Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

21 de novembro de 2013

Prefeitura inicia homenagens do Centenário de Lupicínio Rodrigues

Foto: Cristine Rochol/PMPA
Prefeito destacou importância de manter viva obra do compositor gaúcho Prefeito destacou importância de manter viva obra do compositor gaúcho
Foto: Cristine Rochol/PMPA
Evento reuniu músicos, artistas, produtores, familiares e amigos de Lupi Evento reuniu músicos, artistas, produtores, familiares e amigos de Lupi
O homem que transformou decepções amorosas em alguns dos mais lindos versos cantados pelo Brasil e pelo mundo afora, que transformava o conjunto paixão, dor-de-cotovelo e boemia em músicas interpretadas pelos grandes nomes da MPB, completaria 100 anos em 2014. Para comemorar o centenário de Lupicínio Rodrigues, a Prefeitura de Porto Alegre lançou nesta quarta-feira, 20, o selo “Lupi - 100 anos de amor e de dor”, que irá marcar as ações que serão desenvolvidas ao longo do ano que vem em homenagem ao compositor. A programação inclui roteiros que vão contar a história de Lupi, tanto em museus como pelos bares da cidade, exposições e oficinas, apresentações de música e peças de teatro, inauguração de uma escultura em tamanho natural e criação da Calçada da Fama Gaúcha em frente ao Centro Municipal de Cultura Lupicínio Rodrigues, e um espetáculo que deve trazer a Porto Alegre alguns dos nomes mais importantes da MPB que gravaram suas canções. (fotos)
 
A homenagem emocionou os familiares de Lupi. “Em nome do meu pai, eu devo dizer que a nossa família recebe essa homenagem em com muita alegria. Ele faria 100 anos em 2014, e não está mais aqui para comemorar conosco. Mas temos a sua cultura, a sua história, a sua obra para fazer com que essa festa seja muito bonita. E se eu tivesse direito a fazer um único pedido seria: pai, viva outra vez!”, declarou emocionado Lupicínio Rodrigues Filho.
 
O prefeito José Fortunati destacou a importância de manter viva a obra do mais gravado compositor gaúcho de MPB no Brasil. “A primeira música que aprendi a cantar foi composta pelo Lupicínio Rodrigues. 'Até a pé nos iremos, para o que der e vier' ”, brincou e cantou Fortunati. “Mas não só o Hino do Grêmio, como grande parte das músicas escritas pelo Lupi está na minha memória e eu tenho certeza que também está na memória da maioria dos brasileiros. Ele nos deixou um legado incrível e é uma honra para o município de Porto Alegre fazer essa homenagem. Nós temos que preservar a obra e a historia desse gênio da MPB”, completou o prefeito. 
 
O evento de lançamento do Centenário de Lupi foi realizado no Centro Municipal de Cultura e reuniu músicos, artistas, produtores culturais, familiares e amigos do compositor, autoridades e fãs. O secretário municipal da Cultura, Roque Jacoby, convidou a comunidade a participar de forma ativa do Centenário de Lupi. “O desafio que fazemos é que todos os porto-alegrenses se integrem a essa festa. Queremos uma participação ativa da comunidade. Que todos aproveitem para fazer a sua homenagem ao Lupicínio Rodrigues”, disse Roque Jacoby.
 
O desafio foi aceito imediatamente. O publicitário e poeta Luiz Coronel leu um poema que fez para Lupi. Confira:
 
Lupicínio Rodrigues
 
Lá vem o menino da Ilhota,
vem da Travessa Batista,
ninguém vê, ninguém nota
seu destino sambista.
 
Foi padioleiro, motorneiro, 
foi Bedel da Faculdade.
Das musas se fez herdeiro,
o compositor da cidade.
 
Teve ouvidos confidentes
aos soluços da madrugada.
Nas rimas mais contundentes,
romances dilacerados.
 
Em todo canto de amor
havia espinho e veneno.
Cada verso era uma flor,
molhada pelo sereno.
 
O coração sempre atento
ao desalento dos bares.
Os vividos sofrimentos
se aninhavam nos cantares.
 
O mundo da gente humilde,
suas vidas, seus amores,
na batuta dos regentes,
na voz dos grandes cantores.
 
Foi parceiro das estrelas
e teve a lua por guia.
São mulheres, que ao perdê-las,
delas fez suas melodias.
 
Cantou também a campanha
em cantos de puro afago.
A Felicidade acompanha
a quem saboreia um Amargo.
 
Ah, se esses moços soubessem
o quanto viveu e sentiu...
Esse Bedel moreninho,
batucando caixas de fósforos,
incendiou, de paixão, o Brasil.
 


/cultura /musica
Texto de: Melina Fernandes
Edição de: Manuel Petrik
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.