Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

26 de agosto de 2015

Ministro da Cultura volta a defender substituição da Lei Rouanet


Via Zero Hora:

Segundo Juca Ferreira, Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura poderia ser o mecanismo de estímulo cultural

26/08/2015 - 11h16min
Ministro da Cultura volta a defender substituição da Lei Rouanet Valter Campanato/Agência Brasil
Juca Ferreira Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
O ministro da Cultura, Juca Ferreira, voltou a defender, na última terça-feira, a substituição da Lei Rouanet pelo Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura como mecanismo de fomento cultural.

– Todo sistema de fomento no Brasil está calcado no evento e não está preocupado com o longo prazo, com o acesso permanente à cultura. Se a cultura precisa ser pensada a longo prazo, o  mesmo deve acontecer com o financiamento. O projeto cultural não pode ser como um sapo, que dá um pulo e para, tendo que começar do zero o próximo passo – disse.

Ministro da Cultura diz que distribuição de direitos autorais será mais justa
Primeiro jogo financiado pela Lei Rouanet, gaúcho "Toren" será lançado em 12 de maio

O ministro participou do lançamento do projeto Alma Brasileira, concerto multimídia dedicado à obra de Villa-Lobos idealizado em parceria com o Teatro Municipal de São Paulo que vai percorrer algumas cidades brasileiras em 2016 e integrar a programação cultural das Olimpíadas. Segundo Ferreira, o interesse do ministério se deu não apenas pelo resgate da obra de Villa-Lobos, mas também por ser um projeto que possibilita o diálogo entre várias instituições. O ministro também afirmou que deve intensificar conversas para pensar em uma política pública para a música clássica e a ópera no Brasil.
– Há alguns papeis que pode ter o ministério. O primeiro é justamente a modernização dos mecanismos de fomento, em direção a formatos que possibilitem uma renovação estrutural da produção cultural, como a transferência de fundo a fundo para projetos a longo prazo – explicou Juca Ferreira.

Feira do Livro poderá captar R$ 1,3 milhão via Lei Rouanet

– O ministério pode e deve também criar sistemas operacionais que deem conta da diversidade e da produção e do acesso a ela. O mercado dá acesso à cultura, mas este acesso é do tamanho do bolso de cada um. Produiz, manter e disponibilizar a cultura é papel do estado. O PróCultura trabalha nesse sentido, assim como a disposição da presidenta Dilma de separar uma parte do pré-sal para o Fundo Nacional da Cultura.

* Estadão Conteúdo

Guimarães Presidente  Conselho Municipal de Cultura
Em mandato prorrogado
F: 3338.8738 / 9987.5880
Twitter Guimarães:http://twitter.com/notas_guimaraes
https://www.facebook.com/Paulorobertoguimaraes
Blog Conselho POA:http://cmcpoa.blogspot.com