Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

1 de março de 2014

Estado Maior da Restinga faz homenagem a Elis Regina

Foto: Evandro Oliveira/PMPA
Estado Maior da Restinga cantou Elis no Porto Seco
Estado Maior da Restinga cantou Elis no Porto Seco
O penúltimo desfile da primeira noite do Grupo Especial do Carnaval foi definido pelo presidente da escola, Robson Dias, como perfeito. "Foi empolgante, dentro do esperado". O Estado Maior da Restinga entrou no sambódromo pouco antes das quatro da manhã com o enredo “És fascinação! Elis Regina, rainha nos palcos, seu cantar é pura emoção". A homenagem à cantora gaúcha foi desenvolvida pela Comissão de Carnaval da “Tinga” que relembrou as canções mais famosas da artista.

Com a participação da rainha do carnaval, Brennda Martins Protásio, a "Tinga" entrou na avenida com dois mil integrantes, quatro carros (És fascinação, Elis no Rio de Janeiro, Elis entre amigos e Elis a grande voz do Brasil),  um tripé (Do rádio ao palco) e um total de 18 alas. A escola concluiu o desfile  um pouco antes das cinco da manhã, dentro do tempo previsto.

A Sociedade Recreativa e Beneficente Estado Maior da Restinga foi fundada em 20 de março de 1977. Desfilou pela primeira vez em 1979 e conquistou seu primeiro título em 1982. Sua quadra se localiza no bairro Restinga. Inovou o carnaval da capital gaúcha em 1999 ao contratar Laíla e Xangai, consagrados na escola de samba carioca Beija-Flor.

Samba-enredo – “És fascinação! Elis Regina, rainha nos palcos, seu cantar é pura emoção"
Compositor – André Diniz
Intérprete – Sandro Ferraz

És tu, Elis
A rainha do palco
A mais pura emoção
A voz de um país, és a fascinação
Sorriso que reflete em luz tanto talento
Cada nota aflora sentimento
Desde o tempo que encantava o Clube do Guri
E a música
Se entrega a esta linda travessia
Perfeito encontro, letra e melodia
Cantora igual nunca ouvi

Caipira, pira, pora
Salve a Pimentinha, a diva dos festivais
Então chega de saudade, vem ver a Tinga
Cantando nas águas de março, como nossos pais

A musicalidade
Que invade o corpo da cabeça aos pés
Rara qualidade
De cantar de tudo, samba, bossa ou jazz
O orgulho de ser mulher
De lutar contra a opressão
De lançar estrelas ao céu
Construir uma constelação
Vivendo e aprendendo a jogar
O canto ecoou até em marte
Eu quero uma casa no campo
Pra redescobrir toda essa arte
Teus ramos hoje florescem
Seguindo o caminho desse teu cantar
Sabem que o show de todo artista
Tem que continuar

E lá vai o trem azul tão bonito
Meu estado maior, brilha no infinito
Tem jangada no mar, hoje tem arrastão
Elis Regina em cada canção

Edição de: Vitor Hugo Rodrigues Paz
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.