Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

2 de março de 2014

Amazonas chegou ao Porto Seco com a Acadêmicos de Gravataí

Foto: Evandro Oliveira/PMPA
Escola desfilou com 2,1 mil integrantes
Escola desfilou com 2,1 mil integrantes
O Festival Folclórico de Parintins inspirou a Acadêmicos de Gravataí para o desfile no Carnaval 2014. O enredo, "Caprichando e Garantindo: Gravataí te leva a festejar na Ilha de Tupinambarana", homenageou a cidade de Parintins e a festa que traz a disputa entre o Boi Caprichoso, de cor azul, e o Boi Garantido, da cor vermelha, apresentados no último carro da escola. (fotos)
O tema foi escolhido de forma inovadora: concurso realizado pela escola, com participantes de todo o Brasil. O vencedor foi o psicólogo Tayan Amorin, de Pernambuco. Com cerca de 2,1 mil pessoas, cinco carros alegóricos e 19 alas, a presidente da escola, Rita Virginia Bittencourt, comemorou a união de artistas de Gravataí, como atores e bailarinos de Centros de Tradições Gaúchas (CTG). "A comunidade abraçou a escola e hoje está aqui. A avenida merece o espetáculo. É a união pela cultura que traz esse resultado", afirmou.
A Escola – A Acadêmicos de Gravataí foi fundada em 26 de fevereiro de 1961. Atualmente é presidida por Rita Virginia Bittencourt. Suas cores são vermelho, preto e branco. Seu símbolo é uma onça negra. A entidade é a quinta escola mais antiga do carnaval de Porto Alegre e fez seu primeiro desfile oficial em 1993.
Samba-enredo 2014 – “Garantindo e Caprichando: Gravataí te leva a festejar na Ilha de Tupimbarana!”
Compositores – Victor Alves, Conrado Laurindo, Fred Inspiração, Ricardo Abraham e Willian Tadeu.
Intérpretes – Lú Astral e Rudi
Integrantes – 2,1 mil
Carros Alegóricos – 05
Alas – 19

LetraRompe o silêncio da mata
Ecoa o som do tambor
Brincantes anunciam a chegada
Eu naveguei pelo rio-mar
Pra garantir e caprichar
Na ilha que Tupã abençoou
De povos guerreiros, eterna morada
A terra encantada que um dia amargou
Presente para o invasor

Lendas que o velho caboclo contou
Esse canto que me enfeitiçou... é Iara!
Curupiras, caiporas ao luar
E o poder do guaraná... Jóia rara!

Heranças que o tempo guardou
Essa energia que paira no ar
O ritmo, o canto, o boi
A vibração que vem nos encantar
Bate o tambor, a tradição
Nasce mestiça nesse chão
A lenda renasce em versos e se faz real
(É Parintins no carnaval!)
Do olhar, caiu de novo a emoção
Ao ver meu povo campeão
Guiai, ó Padroeira, qual luz de uma estrela
Que mora no meu coração

Quem faz todo o povo cantar e sorrir?
Quem faz a galera vibrar e aplaudir?
É a onça que vem da floresta
De cara pintada na festa
Na aldeia de Gravataí


Texto de: Roberta Obelheiro
Edição de: Caco Belmonte
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.