Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

25 de outubro de 2013

Livro revela perfil do público do Orçamento Participativo

Foto: Divulgação/PMPA
Trabalho inclui estudos sobre o número de participantes do OP entre 1990 e 2012
Trabalho inclui estudos sobre o número de participantes do OP entre 1990 e 2012
Solteira, com idade acima de 50 anos, renda de até dois salários mínimos e empregada do setor privado com carteira assinada. Este é o perfil mais expressivo entre as pessoas que integraram o público do Orçamento Participativo de Porto Alegre em um período de 22 anos – o sistema de decisão de investimentos em obras e serviços da cidade foi implantado em 1989, há 24 anos, portanto. Os dados estão disponíveis em obra que terá lançamento no próximo dia 29 de outubro, terça-feira, a partir das 19h, na sede do Conselho do Orçamento Participativo (rua Siqueira Campos, 1300, 14º andar). Trata-se do livro “Orçamento Participativo de Porto Alegre – Perfil, Avaliação e Percepções do Público Participante”, produzido por Observatório da Cidade de Porto Alegre (ObservaPoa), Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e Observatório das Metrópoles.

Com 136 páginas, o livro é assinado por Luciano Fedozzi, Adriana Furtado, Valéria Dozolina Sartori Bassani, Carlos Eduardo Gomes Macedo, Cidriana Teresa Parenza e Milton Cruz. O trabalho inclui estudos sobre o número de participantes do OP entre 1990 e 2012, perfil e renovação do público. No perfil, são contempladas informações como sexo, estado civil, idade, escolaridade, escolaridade e sexo em relação às instâncias do OP, raça e etnia, renda, trabalho e tempo de residência na Capital.

No segundo capítulo, o livro apresenta a avaliação do OP pelos próprios participantes, abordando aspectos como o poder de decisão sobre obras e serviços. Estabelece ainda uma comparação do OP na primeira gestão de José Fogaça (2005 – 2008) e nas gestões anteriores. Outros aspectos examinados pelo capítulo dizem respeito ao conhecimento das regras de funcionamento, a prestação de contas e a avaliação em si mesma.

O capítulo seguinte aborda o uso das tecnologias da informação no processo e a importância do ObservaPoa para o OP. Implantado em 2006, o Observatório tem o objetivo de organizar e disponibilizar informações socioeconômicas dos bairros e regiões da cidade. O quarto e último capítulo é dedicado à cidadania e cultura política entre os integrantes do OP, avaliando preferência partidária, motivações, percepções sobre democracia e mudanças na cultura política ocorridas no processo.


/observapoa /orcamentoparticipativo
Texto de: Poti Silveira Campos
Edição de: Fabiana Kloeckner
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.