Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

27 de agosto de 2015

Prefeitura recebe propostas de artistas de rua em audiência pública

via zero hora:

Entidades e coletivos lotaram o Teatro Renascença para debater sobre lei

Por: Felipe Martini
26/08/2015 - 23h05min | Atualizada em 26/08/2015 - 23h19min
Prefeitura recebe propostas de artistas de rua em audiência pública Júlio Cordeiro/Agencia RBS
Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS
Mais de 300 pessoas lotaram o Teatro Renascença em uma audiência pública convocada pela Secretaria da Cultura para discutir as mudanças e a regulamentação da lei dos artistas de rua de Porto Alegre. Mais de 42 coletivos, além de entidades como Sindicato dos Artistas e Técnicos de Espetáculos de Diversões do Rio Grande do Sul, Associação de Músicos da Cidade Baixa e Associação dos Expositores do Brique da Redenção compareceram ao evento.
"Desconsiderem o texto", diz vice-prefeito da Capital sobre regulamentação de artistas de rua
— A minuta polêmica não existe mais. Esse evento é um marco zero na discussão sobre a regulamentação da lei. Essa audiência é o primeiro encontro para discutir um novo formato de forma harmônica a lei do artista de rua — explicou Vinícius Cáurio, secretário-adjunto da Cultura, que comandou a audiência.
Leia a minuta de decreto na íntegra
Também estavam presentes as vereadoras Fernanda Melchionna e Sofia Cavedon que foram articuladores na criação da lei nº 11.586, de 5 de março de 2014. As duas se manifestaram sobre a regulamentação.
— A lei foi feita de forma coletiva e traduz a atividade do artista. A cidade está acolhendo, aplaudindo e assistindo. Esse é o resultado da aplicação da lei. Não vejo a necessidade de regulamentação — afirma Sofia.
Artistas de rua têm em comum a relação com a música ainda na infância
— Não aceitaremos retrocessos na lei, apenas avanços — pontuou Fernanda.
No evento, entidades, coletivos e autônomos apresentaram propostas por escrito e defenderam suas ideias. Diversos pontos da lei foram questionados, como a necessidade de informar à prefeitura o dia e hora da apresentação e a questão do artista poder receber apenas uma doação espontânea sem poder estabelecer um preço por seu produto. Muitos representantes também se posicionaram contra a regulamentação.
Músicos de rua falam sobre a rotina da profissão
Durante as apresentações, a extinção da minuta, que se tornou polêmica na última semana, foi muito questionada.
— A minuta está descartada, mas não está descartada a visão de cidade que essa gestão do governo tem — afirmou Ricardo Bordin, da Associação dos Músicos da Cidade Baixa.
— Temos que agradecer a minuta, pois graças a ela os artistas de rua estão unidos de uma forma nunca antes vista — pontuou Márcio Petraco, do Conjunto Bluegrass Porto-Alegrense.
Ao fim do evento, um grupo de trabalho foi formado para redigir um calendário e marcar os próximos debates. Nos encontros futuros, também serão envolvidos o Sindilojas, Federasul e algumas associações de moradores. As vereadoras afirmaram que vão acompanhar de perto as negociações.