Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

26 de outubro de 2013

Editorial do blog Rogerio Bastos- O teatro e o tradicionalismo


Há muitos anos venho “batendo nesta tecla” que temos o poder da mudança, só nos falta o principal, que é a atitude para mudar.

Durante minhas palestras costumo dizer que os CTGs estabeleceram uma estagnação tão grande e tão copiativa, que se uma invernada, em algum tempo, fez uma apresentação, no almoço ou baile, de entrada, três danças e saideira (apresentação de rodeio), todos outros fazem o mesmo. Pergunte por que é assim. A resposta será, também, a mesma: “Não sei... sempre foi assim!”
Muito tempo venho dizendo que estimular a juventude em realizar trabalhos teatralizados podem trazer um grande diferencial para as entidades. Como prova disso, os CTGs que tem contratado companhias teatrais tem se dado bem. Como exemplo, o Guri de Uruguaiana, que tem se apresentado em diversos CTGs. Seu cachê é bastante alto. Mas tem valido o investimento. As entidades não contratam um conjunto por R$ 8.000,00 , mas pagam isso para o show dele. E tem um ótimo retorno. Quem não tem o costume de ir ao teatro São Pedro assisti-lo, vai ao CTG e ainda jantar, por um preço menor que o teatro.
Mas por que não promovemos e estimulamos o teatro dentro dos CTGs? O jovem tem uma necessidade de se mostrar, vive em constante mudança, e o trabalho teatral começa ampliar um leque possibilidades na vida dele. Uma dificuldade que, tanto as crianças, quanto os adolescentes enfrentam, é a timidez, onde o teatro tem uma grande importância, pois trás a desenvoltura, trabalha a expressão e, também, o uso do discurso, que é saber lidar com algum tipo de situação, saber se impor. Ajuda até mesmo as invernadas.
Certa oportunidade, paramos os ensaios da invernada no CTG e fizemos algumas peças teatrais que divertiram o público. Agradou por quê? Por que é algo diferente e as pessoas querem ver algo diferente. Não precisamos romper com as nossas coisas da tradição para promovermos o novo. Uma peça teatral do Analista de Bagé, contos natalinos, lendas urbanas, lendas e mitos, contos gauchescos... Tanta coisa para se fazer e melhorar, tantas atitudes positivas para se tomar, tanta coisa para pensar e lá estão alguns, se preocupando com centimetragem, com a altura da mão, com o calcanhar ou a ponta do pé. O grande exemplo foi as entidades que venceram na premiação dos projetos culturais do acampamento farroupilha de Porto Alegre, TODOS usaram teatro.
Alguém me disse um dia:”Para de preocupação com as frieiras (elas incomodam mas não matam) e foca nas coronárias” – em outras palavras, preocupe-se com o que realmente é importante, com a obra de arte, pois o resto, o resto é moldura.


Em tempo: Feliz da vida com a medalha e diploma de criador do tema dos festejos farroupilhas de 2013 – entrando para a história.