Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

1 de outubro de 2013

ZERO HORA DE HOJE DESTACA A RENOVAÇÃO DA CINEFILIA EM PORTO ALEGRE


Novos projetos e boa frequência do público nos ciclos de filmes dão novo gás à cinefilia em Porto Alegre

Sessões, debates, publicações e até festivais resgatam tradição cineclubista da cidade

Novos projetos e boa frequência do público nos ciclos de filmes dão novo gás à cinefilia em Porto Alegre Banco de Dados/Banco de Dados
Os Incompreendidos, de Truffaut, clássico da descoberta do cinemaFoto: Banco de Dados / Banco de Dados
Em 2008, Porto Alegre recebeu uma mostra com filmes inéditos na cidade de realizadores festejados como Jia Zhang-ke, Hou Hsiao-hsien e Apichatpong Weerasethakul. Era a mostra do ano na Capital, mas nem isso mobilizou o público à Sala P.F. Gastal – foram, em média, entre 10 e 20 espectadores por sessão.
Em 2013, as coisas estão diferentes. Uma série de ciclos de filmes com apelo semelhante (o de Béla Tarr, o de Jacques Rivette, entre outros), além do surgimento de projetos de cinema (sessões especiais, publicações e até festivais) dão a impressão de que os cinéfilos acordaram. Há mais eventos ligados à cinefilia e, além disso, mais público nesses eventos – no caso das citadas mostras de Tarr e Rivette, os 118 lugares da P.F. Gastal não foram suficientes para acomodar todos os interessados em diversas sessões.
– Trabalho na sala desde 1999 e nunca havia visto uma renovação dos espectadores como a que ocorre desde o ano passado – afirma Marcus Mello, coordenador de cinema da Secretaria da Cultura da cidade, responsável pela programação da P.F. Gastal.
– O público está mais diversificado, não há apenas aqueles cinéfilos de sempre – observa João Pedro Fleck, do Cine Santander, que nesta terça-feira inaugura justamente uma mostra sobre cinefilia.
A renovação implode a teoria apocalíptica de que, com o boom do compartilhamento de filmes pela internet, salas dedicadas a programações alternativas sucumbiriam. Era essa a explicação recorrente para a pouca frequência dessas salas, anos atrás.
– É que ver o filme no cinema faz diferença – diz Fleck. – Talvez a gurizada tenha se dado conta disso depois de ver muito filme no laptop, pausando a reprodução para responder mensagens no Facebook.
Contam, para o boom da nova cinefilia, a boa programação desses espaços (vale citar também o CineBancários, o Guion Center, a Sala Redenção, o Instituto NT e a Cinemateca Paulo Amorim) e a qualidade da projeção digital que eles oferecem, especialmente com o Super Blu-ray, que em muito supera os equipamentos usados anteriormente.
Fundamentalmente, no entanto, a renovação tem a ver com o interesse de uma turma de 20 e poucos anos, em parte oriunda dos cursos superiores de cinema. Além de frequentarem as salas, são eles que estão por trás de muitas iniciativas cinéfilas recentes.
Seu interesse, pelo perfil dessas iniciativas, não é só ver os filmes, mas debatê-los. Tome-se como exemplo a Sessão Plataforma: o patrocínio da cervejaria Rasen garante um incentivo para as rodas de conversa pós-sessão. E, também, o grupo por trás da Sessão Aurora e do Zinematógrafo (são cerca de 10, entre os quais Leonardo Bomfim e Cristian Verardi, que trabalham na P.F. Gastal): eles se reúnem periodicamente para falar sobre temas pré-definidos dentro do universo do cinema e programam as sessões conforme o andamento da conversa.
– A ideia é mesmo retomar o espírito dos cineclubes – explica Bomfim.
– O que essa gurizada está fazendo é o que a minha geração fazia nos anos 1990 – comenta Gustavo Spolidoro, cineasta e professor do curso de cinema da PUCRS.
É como se, após a efervescência promovida pela "galera do Super-8", chegasse a hora da geração formada pelos cursos superiores de cinema. Demorou, mas os novos cinéfilos estão aí.
Alguns projetos cinéfilos de Porto Alegre
Clube de Cinema de Porto AlegreFundado em 1948, tem sessões aos sábados e domingos pela manhã, nas salas do circuito. É o exemplo mais remoto da vocação cinéfila da cidade: em 65 anos, suas atividades nunca foram interrompidas. "Nem durante a ditadura militar, quando tínhamos de apresentar o filme aos censores antes", lembra o crítico Hiron Goidanich, o Goida.
Diálogos de cinemaVoltado aos curtas, o Festival Diálogo de Cinema terá sua primeira edição em novembro. É mais um dos jovens festivais porto-alegrenses – outros são o Close, voltado à diversidade sexual, e o Democracine, com filmes de caráter mais político.
Cinedrome e Cine F
A tradição cineclubista chegou aos (já nem tão) novos cursos superiores de cinema do Rio Grande do Sul. O Cinedrome começou na Unisinos e se espraiou por outros espaços da Capital. O Cine F é uma iniciativa de alunos da UFRGS e é realizado na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação Social da universidade (Fabico).
Aurora, ZinematógrafoO mesmo grupo que fundou o fanzine à moda antiga Zinematógrafo promove a Sessão Aurora, na Sala P.F. Gastal. "A Aurora é a irmã vaidosa do Zinematógrafo", brinca Leonardo Bomfim. Além da exibição de filmes, o projeto Aurora inclui ainda uma revista digital, sem periodicidade definida.
Cine Divã e Cineterapia
O primeiro é realizado pela Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre no Instituto NT.
O segundo, pelos terapeutas Cinthya Verri e Roberto Azambuja no CineBancários.
Sessão PlataformaProjeto mensal que traz à cidade longas badalados no circuito de festivais que, não fosse por sessões especiais como esta, dificilmente ganhariam exibições em Porto Alegre.
Mostra de Vídeo IndependenteCoordenada por Nicanor Santos, é realizada desde 2000 na Sala A2B2 da Casa de Cultura Mario Quintana. Já são 140 edições.
Raros"Filmes que você sempre quis ver ou nem imaginava que existiam." É o slogan do Projeto Raros, criado em 2003 para apresentar ao público local títulos nunca lançados no circuito exibidor brasileiro ou há muito tempo fora de circulação nos cinemas, procurando reproduzir o espírito das "midnight movies" realizadas em Nova York a partir do final dos anos 1960. Tem lugar na Sala P.F. Gastal nas noites de sexta-feira e participações, entre outros, do crítico Carlos Thomas Albornoz.