Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

15 de setembro de 2013

Prova campeira feminina reúne grande público no Acampamento

Foto: Luciano Medina/Divulgação PMPA
Com 26 anos, Caroline conquistou premiações regionais e nacionais

Com 26 anos, Caroline conquistou premiações regionais e nacionais
As Provas Campeiras são, tradicionalmente, um acontecimento que atrai grande número de visitantes para o Acampamento Farroupilha. Somente neste sábado, 14, 3 mil pessoas passaram pelas arquibancadas da pista de provas, e a previsão é de que a final da gineteada, às 18h deste domingo, 15, leve mais de 4 mil pessoas para o Parque Maurício Sirotsky Sobrinho (Harmonia). Boa parte desse público, no entanto, vai especialmente até a pista de provas para acompanhar a modalidade feminina. A categoria Laço Prenda ocorreu no sábado, 14, e repetiu-se na manhã deste domingo, 15. 

No ano que vem, as provas ganharão mais um dia de disputa em virtude do crescimento de público e competidores. Apenas entre na categoria Laço Prenda, foram 50 inscritas. “Não vim para esta prova, vim para outras provas. Minha mulher é que queria ver a feminina”, disse Artur de Oliveira, sorrindo e tentando esconder a admiração pelas competidoras. Arthur acompanhou a disputa em que meninas e jovens mostraram com graça suas habilidades de, sobre o cavalo, laçar o gado. “É um ótimo número, mas ainda é preciso que cresçamos mais. Existem rodeios pelo país que reúnem mais de 100 mulheres”, defende uma das competidoras, Caroline Pacheco.

Com 26 anos, Caroline aprendeu a laçar aos 6 anos de idade e conquistou seu primeiro prêmio um ano depois. Hoje reúne premiações regionais e nacionais. A jovem uniu a profissão de veterinária de equinos com a diversão de laçar. Questionada sobre as dificuldades para competir e conquistar o respeito em um meio historicamente constituído por homens, Caroline garante nunca ter sofrido preconceito. “Existem casos, mas são raros. Em geral, onde existe uma mulher, o homem de verdade gosta que ela participe dispute de igual para igual.”


/acampamento_farroupilha
Texto de: Caren Mello
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.