Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

24 de setembro de 2013

Memorial Erico Verissimo está aberto para visitação


Referência fundamental para conhecer o  valioso acervo do autor de O Tempo e o Vento, o memorial ocupa dois andares do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo. Espaço foi inaugurado nessa segunda-feira (23).
O auditório localizado no quarto andar do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo ficou tomado por convidados, imprensa e autoridades locais, todos admiradores da obra do escritor que melhor retratou o Rio Grande do Sul. A  inauguração do Memorial Erico Verissimo,  contou com a presença do filho de Erico, Luis Fernando Verissimo, do secretário estadual da Cultura, Luiz Antônio de Assis Brasil, representando o governador Tarso Genro, do presidente do Grupo CEEE, Sérgio Souza Dias, da diretora do CCCEV, Regina Ungaretti, e do presidente da Gerdau, Jorge Gerdau Johannpeter.
Diretora do CCCEV, Regina Ungaretti, guiou a primeira visita ao Memorial
Nas palavras do doutor em Letras, Flávio Loureiro Chaves, que foi um dos amigos do autor a ceder seu acervo para compor o Memorial Erico Verissimo, o local se torna, a partir da inauguração, um centro de excelência sobre a obra do escritor gaúcho. Chaves, aliás, tinha convivência muito próxima com o escritor e foi quem organizou o segundo volume de memórias de Erico, Solo de Clarineta, deixado inacabado por ocasião de sua morte súbita, em 28 de novembro de 1975O restante do material que compõe o memorial veio do acervo do jornalista e bibliógrafo, Mário de Almeida Lima.
No prédio do CCCEV, localizado na Rua dos Andradas, 1223, dois dos seis andares foram destinados ao Memorial. Nesses espaços, encontra-se uma vasta coletânea com mais de três mil itens, divididos entre mais de 34 volumes originais, manuscritos, correspondências, desenhos, fotos, mapas, vídeos, filmes e fortuna crítica. Com isso, o local se torna referência fundamental para quem quer conhecer a obra e o processo de criação do autor de O Tempo e o Vento e do também aclamado Olhai os Lírios do Campo.
Mapa para ilustrar o livro Incidente em Antares
Na cerimônia de inauguração, a diretora do CCCEV, Regina Ungaretti, afirmou que, com a criação do memorial, o Centro Cultural CEEE Erico Verissimo cumpre sua missão de preservar a memória do escritor. “Criar este espaço é atender ao anseio social de guardar e difundir a memória do Contador de Histórias interessado nas pessoas e nos problemas humanos que, a partir de sua experiência e legado nos proporciona hoje, mesmo após mais de 30 anos de ausência, atualidade no seu olhar sobre a vida e sobre o homem”, comentou. Ela ressaltou ainda que o projeto tem o objetivo de reunir amigos e incentivar novos leitores, tornando-se também, um ponto de encontro para leitores e amigos de Erico Verissimo.
Luis Fernando Verissimo ressaltou a importância do espaço para que as novas gerações possam conhecer melhor a obra de Erico Verissimo. Segundo ele, o pai foi um dos primeiros autores brasileiros a tratar a temática urbana em seus livros. “Um escritor urbano e muito ligado à realidade”, ressaltou. Luis Fernando elogiou ainda a disposição do acervo. “A melhor maneira de homenagear um criador é com criatividade. E isso não faltou na idealização do Memorial”, frisou.
Memorial aproxima a população da obra de Erico Verissimo
O Memorial, que apresenta um dos maiores ficcionistas brasileiros e um dos autores mais traduzidos no mundo, foi possível graças à iniciativa e ao envolvimento do CCCEV e aos patrocínios do Grupo CEEE, Gerdau e Pro-Cultura RS. A produção cultural é assinada pela Backstage. O presidente do Grupo Gerdau, Jorge Gerdau Johannpeter, afirmou estar feliz em presenciar a inauguração do espaço que vai enaltecer Erico Verissimo e reforçou a identificação da obra do escritor com o Estado. “Se alguém quer conhecer o Rio Grande do Sul, procure Erico Verissimo”, frisou.
