Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

29 de novembro de 2013

Participantes da III CNC vão a Câmara exigir aprovação da PEC 150

Produtores culturais, gestores e artistas participantes da III Conferência Nacional de Cultura (CNC), em Brasília (DF), foram à Câmara dos Deputados, ontem (27), pressionar os congressistas para a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 150/03.
Aprovação da PEC 150 na Câmara dos Deputados é pauta na 3 CNC
Reunião na Câmara dos Deputados pede aprovação da PEC 150: recursos definidos para a cultura
A aprovação da PEC é um dos temas de maior importância na III CNC, pois fortalece um dos principais mecanismos do Plano Nacional de Cultura, que é a distribuição de recursos de forma mais democrática entre todos os entes da federação.
“O setor cultural no Brasil é extremamente carente de recursos, e ano a ano este recurso vai declinando”, diz José Augusto Filho, representante do colegiado de Design.
A delegada da Setorial de Patrimônio Imaterial, Marcia Scorteganha, declarou que “o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB – RN), assumiu, juntamente com a deputada Jandira Feghali (PCdoB/RJ), o compromisso de rediscutir o assunto com a ministra”, dizendo ainda haver “uma mobilização de base social e das setoriais pedindo ‘pelo amor de Deus’ que essa PEC seja implantada”.
Recursos definidos
A proposta da PEC 150, apresentada pelo deputado Paulo Rocha (PT-PA), e que tramita desde 2003, garante a aplicação de 2% da arrecadação tributária da União para o incentivo à cultura. Atualmente, o percentual repassado pela União é de 0,6%. Se aprovada, a PEC 150 representará um aumento de R$ 1,3 bilhão para R$ 5,3 bilhões em dinheiro, que serão empregados na preservação, produção e difusão da cultura nacional.
O texto da proposta também estipula que 25% desses recursos serão destinados aos estados e ao Distrito Federal, e 25% aos municípios, sendo que os estados e o DF terão que destinar uma porcentagem fixa de 1,5% de investimentos, e os municípios, 1%. Conheça a tramitação da PEC 150 na Câmara dos Deputados.
Tradição ameaçada
A visita dos participantes da III CNC ao Congresso também buscou sensibilizar para assuntos específicos de grupos, como o das baianas de acarajé em Salvador. A Carta de Princípios do Setor do Patrimônio Imaterial foi apresentada pela baiana Rita Santos, que alegou a representatividade internacional do grupo, ao mesmo tempo em que lembrou que a categoria corre risco de ser proibida de realizar atividades inerentes à profissão.
Baianas fazem acarajé em cerimônia de registro como Patrimônio Imaterial da Bahia
Baianas fazem acarajé em cerimônia de registro como Patrimônio Imaterial da Bahia
“Tivemos um problema com a FIFA, ele não queriam nos deixar vender o acarajé. A FIFA voltou atrás, nos reconheceu e respeitou”, comemorou a baiana Rita.  ”Mas agora, o juiz federal da 13ª Vara de Salvador deu ordem para que a prefeitura retire 550 baianas da orla. Tem baiana que trabalha há mais de 60 anos na areia da praia! E, no dia 1º de dezembro, a prefeitura vai lançar uma portaria proibindo essas mulheres de trabalhar”, desabafou.
Dia 25 de novembro é celebrado, nacionalmente, o Dia da Baiana. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) reconheceu a importância cultural dos saberes da baianas e registrou o “Ofício da baiana do acarajé” como Patrimônio Nacional, no dia 1º de dezembro de 2004. Saiba mais.