Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

20 de agosto de 2013

QUANTOS PILAS CUSTA UM GALPÃO?


 


O Acampamento Farroupilha anda a galope... Os esqueletos dos ranchos no Parque Temático Gaúcho (oiga-lê nome véio pomposo que fui inventar em contraponto ao “Favelão Gaudério”), já estão de pé, como mostra a chapa acima).

São em torno de 400 ranchos que abrigarão até o dia 20 de setembro entidades culturais, irmanando famílias apaixonadas por nossa cultura, num evento sem precedentes em se tratando de Tradição Gaúcha.

Mas qual é o custo desta estrutura toda?

Para erguer um galpão de porte médio, atendendo as normas e regras (não pode ser estrutura de lona, por exemplo), se a entidade não guardou material (costaneiras, coifas, telhado, etc..) de um ano para o outro, isto é, se tiver que montar um rancho novo, o preço andeja entre R$ 15 e $ 25 mil.

É computado, aí, além do próprio madeiramento, santa-fé, aluguel de banheiros, transporte, construtor (para quem não ergue seu próprio galpão), peão caseiro e outras coisitas mais como bombeiro responsável, exigência a partir deste ano.

Como a maioria dos Centros de Tradições passa por uma penúria a gente se pergunta, como arrumar este dinheiro?

Muitos CTGs fazem uma “poupança” exclusiva para este objetivo. Outros, vão atrás de patrocínios que, mesmo pingadinhos, ajudam nas despesas. A maioria, abre um bolicho onde a venda de almoços amortizarão estes custos. Quando se trata de algum Departamento Tradicionalista de firmas grandes, estas arcam com os gastos.

Já um galpão mais sofisticado, o preço fica na casa dos R$ 50 mil, podendo chegar aos R$ 70 mil. Mas isto é para quem tem café no bule.

E tudo isto para ser desmanchado no dia 23 de setembro.

Mas o que importa é que, ao final, estão lá, lado a lado, centenas de galpões, uns mais simples, outros mais altaneiros, cada qual com o seu povo no objetivo comum de festejar a data maior de todos os gaúchos.

Os galpões vão dos mais simples aos mais sofisticados