O presidente do Grupo CEEE, Sérgio Souza Dias, afirmou que a instituição pensa no desenvolvimento aliado à sustentabilidade e, para isso, precisa ter também o apelo cultural. Segundo ele, homenagear Erico Verissimo é uma obrigação. “Queremos que essa casa se torne a casa de Erico Verissimo. O diferencial é que aqui toda a população vai poder estar muito próximo da obra do escritor”, frisou.
Secretário Assis Brasil ressaltou os ensinamentos de Erico Verissimo para os novos escritores
Para o secretário da cultura do Estado, Luiz Antonio de Assis Brasil, o exemplo de Eriso Verissimo foi importante para as novas gerações de escritores, uma vez que ensinou a encarar profissionalmente a literatura. “ A busca obsessiva de Erico no artesanato da escrita ensina que um texto deve ser  trabalhado e retrabalhado até a exaustão”, afirmou. Por fim, agradeceu e parabenizou as pessoas e instituições que foram decisivos para a criação e idealização do Memorial, ressaltando o apoio do grupo CEEE e da Gerdau.
Originais, Linha do Tempo, mapas em 3D e espaço para público infantil
Originais e outros documentos agora disponíveis aos gaúchos
No terceiro andar do Centro Cultural, os visitantes terão a oportunidade de conhecer originais de obras comoFantoches, uma coletânea de histórias que marcou a sua estreia em 1932, a novela Noite, o segundo livro da trilogia O Tempo e O Vento, O Retrato, publicado em 1951, o segundo volume da autobiografia Solo de Clarineta, e o espaço Nanquinote, dedicado às crianças. Também será revelador conhecer detalhes do seu processo de trabalho, como as rasuras de seus textos feitas à mão, em diferentes cores a cada revisão. “Temos manuscritos todos com apontamentos, com avanços e recuos que nos permitem perceber que um livro não nasce pronto, é fruto de um trabalho minucioso que pode demorar muito, como O Tempo e O Vento, que levou 15 anos para ser concluído”, exemplifica a doutora em Letras e professora da UFRGS, Márcia Ivana de Lima e Silva, coordenadora do projeto.
Outra notável curiosidade que pode ser conferida sobre a maneira de delinear suas histórias, é o costume que o escritor tinha de desenhar personagens e lugares, a exemplo do mapa da cidade fictícia, onde se passa Incidente em Antares, e o mapa de El Sacramento, cenário de O Senhor Embaixador. A geografia dos lugares estará exposta em 3D, no centro deste andar, e lá será possível identificar, no caso de Incidente em Antares, o coreto, as mansões das famílias Vacariano e Campolargo e a loja do sapateiro comunista. “O pai tinha mesmo esse costume de desenhar. Ao criar um romance, ele esboçava no papel as personagens para torná-las mais reais, palpáveis”, relembra o filho, também escritor, Luis Fernando Verissimo.
 Ainda no terceiro pavimento os visitantes podem conferir uma linha do tempo, construída a partir de recursos iconográficos, que traça um paralelo entre acontecimentos históricos e a vida do escritor. A interatividade é estimulada por uma ilha de computadores e pelo acesso a vídeos, entrevistas, filmes e depoimentos. “É um espaço para um público bastante amplo, para todas as idades. O objetivo é ousado, mas a ideia é bem essa: cada público vai absorver aquilo que é capaz”, explica o curador do projeto, o bibliófilo Waldemar Torres..
Biblioteca O Continente , lugar para pesquisas e mergulho na obra do escritor
No sexto andar,  o tradicional espaço de consulta do CCCEV, a Biblioteca O Continente, ganhou novas instalações e mobiliário, dedicados a exibir parte da coleção. É, portanto, um espaço destinado a estudos e pesquisa tanto para acadêmicos como para o público em geral. “O Memorial tem características únicas pela tecnologia e democratização de materiais com a importância dos que disponibilizaremos de maneira presencial e virtual. Tudo estará digitalizado e disponível também pela internet”, explica Regina Leitão Ungaretti, diretora do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo.
Texto: Assessoria CCCEV