Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

18 de setembro de 2013

Comphac debate valor histórico dos casarões da rua Luciana de Abreu

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Novos documentos comprovariam que casario seria de autoria do renomado arquiteto Theo Wiederspahn
 
Novos documentos comprovariam que casario seria de autoria do renomado arquiteto Theo Wiederspahn
O reconhecimento do valor histórico das seis casas na rua Luciana de Abreu foi um dos temas da reunião ordinária do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (Comphac), realizada ontem na Capital. Integrantes do Movimento Moinhos Vive compareceram ao local para acompanhar a análise do colegiado em relação aos novos documentos que comprovariam que o casario seria de autoria do arquiteto Theo Wiederspahn.
Na semana passada, o MP já havia tentado acrescentar ao processo as plantas arquitetônicas, encontradas em setembro por Cláudio Aydos, herdeiro de Alberto Aydos, parceiro de Theo Wiederspahn na obra, e que mostram que as casas foram projetadas pelo alemão. O TJ-RS não aceitou as provas por não ser admitido no sistema processual civil a inclusão de documentos ao processo nesta fase do julgamento.
Os conselheiros concluíram que não tinham todas as informações necessárias para dar seu parecer, entre eles, o acórdão da decisão da 22ª Câmara Cível, de quinta-feira. “Durante a semana, iremos ter acesso a isso e, provavelmente, na segunda-feira, tomaremos uma decisão”, afirma o conselheiro Nestor Torelly, representante do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB). Conforme Torelly, a posição do Comphac não é definitiva, servindo como uma ajuda para que o prefeito José Fortunati decida sobre o tema.