Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

4 de agosto de 2015

Projeto prevê estruturas permanentes no Complexo Cultural do Porto Seco


Tramita na Câmara Municipal de Porto Alegre o Projeto de Lei de autoria do vereador Cláudio Janta (SDD) que estabelece que desfiles e paradas de caráter civil, militar ou folclórico, bem como festas da cultura popular, sejam realizados no Complexo Cultural do Porto Seco e determina que, para esse fim, sejam disponibilizadas estruturas permanentes nesse local.

Janta defende que a proposta visa a incentivar a inclusão social, a socialização dos espaços culturais e a economia. “Através do PL será fomentada a construção de estruturas permanentes no Complexo Cultural Porto Seco para a realização de atividades, além de valorizar a área e suas imediações. Nesse sentido, sua aprovação manterá a cultura de vanguarda de coesão social e democrática de nosso Município, que é conhecida no mundo inteiro”, afirma.

Segundo Cláudio Janta, a estrutura temporária – montada e desmontada a cada Carnaval – é uma situação que desagrada aos usuários do espaço. “A ausência da obra definitiva faz com que não haja segurança durante o ano, o que permite a ação de vândalos e saqueadores”, destaca. O vereador lembra que para restaurar a parte elétrica dos barracões, a fim de deixá-los em condições de uso, com extintores e demais itens exigidos pelo Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio (PPCI), o qual foi concedido mediante liminar judicial, a Prefeitura gastou R$ 300 mil em 2014. “Soma-se a esse valor o custo de R$ 3 milhões anuais referentes à colocação e à retirada das arquibancadas. Juntas, essas cifras representam, pelo menos, R$ 30 milhões em uma década, valor que seria suficiente para iniciar a obra das estruturas permanentes”, conclui.

Porto Seco

A pista de eventos do Complexo Cultural do Porto Seco tinha como ideia inicial a construção de um palco adequado ao Carnaval. O local escolhido, inicialmente, foi o Parque Marinha do Brasil. Não houve restrições dos tradicionalistas, uma vez que o local seria usado também para os desfiles alusivos ao 20 de Setembro, mas houve pessoas que foram contrárias à obra e acionaram a Justiça para impedir a construção naquele local. Outra possibilidade estudada foi a sua construção no Bairro Humaitá, que também encontrou resistência. Finalmente, a pista de eventos estabeleceu-se no Porto Seco, na Zona Norte, com total apoio da comunidade, sendo realizado, em 2004, o primeiro desfile oficial do Carnaval de Porto Alegre.


Texto: Lisie Venegas (reg. prof. 13.688)
Edição: Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)