Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

21 de outubro de 2013

Obras no Cais Mauá são autorizadas, mas devem ficar prontas depois da Copa

Agência Nacional de Transportes Aquaviários aprovou nesta segunda-feira a revitalização dos 16 armazéns


Obras no Cais Mauá são autorizadas, mas devem ficar prontas depois da Copa Tadeu Vilani/Agencia RBS
 
Devido ao atraso no cumprimento do cronograma, dificilmente a primeira parte do projeto ficará pronta até a Copa do Mundo Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS
O arrastado projeto de revitalização do Cais Mauá, que vai transformar a orla do Guaíba em um pulsante espaço de restaurantes, bares, lojas e estabelecimentos comerciais, começou a sair do papel para tornar-se realidade nesta segunda-feira. A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) aprovou o início dos trabalhos de restauração dos 16 armazéns, conforme publicação do Diário Oficial da União.
Porém, devido ao atraso no cumprimento do cronograma, dificilmente a primeira parte do projeto ficará pronta para a Copa do Mundo de 2014. Devem ser investidos até R$ 500 milhões. As obras chegaram a ser confirmadas para junho deste ano em uma cerimônia.
— Acho difícil, pois está muito atrasado. Talvez uma parte seja resolvida até a Copa. Em novembro conheceremos a empresa contratada — informou o diretor do Cais Mauá, Ademir Schneider.
Segundo ele, há um esforço muito grande do governo do Estado e da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) para destravar o projeto. No primeiro semestre deste ano, a previsão era que os trabalhos pudessem ser realizados em até 11 meses, antes da Copa do Mundo.
A revitalização do Cais Mauá foi anunciada em 1991, durante o governo de Alceu Collares. Desde então, sofreu diversas alterações no projeto, e hoje está a cargo da empresa Porto Cais Mauá do Brasil.
O empreendimento compreende o trecho da Estação Rodoviária até a Usina do Gasômetro, em uma extensão de 2 km, com área de 187 mil m². A segunda licença, para a construção de três prédios comerciais e um shopping center, ainda está em avaliação pela prefeitura da Capital e não tem data prevista.