Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

25 de novembro de 2013

Conselho Estadual de Cultura considera a demolição das casas na Luciana de Abreu uma "mutilação"

Órgão se manifestou a pedido do Movimento Moinhos Vive, mas não pode reverter acordo firmado


Conselho Estadual de Cultura considera a demolição das casas na Luciana de Abreu uma "mutilação" Tadeu Vilani/Agencia RBS
Conforme acordo, três casas serão demolidas para construção de um empreendimento residencial Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS
Ao se posicionar sobre o caso das casas da Rua Luciana de Abreu, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, o Conselho Estadual de Cultura (CEC) considerou a demolição das construções da década de 1930 como uma "mutilação". O posicionamento foi uma resposta a uma solicitação do Movimento Moinhos Vive, também contrário ao acordo firmado há duas semanas.
Apesar de se opor, o CEC não tem poderes para alterar o pacto feito entre o Ministério Público, a construtora Goldsztein e a prefeitura de Porto Alegre. Em 6 de novembro, foi anunciado que três das seis residências serão restauradas e preservadas. As outras serão demolidas para a construção de um empreendimento residencial.
Conforme o ofício do CEC, assinado pelo presidente, Neidmar Roger Charão Alves, "o interesse público está sendo colocado em plano secundário e a solução encontrada é nefasta aos interesses claros da comunidade".
O conselho ainda diz que está à disposição do Moinhos Vive para apoiar ações que tentem reverter o processo.
Entenda o caso

Em 16 de setembro, a Justiça negou o valor histórico das construções da década de 1930. A decisão abriu caminho para que a Goldsztein pudesse construir um edifício de 16 andares no local. A decisão foi contestada por moradores do bairro e defensores da preservação do casario, que organizaram manifestações em frente às construções e se mobilizaram via redes sociais.

Leia mais:
Carol Bensimon: As casas da Luciana