Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

19 de agosto de 2015

Mais uma vez não terá desfile temático em Porto Alegre

via Diário Gaúcho:

Pelo segundo ano consecutivo, não será realizada a parada com carros alegóricos durante os festejos farroupilhas

Mais uma vez gaudérios não terão desfile temático em Porto Alegre Ricardo Duarte/Agencia RBS
Última apresentação na Capital ocorreu em 2013 Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS
Pelo segundo ano consecutivo, a falta de recursos financeiros fez a Fundação Cultural Gaúcha/MTG cancelar o desfile temático noturno da Semana Farroupilha, em Porto Alegre. Seis patrocinadores desistiram de apoiar o evento, obrigando os organizadores a, mais uma vez, optar por uma única data para celebrar o 20 de Setembro.

Durante 13 anos, o desfile especial foi a cereja do bolo dos festejos, chegando a reunir cerca de 25 mil pessoas no último realizado, em 2013. Com carros alegóricos e quase mil participantes de invernadas, ele ocorria na noite de 19 de setembro, na Avenida Edvaldo Pereira Paiva.

Doença contagiosa em cavalo cancela desfiles no interior
— Desde que assumimos as comemorações, há 16 anos, construímos um modelo de evento que envolve acampamento e os dois desfiles. Porém, estamos perdendo patrocinadores há quatro anos. O jeito é reduzir custos — lamenta o presidente do MTG, Manoelito Savaris.

Leia outras notícias sobre a Semana Farroupilha

Pista encolheu

Manoelito ressalta que para os festejos farroupilhas deste ano – que têm como tema O Campeirismo Gaúcho e a Sua Importância Social e Cultural – a organização obteve junto aos patrocinadores e à prefeitura R$ 1,8 milhão dos R$ 2,5 milhões necessários aos três eventos (desfile oficial farroupilha, desfile temático noturno e acampamento farroupilha). Nesta soma, ainda está presumido o valor a ser arrecadado com aluguéis de lojas e estacionamentos no acampamento.

Conheça piquetes com nomes curiosos no Acampamento Farroupilha

Como medida de contenção de despesas, além do cancelamento de um dos desfiles, foram reduzidos o tamanho da pista a ser utilizada em 20 de Setembro, na Edvaldo Pereira Paiva, para o desfile tradicional – de 350m para 250m – e os espaços dos camarotes. 

— Nossa intenção sempre foi tornar este evento turisticamente importante, que orgulhasse Porto Alegre e o Estado. Vínhamos numa crescente, mas não vamos culpar o Estado, a prefeitura ou a iniciativa privada — explica Manoelito.

Por parte da administração municipal, o coordenador de Tradição e Folclore da Secretaria Municipal de Cultura, Giovani Tubino, disse que a prefeitura assinou um termo de ajustamento de conduta junto ao Ministério Público comprometendo-se a contribuir com serviços no parque – por meio do Dmae, Dep e DMLU – e com R$ 330 mil, que serão destinados para cobrir parte dos custos da ampliação da rede elétrica (no total, custará R$ 460 mil) do acampamento com 400 casas.

Iniciativa empregava trabalhadores

Para o coordenador dos desfiles, Josemar Basso, a palavra é frustração. Em 2014, ele manteve a esperança de realizar o evento noturno até o final de agosto, mas acabou não ocorrendo. Neste ano, porém, ele percebeu o problema mais cedo.

— O desfile temático não vai ocorrer por falta de patrocínio. O que teremos é o tradicional com algumas encenações no meio, igual ao do ano passado. É frustrante, pois ele estava se tornando um dos principais eventos do Estado, como a Festa da Uva, em Caxias do Sul, e o Natal Luz, em Gramado — desabafa.

Outro ponto lembrado por Josemar era a participação dos carnavalescos na confecção dos carros alegóricos de 20 de Setembro.

Entre julho e setembro, cerca de 250 trabalhadores atuavam de forma indireta no evento – vendedores e comerciantes trabalhavam na noite do desfile, por exemplo. Outros 160 trabalhavam no Porto Seco, com salários que chegavam a R$ 500 semanais.

— Este evento formava uma cadeia de trabalhadores em diversos setores. É uma pena, pois o pessoal do Carnaval deixa de ganhar na entressafra — comenta Josemar.