Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

23 de outubro de 2013

Cultura e talentos locais constituem os destinos criativos

A relação entre Turismo Criativo e Cidades Criativas foi ponto central na mesa redonda que encerrou  a programação da manhã desta quarta-feira, 23, da 1ª Conferência Brasileira de Turismo Criativo, que se realiza em Porto Alegre e reuniu, no palco do Theatro São Pedro, Caio Carvalho, ex-ministro de Esporte e Turismo e ex-presidente da São Paulo Turismo, e a autora da primeira tese brasileira de doutorado sobre Cidades Criativas e desenvolvimento, Ana Cala Fonseca. 

Pensar o turismo - Considerando o evento promovido por Porto Alegre como "oportuno para oxigenar as cabeças que pensam o turismo brasileiro", Caio ressaltou a forte competição dos destinos na busca de novidades que os diferenciem e atraiam fluxo turístico. Segundo o palestrante, hoje, no Turismo, a sociedade da informação dá lugar à sociedade do emocional, em que ninguém mais "quer ser todo o mundo". "
Uma cidade é criativa por conta de seus talentos, e a cidade criativa só será um destino criativo se souber trabalhar essa conexão", ressaltou Caio, que alinhou alguns preceitos para esta combinação de cidade/destino criativo: ser tolerante com movimentos inovadores e culturais; comprometida e abraçada à cultura; que valoriza e preserva seus valores e entende a criatividade como um valor social; um lugar onde as pessoas se sintam personagens de seu desenvolvimento; cidades que conseguem se fazer perceber como criativas e, finalmente, que entendam que globalização não significa uniformização.

Depois de apresentar exemplos de cidades que trabalham o turismo com criatividade, Caio reforçou o entendimento que está permeando todos os painéis e mesas redondas da conferência: "O importante é trabalhar o intangível, a cultura e os talentos criativos do destino". A Copa do Mundo, assim como todos os  grandes eventos, não passou em branco. O palestrante reforçou a visão de que essas realizações devem estar a serviço das cidades, e não o contrário. "Os grandes eventos são efêmeros, e as cidades, permanentes", lembrou. Caio encerrou citando o poeta Mario Quintana para ilustrar sua apresentação: "uma vida não basta ser vivida, precisa ser sonhada".

Mantra - "...O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim, para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você." Mario Quintana foi inspiração também para a painelista Ana Carla Fonseca, que definiu o poema Jardim das Borboletas como o "mantra do Turismo Criativo". Segundo ela, quem faz uma cidade ser criativa são seus próprios cidadãos. "O que os outros não veem é porque não estamos mostrando, porque também não estamos vendo, não conhecemos", afirmou, ao se referir aos traços que são comuns às cidades criativas, independentemente de seu tamanho. De acordo com Ana Carla, essas características são a capacidade de se reinventar, de estabelecer conexões entre bairros, com o ambiente, entre as diversidades, o local e o global e entre o público e o privado, e o valor que atribui à cultura para estabelecer sua identidade, ativar sua economia  e criar um ecossistema favorável à criatividade. "O que puxa o Brasil para cima nos indicadores não são itens como infraestrutura, mas os recursos naturais e culturais do país",  concluiu.

A 1ª Conferência Brasileira de Turismo Criativo prossegue à tarde com as mesas redondas "O Turismo sob a perspectiva da inovação e da Economia Criativa" e "Turismo Criativo – Uma conversa global". O encerramento será feito com a leitura da Carta Porto Alegre Turismo Criativo, às 17h30.


/evento /turismo

Texto de: Eliana Zarpelon
Edição de: Vanessa Oppelt Conte
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.