitação do Executivo, o Corpo de Bombeiros deverá instalar um posto fixo no local. “Já há espaço destinado”, afirmou.
Em nome da comunidade, Ilsa Anghonese reafirmou o desejo de ver o Complexo Cultural do Porto Seco concluído. Lembrou que as escolas de samba desenvolvem seu trabalho o ano todo e querem promover oficinas formadoras de mão-de-obra. Segundo ela, os espaços para esses cursos são prometidos desde 2004. “O Carnaval gera renda e emprego”, frisou. Ilsa disse que a comunidade quer posto de saúde 24 horas, bombeiros, banco, creche, escola em turno integral, teatro e espaços de lazer e esportes. Ainda exigiu mais segurança, pois, como atestou, o bairro tem sofrido com a violência. “Tudo que nos foi prometido tem que acontecer”, salientou.
Informação concreta
A presidente da Cece, Sofia Cavedon (PT), destacou o fato de o Executivo ter, nesta reunião, trazido alguma informação concreta sobre o futuro do Complexo, mas ressaltou que a Câmara e a comunidade continuarão a cobrar e acompanhar sua concretização. Recordou que vários encontros sobre o assunto foram realizados no Legislativo. Séfora Mota (PRB) pediu mais agilidade no processo de conclusão do Complexo. “Há muito tempo esse assunto é discutido”, disse. Na sua opinião, é preciso que as secretarias também façam “pressão” para que a proposta vire realidade.
Participaram da audiência representantes das secretarias municipais de Turismo e de Cultura, da Secretaria de Justiça do Estado, de escolas de samba, do Sindicato dos Artistas do RS, do Conselho Municipal de
Cultura e de associações de moradores da Zona Norte.

Texto: Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)