Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

13 de setembro de 2013

Acampamento torna cultura gaúcha mais acessível ao visitante

Foto: Vanessa Silva/PMPA
Dança típica foi o tema da oficina apresentada por uma intérprete de Libras

Dança típica foi o tema da oficina apresentada por uma intérprete de Libras

Foto: Vanessa Silva/PMPA
Piquete Loko de Gaúcho busca a inclusão

Piquete Loko de Gaúcho busca a inclusão

O tradicionalismo derrubou uma importante barreira neste Acampamento Farroupilha em direção à cidadania e respeito à diversidade. Pela primeira vez, o evento que acontece anualmente desde 1981 no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho (Harmonia) tem um piquete com acessibilidade para pessoas com dificuldades de visão e locomoção. A preocupação com a inclusão também fez o Loko de Gaúcho (Lote 149) proporcionar dentro do seu ambiente oficinas com a Língua Brasileira de Sinais (Libras). 
 
O tema da oficina desta quinta-feira, 12, foi de danças típicas gaúchas. Cerca de 50 crianças e jovens surdos aprenderam com uma intérprete de Libras e com a presença de bailarinos qual a diferença entre a Vaneira, a Vaneirinha e o Vaneirão. E, a partir de agora, não irão mais confundi-las nem com o Bugio, muito menos com a Valsa. "Estou achando ótimo! Agora sei mais da cultura gaúcha e posso explicar para os meus colegas que não puderam vir", disse a jovem Juliana Freitas, com auxílio de sua mãe, Adelina Freitas. Para a mãe, este é um momento importantíssimo na história do Acampamento e do próprio Rio Grande do Sul. "Sempre aprendemos que o nosso Estado é hospitaleiros. Mas não era com essa fatia da população. Quem é hospitaleiro, deve ser com todos. O Acampamento, pela primeira vez, está se comunicando com esse público", festejou Adelina. 
 
Para o patrão do Loko de Gaúcho, Paulo Strada, a iniciativa de tornar um piquete acessível e inclusivo "é muito importante e, ao mesmo tempo, muito simples". "Tratar por igual as pessoas é tão simples. O gaúcho é assim, trata bem a todos e aproxima todos em torno de um churrasco e de um chimarrão. Não podemos ter preconceito. Me sinto muito bem por ter sido o primeiro a se dar conta disso", diz, sem esconder o orgulho. 


/acampamento_farroupilha

Texto de: Caren Mello
Edição de: Manuel Petrik
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.