Postagem em destaque

Justiça cassa mandato do Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre

A decisão do juiz José Antonio Coitinho, titular da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, em Mandado de Segurança impetrado p...

11 de setembro de 2015

Nem só de churrasco vive o Acampamento Farroupilha


O Acampamento Farroupilha recebeu até quinta-feira, 10, cerca de 350 mil pessoas no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho (Estância da Harmonia), segundo dados da Brigada Militar. Para alimentar esses visitantes e os que ainda virão, a organização do evento montou uma diversificada Praça de Alimentação onde não faltam costelão 12 horas e carreteiro de charque, pratos característicos de comida campeira, e também cuca, hambúrguer e pão de queijo.

"Nem todo mundo que visita o parque quer degustar comida típica. Um dos alimentos que atrai bastante o público é o morango com chocolate, que está presente há alguns anos aqui no acampamento", conta Raquel Quevedo, da empresa que comercializa os pontos comerciais da praça. "Mas o que mais sai, sem dúvida, ainda é o churrasco e o carreteiro de charque", rebate Carlos Rogério Farias, da mesma empresa. No total, são 41 pontos que disponibilizam lanches, bebidas, sobremesas, lenha, carvão, carne e outros mantimentos para visitantes e acampados. Além da praça de alimentação com 900 cadeiras, o parque também conta com mercado, açougue e padaria para atender aos 365 piquetes de residentes no Harmonia até 20 de setembro.  
 
No mix de produtos estipulado para o evento estão aqueles essenciais para os acampados; os típicos, que a população espera encontrar, considerando as crianças; e também novidades, como os doces marroquinos e o ood truck de hambúrguer, que começa a atender neste sábado, 11, na rua da cancha de bocha, e promete fazer sucesso com seu hambúrguer de linguiça campeira.

O ponto de doces marroquinos tem chamado atenção no parque, por conta do inusitado tamanho dos doces e pela divulgação, que afirma que suas iguarias tem 50% menos açúcar na composição. Segundo a empresária Mariel Manzke, os doces e cocadas são feitos seguindo receita marroquina, e utilizam apenas açúcares naturais extraídos das frutas, o que garante o percentual reduzido. Os doces são feitos em Bagé, por uma família de descendentes de marroquinos, e inicialmente eram distribuídos apenas para a família, vizinhos e conhecidos. Há três anos eles participam de feiras em todo Brasil. No acampamento, oferecem além de 16 sabores, doces livres de glúten e alguns sabores sem lactose.  
 
Como opção para aqueles que vêm ao parque e desejam vivenciar plenamente a cultura gaúcha, também é possível assar uma carne em uma das churrasqueiras públicas. Dos espetos à carne, sal, carvão e sobremesa, é possível encontrar tudo na estrutura do Acampamento Farroupilha.


/acampamento_farroupilha /cultura /turismo
Texto de: Andréa Menezes
Edição de: Isabel Cristina Kolling Lermen
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.